Polissíndeto

Gramática

PUBLICIDADE

Polissíndeto é a figura de linguagem que utiliza repetidamente uma conjunção de modo a intensificar o efeito do discurso. Esse recurso estilístico não deve ser confundido com assíndeto e nem com a anáfora.

Leia também: Hipérbato – figura de linguagem que se caracteriza pela inversão sintática

O que é polissíndeto?

Polissíndeto é a figura de construção caracterizada pela repetição de conjunções, o que muitas vezes acaba gerando um efeito de intensificação do discurso. Observe:

  • “Há dois dias meu telefone não fala, nem ouve, nem toca, nem tuge, nem muge.” (Rubem Braga)
  • “Enquanto os homens exercem seus podres poderes / Índios e padres e bichas, negros e mulheres e adolescentes fazem o carnaval” (Caetano Veloso)
  • “Não é este edifício obra de reis, ainda que por um rei me fosse encomendado seu desenho e edificação, mas nacional, mas popular, mas da gente portuguesa [...]” (Alexandre Herculano)

Nos respectivos trechos da crônica de Rubem Braga, da canção de Caetano Veloso e do conto de Alexandre Herculano, vemos diferentes exemplos de polissíndeto. Em ambos os casos, há intensificação da ideia de adição e de reforço (com as conjunções coordenativas aditivas “nem” e “e”) e de contraste (com a conjunção coordenativa adversativa “mas”).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Diferença entre polissíndeto e assíndeto

Ao contrário do polissíndeto, o assíndeto se caracteriza pela omissão proposital de conjunções, o que também gera um efeito de intensificação, muitas vezes pela sensação de inacabamento de uma sequência. Veja:

“A tua raça quer partir, / guerrear, sofrer, vencer, voltar.” (Cecília Meireles)

No verso acima, o assíndeto ocorre pela omissão de conjunção na sequência de ações, o que gera o efeito de constante movimentação.

Diferença entre polissíndeto e anáfora

A anáfora é a figura de linguagem em que há repetição de uma ou mais palavras no início de orações ou de versos, não sendo necessariamente a repetição de conjunções. Observe no exemplo abaixo:

“Assim pensando o tempo passa e a gente vai ficando pra trás

Esperando, esperando, esperando

Esperando o Sol, esperando o trem

Esperando o aumento desde o ano passado para o mês que vem”

(Chico Buarque)

Nos versos acima da canção “Pedro Pedreiro”, a anáfora ocorre com o termo “esperando”, que não é uma conjunção.

Veja também: Anacoluto – figura de linguagem caracterizada pela topicalização de um termo no início do enunciado

O polissíndeto é caracterizado pela repetição de conjunções.
O polissíndeto é caracterizado pela repetição de conjunções.

Exercícios resolvidos

Questão 1 – (UFBA)

O período “A rua continuava indefinidamente, e o dedo apontado, e eu sem saber, e ela pedindo urgência, dizendo que o fogo lavrava sempre.” (l. 14-16) apresenta, predominantemente, orações independentes, coordenadas, e a figura de sintaxe polissíndeto.

(   ) Certo

(   ) Errado

Resolução

Certo. O período, de fato, é composto majoritariamente por orações coordenadas. O polissíndeto se dá pela repetição da conjunção “e”.

Questão 2 – (IF-PA)

Rios sem discurso
Quando um rio corta, corta-se de vez
o discurso-rio que ele fazia;
cortado, a água se quebra em pedaços,
em poços de água, em água paralítica.
Em situação de poço, a água equivale
a uma palavra em situação dicionária:
isolada, estanque no poço dela mesma,
e porque assim estanque, estancada;
e mais: porque assim estancada, muda,
e muda porque com nenhuma se comunica,
porque cortou-se a sintaxe desse rio,
o fio de água por que ele discorria.
[...]

(MELO NETO, João Cabral de. A educação pela pedra, p. 350-351)

O texto Rios sem discurso é metafórico, e mais detalhadamente podemos identificar outras figuras de linguagem. Marque a alternativa cujo trecho retirado do referido texto apresenta um polissíndeto:

A) “Quando um rio corta, corta-se de vez
o discurso-rio que ele fazia”

B) “Em situação de poço, a água equivale
a uma palavra em situação dicionária”

C) “e muda porque com nenhuma se comunica,
porque cortou-se a sintaxe desse rio,
o fio de água por que ele discorria.”

D) “cortado, a água se quebra em pedaços,
em poços de água, em água paralítica”

E) “e porque assim estanque, estancada;
e mais: porque assim estancada, muda,
e muda porque com nenhuma se comunica”

Resolução

Alternativa E. O polissíndeto pode ser visto na repetição da conjunção “e” no início de cada verso.

 

Por Guilherme Viana
Professor de Gramática

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

VIANA, Guilherme. "Polissíndeto"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/gramatica/polissindeto.htm. Acesso em 28 de janeiro de 2021.

Artigos Relacionados
Entenda o que é antítese e como essa figura de linguagem afeta o discurso. Veja exemplos de seu uso, e aprenda a diferença entre antítese e paradoxo.
Descubra o que é elipse e veja exemplos de uso dessa figura de linguagem. Entenda também a diferença entre elipse e zeugma.
Clique e veja tudo sobre assonância. Entenda a utilidade dessa figura de linguagem na construção do texto e resolva os exercícios propostos sobre o tema.
Descubra quais são os possíveis sentidos de anáfora e como cada caso afeta o texto, observando exemplos. Aprenda a diferença entre anáfora e catáfora.
Aprenda o que é hipérbato e como atua na sintaxe do enunciado. Entenda a diferença entre hipérbato, anacoluto, anástrofe e sínquise.
Aprenda mais sobre o anacoluto e veja exemplos de seu uso. Entenda também a diferença entre anacoluto e hipérbato.
Figuras de construção ou sintaxe são aquelas em que há algum tipo de modificação na estrutura da oração.
Interaja mais sobre os recursos expressivos da linguagem literária!
Conheça as diferentes subdivisões, classificações, das figuras de linguagem e exemplos de como utilizá-las.
Saiba o que é ironia e conheça quais são os tipos existentes. Veja alguns exemplos dessa figura de linguagem e resolva os exercícios propostos.