Topo
pesquisar

Motivações da Segunda Guerra Mundial

História Geral

O revanchismo, a crise de 1929, a ascensão de regimes totalitários e os tratados do pós-Primeira Guerra foram algumas das motivações que resultaram na Segunda Guerra Mundial.
Hitler e Mussolini em Munique, Alemanha, 18 de junho de 1940.*
Hitler e Mussolini em Munique, Alemanha, 18 de junho de 1940.*
PUBLICIDADE

Ao fim da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), as nações derrotadas foram obrigadas a assinar acordos marcados pelo pagamento de grandes indenizações e a imposição de retaliações humilhantes. Com o passar do tempo, em vez de sanar as rivalidades, o cumprimento desses tratados determinou a consolidação de um sentimento nacionalista voltado para a revanche, ou seja, as nações derrotadas, principalmente a Itália e Alemanha, fomentavam o desejo de um novo conflito.

Em geral, os países revanchistas foram tomados por tendências políticas que negavam o equilíbrio e justiça do regime liberal-democrático, atacavam a eficácia do capitalismo e defendiam um frenético sentimento de superioridade em relação aos demais povos. Simpáticas ao militarismo, essas correntes políticas acreditavam que suas nações deveriam fortalecer-se, visando à conquista de espaços que seriam primordiais à conquista de novos tempos de prosperidade.

  • Alemanha

Na Alemanha, esse discurso tomou força com as ações do líder nazista Adolf Hitler, o qual criticava as humilhações históricas do Tratado de Versalhes e atribuía o insucesso econômico do país à suposta interferência maléfica da comunidade judaica na economia alemã. Chegando ao poder por meio do voto, Adolf Hitler estabeleceu uma forte propaganda de seu regime, que esteve aliado à abertura de diversas obras públicas, que ofereciam trabalho a uma grande massa de desempregados.

Adolf Hitler

Adolf Hitler foi um dos grandes responsáveis pelo estouro da Segunda Guerra Mundial.

  • Itália

Entre os italianos, a semelhante situação de desolação econômica abriu caminho para a organização de tendências políticas antidemocráticas que viriam a combater os democratas e comunistas do país. Sob o comando do partido fascista, os radicais italianos conseguiram atrair diferentes setores da população e impor a chegada do líder Benito Mussolini com a aprovação da monarquia parlamentar italiana. Desse modo, mais um partido ultranacionalista chegava ao poder na Europa.

  • Grã-Bretanha e França

Mesmo percebendo tais mudanças, consideradas graves no cenário político europeu, Grã-Bretanha e França não tomaram medidas incisivas contra o nazismo alemão e o fascismo italiano. Em um primeiro momento, os governos de tais países acreditavam que o nazifascismo poderia ser útil na contenção de um possível avanço do comunismo na Europa. Contudo, os totalitaristas almejavam colocar novamente em disputa os territórios e riquezas perdidos com a Primeira Guerra Mundial.

Por um lado, vemos que o revanchismo consolidou-se como uma manifestação direta ao tom desastroso dos tratados do pós-Primeira Guerra. Paralelamente, a grave crise econômica que se instalou na Europa – e que tomou maiores proporções com a crise de 1929 – fomentou o discurso inflamado das correntes totalitárias. Por fim, a morosidade das grandes potências em barrar o nazifascismo consolidou o cenário de tensões que anteciparam a Segunda Guerra Mundial.

*Crédito da imagem: Everett Historical // Shutterstock

Por Rainer Sousa
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUSA, Rainer Gonçalves. "Motivações da Segunda Guerra Mundial"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/historiag/a-segunda-guerra-mundial.htm>. Acesso em 17 de novembro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA