Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Emissão alfa (α)

A radiação alfa é positiva, sendo constituída de dois prótons e dois nêutrons. Seu poder de penetração é baixo, causando pequenos danos ao ser humano.

A radiação alfa é composta de dois nêutrons e dois prótons
A radiação alfa é composta de dois nêutrons e dois prótons
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

As principais emissões radioativas são a alfa (α), a beta (β) e a gama (γ). Nesse artigo, falaremos sobre a primeira dessas três radiações, como se deu sua descoberta, do que ela é constituída, como a sua radiação afeta a estrutura da matéria, qual o seu poder de penetração e quais são os danos que causa ao ser humano.

  • Descoberta:

Em 1900, independentemente e quase ao mesmo tempo, o físico neozelandês Ernest Rutherford (1871-1937) e o químico francês Pierre Curie (1859-1906) conseguiram identificar experimentalmente as partículas alfa e beta.

Rutherford realizou um experimento que ficou famoso, no qual ele montou uma aparelhagem semelhante à mostrada na ilustração abaixo:

Experimento de Rutherford com partículas alfa

Ele colocou uma amostra de um elemento radioativo em um bloco de chumbo com um orifício. Visto que o chumbo bloqueia as emissões radioativas, elas não se espalhariam pelo ambiente, mas seriam orientadas a sair na direção da única abertura no chumbo. Esse aparelho foi colocado dentro de um recipiente submetido ao vácuo. A esse aparelho foram adaptadas duas placas eletrizadas com cargas opostas – isto é, aplicou-se um potencial elétrico. Na parede oposta ao bloco de chumbo foi colocada uma chapa fotográfica ou uma tela com sulfeto de zinco, material fluorescente, que registraria as emissões radioativas.

Um dos fatores observados com esse experimento foi que o percurso da radiação alfa foi desviado para o polo negativo da placa. Conforme é de conhecimento geral, cargas opostas se atraem, consequentemente, concluiu-se que as radiações alfa são, na realidade, partículas positivas.

  • Constituição:

Com o tempo, descobriu-se que essas partículas positivas são, na verdade, formadas por dois prótons e dois nêutrons (42α2+), isto é, iguais a um núcleo de hélio (42He). Além disso, são partículas pesadas, de massa elevada, pois sofreram desvio pelo campo eletromagnético.

Radiação alfa

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
  • Consequências da emissão de partículas alfa para a estrutura do átomo:

Conforme sabemos, a emissão de radiação é um processo que acontece a partir do núcleo – daí o termo reações nucleares. Portanto, envolve uma variação da carga nuclear (positiva), causando alterações na substância.

No caso da emissão de uma partícula alfa (42α2+), o número atômico (quantidade de prótons) do átomo diminui duas unidades (porque perdeu dois prótons) e seu número de massa (quantidade de prótons e nêutrons no núcleo) diminui quatro unidades.

Veja como isso ocorre na emissão de uma partícula alfa de um átomo de um elemento genérico (ZAX):

ZAX → 42α2+ + Z-2A-4X

Exemplo:

92238U → 42α2+ + 90234Th

Emissão de partícula alfa

A radiação alfa também tem um poder de ionização alto, podendo capturar dois elétrons e se tornar um átomo de hélio:

42α2+ + 2 e- 42He

  • Poder de penetração:

A velocidade das partículas alfa é baixa, sendo inicialmente de 3 000 km/s até 30 000 km/s. A sua velocidade média é de aproximadamente 20 000 km/s, que é 5% da velocidade da luz. Por ser lenta, a radiação alfa tem um poder de penetração muito baixo, não atravessando nem mesmo uma folha de papel, roupas ou pele. 

Veja na figura abaixo a comparação do seu poder de penetração com as outras emissões beta e gama:

Poder de penetração das partículas alfa

  • Danos causados ao ser humano:

 

Em razão do seu baixo poder de penetração, os danos que as partículas alfa causam ao ser humano são pequenos. Quando incidem sobre o nosso corpo, elas são detidas pela camada de células mortas da pele, podendo, no máximo, causar queimaduras.


Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química

Escritor do artigo
Escrito por: Jennifer Rocha Vargas Fogaça Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FOGAçA, Jennifer Rocha Vargas. "Emissão alfa (α)"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/emissao-alfa.htm. Acesso em 13 de julho de 2024.

De estudante para estudante


Videoaulas


Artigos Relacionados


A radioatividade presente em nosso cotidiano

Veja a radioatividade presente em nosso cotidiano para fins benéficos, principalmente no campo da medicina, como em radioagrafias, radioterapias e esterilização de materiais.
Química

Fenômeno da radioatividade

O fenômeno da radioatividade ocorre quando um núcleo instável emite partículas e ondas para atingir a estabilidade. Entenda por que isso ocorre lendo este texto.
Química

Henry Becquerel e a radioatividade

Experimento que revelou o potencial radioativo do urânio.
Química

Pósitrons

Os elétrons possuem carga negativa, então, por que os pósitrons são elétrons com carga positiva? Clique e descubra!
Química

Radioatividade

Clique aqui e conheça mais sobre a radioatividade, as leis que explicam esse fenômeno, o que é decaimento nuclear e como a radioatividade está presente no cotidiano.
Química

Radioatividade e Estrutura do átomo

A descoberta da natureza das emissões radioativas contribuiu para a descoberta do entendimento da constituição do átomo.
Química

Radioatividade natural e artificial

Saiba como diferenciar a radioatividade natural da artificial, como se deu a descoberta de cada uma e quais as suas aplicações no cotidiano.
Química

Raios Alfa, Beta e Gama

A energia emitida sob forma de partículas.
Química

Raios Gama

Saiba quais são os processos que utilizam o raio gama.
Química

Urânio (U)

Conheça o urânio, bem como suas propriedades, características, formas de obtenção, aplicações, riscos e muito mais.
Química