Hedonismo

Filosofia

PUBLICIDADE

O hedonismo não é apenas uma teoria filosófica, sendo primeiramente uma doutrina ética. O hedonismo surge na Grécia Antiga visando apresentar um sentido para a caminhada da vida: a busca pelo prazer, realizada, conforme uma doutrina, por meio de tarefas.

No entanto, o hedonismo ganhou diversos contornos e significados ao longo do tempo. Mesmo na Antiguidade, já havia diferentes posições sobre o hedonismo, na Modernidade ele ganhou eco entre os escritores e artistas libertinos, e hoje ele é visto como uma busca incessante pelo prazer como meio de dar sentido a uma vida ausente dele.

Leia também: O que é filosofia? 

Conceito de hedonismo

Hedonismo vem do grego Hedonê — nome de uma guia, uma daemon ou uma deusa, na mitologia grega, que representa o prazer. Filha de Eros e Psiquê, Hedonê era a representação encarnada de uma vida prazerosa. O hedonismo é uma doutrina, ou filosofia de vida, que defende a busca por prazer como finalidade da vida humana. Buscar prazer é o que move as paixões, os desejos e todo o mecanismo da vida, sendo, portanto, na visão de hedonistas, a primeira e mais completa ponte para a finalidade última da vida: a felicidade.

História do hedonismo

O hedonismo surge na Antiguidade Clássica, mais precisamente na transição da filosofia clássica para a filosofia helenística. Quem o criou foi o filósofo grego Aristipo de Cirene. Ele acreditava, assim como Aristóteles, haver uma finalidade para a vida humana. No entanto, Aristóteles colocou o alvo dessa finalidade na felicidade, enquanto Aristipo cultivava a ideia de finalidade no prazer. O hedonismo de Aristipo era a pura e simplesmente uma teoria que guiava a vida por meio da plena busca pelo prazer.

Epicuro foi um dos filósofos que defendeu o hedonismo como forma legítima de vida, inclusive para refrear e dominar os desejos.[1]
Epicuro foi um dos filósofos que defendeu o hedonismo como forma legítima de vida, inclusive para refrear e dominar os desejos.[1]
  • Hedonismo antigo

            Para compreendermos o hedonismo como doutrina, devemos galgar seu surgimento em Aristipo e passarmos para outro pensador também grego, mas desta vez um helenista: Epicuro de Samos. Epicuro inaugura uma doutrina filosófica helenista complexa, conhecida pela posteridade como epicurismo. O epicurismo foi tão complexo e marcante que ficou conhecido como uma das escolas filosóficas do período helenista. Epicuro, em sua teoria, elaborou uma física com proposições para a compreensão da organização da natureza. Por outro lado, o filósofo articulou uma ética que aponta uma doutrina de vida centrada num hedonismo seletivo: a vida deve pautar-se pela busca de prazeres naturais.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

  • Hedonismo renascentista

Durante o renascentismo, houve uma retomada de certos valores morais, culturais e epistemológicos da Antiguidade greco-romana. Junto a essa retomada veio a valorização da vida, dos prazeres sensoriais e do corpo, o que ficou proibido durante a Idade Média. Se a Idade Média era o período anti-hedonista por excelência, o renascentismo trouxe a retomada repentina da defesa do direito ao prazer, inclusive ao prazer intelectual.

  • Hedonismo na Modernidade

Na Modernidade, período histórico situado entre o fim do renascentismo e meados do século XIX, o hedonismo ganhou contornos e rumos distintos. Por um lado, havia a Igreja Católica e as vertentes protestantes (estas últimas ainda mais radicais) que o condenavam com veemência. Por outro lado, a personalidade do homem moderno médio e de uma certa elite intelectual, artística e burguesa era a face perfeita do hedonismo.

Grandes bailes celebrando a vida e os prazeres eram dados, os salões enchiam-se com pessoas em sarais literários, recitando poesias hedonistas; artistas, escritores, intelectuais e burgueses uniam-se para a busca conjunta do prazer. Foi nesse contexto que surgiu a personalidade mais representativa, radical e controversa do hedonismo na literatura: Donatien Alphonse François de Sade ou simplesmente Marquês de Sade. Na teoria moral, o hedonismo ganhou um destaque no utilitarismo ético de Jeremy Bentham e John Stuart Mill.

  • Hedonismo em nossos dias

A contemporaneidade é hedonista. Somos pessoas cada vez mais cercadas por nosso individualismo, que, tomando um formato egoísta, faz com que o ego busque apenas o prazer e a satisfação imediata e individual. Não somos nem aquele modelo ideal epicurista, nem o bom vivant dos círculos burgueses modernos. Somos consumidores hedonistas, pois o prazer em nosso tempo tornou-se sinônimo de consumo. Somos também pessoas que buscam prazer nas relações superficiais e fugazes, como analisou o sociólogo polonês Zygmunt Bauman, que vêm os vínculos afetivos como líquidos que se moldam e se rompem com facilidade.

O sexo, que, durante muito tempo, foi visto pela cultura cristã como símbolo resguardado pela sagrada bênção divina por meio do casamento, torna a ser encarado como um simples ato de prazer. Isso para as mulheres, pois não teve cultura cristã que segurou a ânsia masculina pelo prazer sexual, seja em prostíbulos, seja com amantes, escravas, sendo sexo consensual ou estupro.

Marquês de Sade, o escritor libertino, resumiu o prazer hedonista ao último grau de egoísmo e busca de satisfação sexual desenfreada.
Marquês de Sade, o escritor libertino, resumiu o prazer hedonista ao último grau de egoísmo e busca de satisfação sexual desenfreada.

Veja mais: Indústria cultural – propagação de conteúdos com pouca qualidade que visa à satisfação da massa

Hedonismo epicurista

Epicuro, filósofo grego do período helenístico, tornou-se responsável por uma escola filosófica que passou a ser chamada de epicurismo, por conta de seu fundador. Entre Grécia e Roma, o epicurismo foi difundido por séculos, sendo menos duradouro apenas que o estoicismo. Durante o período helenístico, as escolas filosóficas propunham verdadeiras doutrinas de vida. As doutrinas visavam apresentar modos de vida que encurtassem o caminho entre o ser humano e a felicidade.

Epicuro apresentou uma teoria que define que o ser humano deve buscar o prazer. No entanto, não havia nela a simplicidade da teoria de Aristipo de Cirene, chamada de hedonismo cirenaico. O hedonismo epicurista era complexo e fazia uma divisão de tipos de prazer: havia os prazeres naturais e os prazeres não naturais. Para Epicuro, o ser humano deveria buscar os prazeres naturais, pois eles seriam os únicos que o levariam verdadeiramente à felicidade. Os prazeres não naturais estão ligados àquilo que sai do controle da pessoa ou surgem, muitas vezes, por convenção social. Eles também são efêmeros, o que pode aumentar o potencial de adicção.

Podemos citar como prazeres não naturais o sexo, o uso de entorpecentes e a busca por convenções que supostamente trazem prazer, como o poder, a riqueza e a fama. Entorpecentes e sexo oferecem prazer, mas devem ser administrados com cautela, pois o vício é uma escravização que tira a liberdade individual da pessoa. A riqueza, a fama e o poder dependem de uma série de fatores que estão fora do indivíduo, ou seja, o próprio indivíduo não as controla. Isso pode causar frustração quando sair dos rumos desejados.

Os prazeres naturais, aqueles que realmente levam à felicidade, devem ser buscados sem moderação. Esses prazeres estão ligados ao intelecto e enobrecem o espírito, tornando a vida supostamente mais plena e feliz. Eles não são efêmeros, não causam dependência e nem decepcionam, portanto, são os prazeres mais recomendados. Os utilitaristas ingleses, principalmente na vertente desenvolvida por John Stuart Mill e Harriet Taylor Mill, apostaram na utilidade desse tipo de prazer como norte para o princípio ético utilitarista: ações éticas são aquelas que causam maior prazer ao maior número de pessoas e menor dano ao menor número.

Podemos concluir que o hedonismo epicurista não consiste numa busca desenfreada por prazeres, mas no domínio do desejo e na moderação. O epicurismo difere-se do hedonismo cirenaico por delimitar o prazer desejável de maneira específica e por defender o controle dos impulsos e dos desejos.

Tipos de hedonismo

  • Hedonismo cirenaico: forma pura e simples da ideia de hedonismo defendida por Aristipo de Cirene.
  • Hedonismo epicurista: como foi descrito no último tópico, é um tipo que diferencia os prazeres que devem ser buscados.
  • Hedonismo utilitarista: prevê como ação ética aquela que segue um cálculo racional, tornando o resultado da ação em algo que deve provocar o maior prazer ao maior número de pessoas possíveis.
  • Hedonismo psicológico: é a ideia de que há uma ligação entre prazer e felicidade, e a felicidade é a finalidade da vida humana.      

Crédito da imagem

[1] Miguel Hermoso Cuesta / Commons

 

Por Francisco Porfírio
Professor de Filosofia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PORFíRIO, Francisco. "Hedonismo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/filosofia/hedonismo.htm. Acesso em 27 de setembro de 2020.

Assista às nossas videoaulas