Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Três erros cometidos no estudo da gravitação universal

Alguns conceitos de gravitação universal, se mal interpretados, podem resultar em erros graves. É necessário estudar com cuidado para compreender os princípios de forma correta.

Alguns pequenos erros podem comprometer a compreensão das teorias da gravitação universal
Alguns pequenos erros podem comprometer a compreensão das teorias da gravitação universal
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

A Gravitação Universal é a parte da Mecânica que estuda as estruturas e fenômenos relacionados com o universo. Trata-se de um estudo muitíssimo carregado de fatores históricos, uma vez que a curiosidade do homem em entender o universo é antiga. Durante o estudo da gravitação universal, alguns erros de interpretação podem surgir e nos levar a uma má compreensão dos conceitos, por isso, listamos três erros comuns cometidos no estudo desse conteúdo para você. Fique por dentro e não erre mais!

Tópicos deste artigo

I. A primeira lei de Kepler não assume órbitas circulares

O enunciado da Primeira lei de Kepler nos diz que a trajetória dos planetas ao redor do Sol é elíptica e que o Sol ocupa um dos focos da elipse, ou seja, os planetas descrevem órbitas ovais ao redor da estrela.

O entendimento que muitos possuem a respeito dessa lei é que nunca poderá existir um planeta que tenha uma trajetória perfeitamente circular. No entanto, a primeira lei de Kepler não exclui essa possibilidade – até porque a circunferência é considerada uma elipse de excentricidade zero, portanto, ela está incluída no enunciado da chamada lei das órbitas.

II. A questão do heliocentrismo

O pensamento da Igreja Católica, no século XVI, era o de que o modelo geocêntrico do universo era o mais correto. Assim, a Terra, como criação mais importante de Deus, deveria ocupar uma posição privilegiada e, por isso, estaria no centro de todo o cosmo. Porém, no ano de 1514, os manuscritos de Nicolau Copérnico que diziam que o Sol estaria no centro (heliocêntrico), e não a Terra, intensificaram uma discussão que durou por eras: o universo é heliocêntrico ou geocêntrico?

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Hoje sabemos que análise correta é a de que o Sol está no centro de nosso Sistema Solar e conhecemos a história da relação conturbada entre a Igreja e aqueles que propunham ideias diferentes e novas. Ao ler sobre esse assunto, pode-se ter a falsa impressão de que todo cientista que propunha o heliocentrismo era ateu ou rejeitava a Igreja e agia na tentativa de derrubar suas propostas e ensinamentos, mas isso não é verdade.

Nicolau Copérnico foi cônego da Igreja Católica. O seu objetivo não era derrubar a Igreja e seus argumentos, mas, como membro da igreja e cientista, encontrar as verdades a respeito do universo.

III. A questão da invenção do telescópio

É muito comum atribuir a invenção do telescópio a Galileu Galilei, porém, é importante saber que o célebre estudioso não inventou o telescópio, mas construiu telescópios mais potentes que os já existentes na época e teve a ideia de apontar esse equipamento para o céu noturno para vislumbrar a Lua e suas crateras, Júpiter e suas luas, Saturno e seus anéis etc.

Esses são desenhos das fases da Lua feitos por Galileu Galilei a partir de observações com telescópio
Esses são desenhos das fases da Lua feitos por Galileu Galilei a partir de observações com telescópio

Alguns argumentos apontam que o produtor de espetáculos Sacharias Janssen foi o verdadeiro inventor do telescópio, importantíssimo equipamento para a astronomia.


Por Joab Silas
Graduado em Física

Escritor do artigo
Escrito por: Joab Silas da Silva Júnior Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

JúNIOR, Joab Silas da Silva. "Três erros cometidos no estudo da gravitação universal"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/fisica/tres-erros-comuns-cometidos-no-estudo-gravitacao-universal.htm. Acesso em 05 de março de 2024.

De estudante para estudante