Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Epirogênese e orogênese

A epirogênese e a orogênese são diferentes tipos de movimentos de placas tectônicas que atuam como agentes endógenos de transformação do relevo da superfície terrestre.

Imagem criada com a Falha de San Andreas e a Cordilheira dos Andes, formadas, respectivamente, por epirogênese e orogênese.
A Falha de San Andreas e a Cordilheira dos Andes foram formadas por agentes endógenos do relevo: epirogênese e orogênese, respectivamente.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Epirogênese e orogênese são tipos de movimentos de placas tectônicas que são ocasionados pelas forças internas do planeta Terra. Embora se tratem de processos distintos, ambos atuam como processos endógenos de formação do relevo da superfície.

Responsável pelos falhamentos geológicos, a epirogênese é caracterizada pelo soerguimento ou rebaixamento de extensas áreas dos continentes. A orogênese, por sua vez, ocorre pelo choque de placas tectônicas e resulta na formação dos dobramentos modernos, como é o caso da Cordilheira dos Andes.

Leia também: Quais são os agentes formadores do relevo?

Tópicos deste artigo

Resumo sobre epirogênese e orogênese

  • Epirogênese e orogênese são movimentos de placas tectônicas que atuam como processos endógenos de formação e transformação do relevo.

  • A epirogênese é o movimento vertical de soerguimento ou rebaixamento de grandes áreas na crosta continental e transcorre lentamente.

  • A epirogênese dá origem a fraturas e falhas geológicas.

  • A orogênese ocorre na zona de convergência de placas tectônicas. As forças horizontais no limite entre as placas provocam o dobramento da estrutura rochosa. Ocorre mais rapidamente que a epirogênese.

  • A orogênese dá origem a montanhas e cordilheiras.

O que é epirogênese?

Também chamada de movimento epirogenético ou epirogenia, a epirogênese é um tipo de movimento tectônico que consiste no deslocamento vertical da crosta terrestre e acontece em ambos os sentidos: para cima ou para baixo. Esse movimento acontece por meio de uma força endógena (do interior do planeta Terra) que atua na modelagem do relevo de áreas mais antigas e relativamente estáveis. Pode, por isso, ser considerado um agente interno do relevo.

A palavra epirogênese tem origem no grego e significa “formação de continente” (epeiros: continente, genesis: formação).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características da epirogênese

A epirogênese é um movimento de grande escala que incide sobre a crosta continental. Acontece distante do limite entre as placas tectônicas, recaindo sobre áreas de maior estabilidade e consolidadas, isto é, que se formaram há mais tempo. O movimento epirogenético transcorre lentamente e de maneira imperceptível, podendo durar séculos.

Tipos de epirogênese

Existem dois tipos de movimento epirogenético, classificados de acordo com o sentido da força:

  • Soerguimento (ou epirogênese positiva): é o movimento ascendente, responsável pela elevação da crosta continental. Pode acontecer por inúmeros motivos, como pelo alívio de pressão sobre uma região da crosta continental ou até mesmo como resultado do arqueamento que se dá no interior do continente como resultado da colisão entre placas na zona de contato entre elas.

Representação da epirogênese positiva, um tipo de epirogênese, movimento que não pode ser confundido com a orogênese.
Epirogênese positiva, quando há o soerguimento da crosta.
  • Abaixamento (ou epirogênese negativa): é o movimento descendente, isto é, de rebaixamento da crosta continental. O aumento da pressão sobre determinadas áreas da crosta continental é uma das causas do rebaixamento.

Representação da epirogênese negativa, um tipo de epirogênese, movimento que não pode ser confundido com a orogênese.
Epirogênese negativa ou abaixamento, quando há a subsidência da crosta.

Essa compensação que acontece com relação à pressão exercida sobre áreas é denominada compensação isostática. A isostasia, ou equilíbrio isostático, é o estado de equilíbrio das placas que flutuam sobre a astenosfera, parte superior do magma onde elas se movimentam. O alívio de peso leva a um ganho em outra área. O contrário se dá com o rebaixamento.

Efeitos da epirogênese

O soerguimento ou o rebaixamento da crosta causado pela epirogênese provoca transformações na paisagem. Um de seus principais efeitos é a formação de fraturas na superfície e também das falhas. As falhas geológicas, como são chamadas, são a ruptura e o deslocamento de blocos de rocha da superfície terrestre, podendo resultar no desnivelamento do terreno e na ocorrência de abalos sísmicos.

As falhas podem ser classificadas como normais ou inversas, quando os blocos se deslocam verticalmente no plano de falha (superfície de rompimento), ou transcorrentes, quando o deslocamento acontece no sentido horizontal. No caso das falhas normais, o bloco deslocado desliza para baixo, no sentido do plano de falha. Já nas falhas inversas, o que acontece é o oposto: o bloco deslocado desliza para cima, no sentido contrário ao plano de falha.

Exemplo de falhas geológicas que podem ocorrer como resultado da epirogênese, um dos efeitos desse movimento tectônico.
Exemplo de falhamentos que podem ocorrer como resultado da epirogênese. As setas em azul indicam o que chamamos de plano de falha.

No Brasil, podemos citar a Serra do Mar, que se estende do litoral sudeste ao litoral sul, como exemplo de estrutura de relevo que se originou por causa dos movimentos epirogenéticos (agente endógeno) seguidos pela ação dos processos erosivos (agente exógeno).

Veja também: Falha de San Andreas — a falha geológica formada pela Placa Norte-Americana e pela Placa do Pacífico

O que é orogênese?

Também chamada de movimento orogenético e orogenia, a orogênese é um tipo de movimento tectônico que acontece nas zonas de convergência entre diferentes placas tectônicas, que consistem nas regiões de maior instabilidade da crosta terrestre. Como esse movimento ocorre por meio de uma força endógena (do interior do planeta Terra) que atua na modelagem do relevo, é considerado um agente interno do relevo.

Orogênese é uma palavra derivada do grego e significa “formação de montanhas” (oros: montanhas, genesis: formação).

Características da orogênese

A orogênese é um movimento que acontece no limite convergente entre placas tectônicas, sendo o resultado direto do processo de movimentação desses imensos blocos rochosos sobre a astenosfera. Esse choque entre as placas gera uma enorme pressão que se impõe no sentido horizontal sobre as rochas, o que leva à deformação dessas estruturas (ou diamorfismo).

Em comparação à epirogênese, e considerando a escala de tempo geológico, podemos dizer que a orogênese acontece em um espaço de tempo mais curto. Ou seja, se dá de maneira mais rápida que a epirogênese.

Representação da zona de convergência entre placas tectônicas, onde ocorre a orogênese.
A imagem retrata o encontro entre duas placas tectônicas continentais, uma zona de convergência entre placas tectônicas, onde ocorre a orogênese.

Efeitos da orogênese

O choque das placas tectônicas tem como principal efeito o dobramento da estrutura rochosa, dando origem ao que se chama de cinturão orogenético (ou orogênico). Nesses cinturões se formaram algumas das mais importantes cadeias montanhosas que conhecemos atualmente, como a Cordilheira dos Andes, no limite convergente de placas na costa oeste da América do Sul, e a Cordilheira do Himalaia, situada no interior do continente asiático.

As cadeias montanhosas formadas por meio do movimento de orogênese são chamadas também de dobramentos modernos. Elas consistem nas áreas de maior elevação do planeta Terra, como o Monte Everest, que é o ponto mais alto do mundo em relação ao nível do mar.

Cordilheira do Himalaia, onde fica o Monte Everest, um exemplo de estrutura resultante do movimento de orogênese.
A Cordilheira do Himalaia, onde fica o Monte Everest, é um exemplo de estrutura resultante do movimento de orogênese.

Diferenças entre epirogênese e orogênese

A epirogênese e a orogênese são ambos movimentos tectônicos distintos que atuam no processo de formação e transformação do relevo da superfície terrestre. Na tabela a seguir, fazemos um comparativo entre eles a fim de ressaltar as suas principais diferenças.

Epirogênese

Orogênese

Movimento vertical de soerguimento ou rebaixamento da crosta continental.

Movimento de formação e espessamento da crosta na zona de convergência de placas.

Acontece em áreas distantes do contato das placas tectônicas.

Acontece na borda das placas tectônicas.

Incide sobre áreas antigas, onde a estrutura rochosa está consolidada.

Incide sobre áreas de grande instabilidade e de formação recente.

É um processo lento.

É um processo rápido, de curta duração.

Resulta em fraturas na superfície e no falhamento geológico. Podem ocorrer dobramentos na estrutura rochosa.

Resulta no dobramento da estrutura rochosa (dobramentos modernos) e na formação de montanhas e cordilheiras.

Exercícios resolvidos sobre epirogênese e orogênese

Questão 1

(Mackenzie)

Texto I

“Processo decorrente de movimentos tectônicos horizontais na crosta terrestre que provocam a formação de montanhas por meio de dobramentos da crosta.”

Texto II

“Correspondem aos movimentos verticais da crosta terrestre, os quais produzem o soerguimento ou a subsidência de enormes áreas continentais ao longo do tempo.”

(Fonte: Geografia – Livro 1 – 1ª série – Sistema Mackenzie de Ensino – 2015)

Os textos I e II fazem referência aos dois tipos básicos de movimentos tectônicos. Escolha, abaixo, a alternativa que apresente correta e respectivamente os conceitos descritos:

A) Tectonismo – Subducção.

B) Orogênese – Epirogênese.

C) Epirogênese – Tectonismo.

D) Obducção – Subducção.

E) Subducção – Tectonismo.

Resolução:

Alternativa B.

A orogênese acontece no limite convergente de placas e origina os dobramentos modernos, enquanto a epirogênese corresponde ao soerguimento ou rebaixamento de extensas áreas no continente.

Questão 2

(Urca) Com base no infográfico abaixo, e diante das recentes informações vinculadas na mídia sobre o Terremoto no Nepal, pode-se afirmar que:

Infográfico sobre o terremoto no Nepal em uma questão sobre orogênese, que não pode ser confundida com epirogênese.

Com o desenvolvimento da teoria das placas tectônicas, nos anos 1960 e 1970, fenômenos como o vulcanismo, os terremotos e a formação de cadeias montanhosas vêm tendo uma compreensão mais aprofundada. Isso permite, inclusive, a previsão de eventos de alta intensidade destrutiva, conforme o acontecido no Nepal, já que, nessa região, a crosta terrestre:

A) Apresenta uma zona de encontro de placas tectônicas: a sul-americana e a sul-africana, com expansão do assoalho oceânico.

B) É o encontro de duas placas tectônicas: a eurasiana e a indiana, onde estas duas porções da crosta terrestre estão se aproximando, acumulando energia.

C) Está sendo empurrada para baixo, onde a placa sul-americana está formando uma fossa abissal.

D) Forma uma área de separação da placa euroasiática com forte epirogênese.

E) Se divide em duas placas: a de Nazca e a indiana, que deslizam paralelamente em sentidos contrários.

Resolução:

Alternativa B.

A área onde aconteceu o tremor fica próximo à zona de convergência das placas eurasiática e indiana, onde se formou a Cordilheira dos Andes por meio de processos orogenéticos. Trata-se de uma área de grande instabilidade tectônica que acumula energia que, quando liberada, ocasiona tremores de terra.

 

Por Paloma Guitarrara
Professora de Geografia

Escritor do artigo
Escrito por: Paloma Guitarrara Licenciada e bacharel em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e mestre em Geografia na área de Análise Ambiental e Dinâmica Territorial também pela UNICAMP. Atuo como professora de Geografia e Atualidades e redatora de textos didáticos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

GUITARRARA, Paloma. "Epirogênese e orogênese"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/epirogenese-orogenese.htm. Acesso em 15 de abril de 2024.

De estudante para estudante