Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Aleijadinho

Biografia

PUBLICIDADE

Aleijadinho, chamado Antônio Francisco Lisboa, foi um entalhador, escultor e arquiteto que viveu em Vila Rica durante o período da mineração, no século XVIII. Ficou notabilizado pela sua arte sacra e foi um dos grandes mestres na escultura do período. Os últimos anos da vida de Aleijadinho ficaram marcados por uma doença que lhe trouxe muito sofrimento.

Acesse também: Arte barroca - características gerais e principais obras

Juventude

Antônio Francisco Lisboa, conhecido como Aleijadinho, nasceu em Ouro Preto (Vila Rica, na época), na primeira metade do século XVIII. Existe uma polêmica referente a sua data de nascimento. Acredita-se que o 29 de agosto seja atribuído ao dia em que nasceu apenas como uma data aproximativa. Sobre o ano, existem duas propostas que são defendidas por estudiosos. Uma delas fala que Aleijadinho nasceu em 1730, e ela se baseia na sua certidão de batismo; a outra fala que ele nasceu em 1738, e é baseada na sua certidão de óbito.

Aleijadinho era filho ilegítimo de Manuel Francisco Lisboa, um português que se mudou para Minas Gerais na década de 1720. Ele foi fruto de uma relação ilegítima de seu pai com Isabel, uma escravizada africana de quem pouco se sabe. Aleijadinho, portanto, nasceu escravo e era negro, mas foi alforriado pelo seu pai.

Seu pai foi quem lhe ensinou o ofício que gravou o seu nome como um dos maiores artistas da história brasileira. Manuel Francisco Lisboa era um entalhador e arquiteto que fazia a função de mestre de obras, atuando na contratação de pessoal para as grandes obras que aconteciam em Minas Gerais.

Aleijadinho teve quatro meio-irmãos, frutos do casamento de seu pai com uma mulher de nome Maria Antônia de São Pedro. Aleijadinho cresceu no meio desses irmãos, mas quando seu pai faleceu, ele não teve direito à herança porque era um filho ilegítimo. O legado paterno que recebeu foi a profissão que ele levou por toda a sua vida.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Além de seu pai, fala-se que a formação de Aleijadinho como escultor contou com conselhos de João Gomes Batista, desenhista e pintor; Francisco Xavier de Brito, escultor e entalhador; e José Coelho de Noronha, também escultor e entalhador. Aleijadinho iniciou seu ofício na década de 1750, mas só na década de 1760 é que se tornou respeitado por ele.

O trabalho exercido por Aleijadinho tinha relação direta com o auge da mineração nas Minas Gerais, e sem o ouro, a necessidade por escultores e entalhadores, como ele, não teria existido.

Período da mineração

A prosperidade do ouro permitiu que associações religiosas leigas investissem na construção de igrejas, como a Igreja São Francisco de Assis.
A prosperidade do ouro permitiu que associações religiosas leigas investissem na construção de igrejas, como a Igreja São Francisco de Assis.

Encontrar ouro no Brasil sempre foi o grande anseio dos portugueses, e somente no final do século XVII que esse minério foi encontrado em grande quantidade. Essa descoberta aconteceu mais precisamente em 1695, quando paulistas avistaram ouro no Rio das Velhas, nas proximidades de Sabará e Caeté, segundo o historiador Boris Fausto|1|.

A descoberta de ouro atraiu pessoas de todas as partes de Portugal, e, claro, colonos estabelecidos em várias partes do Brasil afluíram para as Minas Gerais. Entre 1700 e 1760, cerca de 600 mil pessoas vieram de Portugal para o Brasil, atraídas pela possibilidade de enriquecerem-se com a exploração do ouro|1|.

A região de Minas Gerais desenvolveu-se, e núcleos urbanos importantes começaram a formar-se nessa capitania. A cidade de Vila Rica estabeleceu-se como centro administrativo de Minas Gerais, e, no século XVIII, toda a comarca de Vila Rica chegou a possuir 80 mil habitantes, dos quais cerca de 20 mil moravam dentro da própria cidade.

O auge da mineração em Minas Gerais estendeu-se de 1733 a 1748, e, a partir da década de 1750, essa atividade entrou em decadência. As cidades mineiras formaram sociedades complexas com uma vida urbana muito agitada, e não somente mineradores estabeleceram-se nelas, mas comerciantes, fazendeiros, advogados, militares, arquitetos, artesãos etc.

O ouro atraiu toda essa gente para Minas Gerais, e muitos prosperaram atendendo as demandas e necessidades da população local. Os próprios comerciantes exploravam a carestia de produtos de necessidade básica, e, assim, tudo saía muito mais caro na região. As historiadoras Lília Schwarcz e Heloísa Starling apontam que, no começo do ciclo da mineração, uma galinha, que valia 160 réis em São Paulo, nas Minhas Gerais valia 4000 réis, por exemplo|2|.

Muitas das mercadorias vinham de São Paulo, mas sobretudo do Rio de Janeiro, pois uma estrada ligando-o a Vila Rica foi estabelecida e chamava-se Caminho Novo. Além do crescimento econômico e urbano, Minas Gerais passou por um grande desenvolvimento cultural e artístico que permitiu que nomes como Aleijadinho se notabilizassem.

Acesse também: Conheça a vida do Padre Antônio de Vieira

A arte nas Minas Gerais

Sabemos que grande parte do ouro extraído de Minas Gerais foi parar em Portugal ou nos cofres ingleses, mas uma parte dele permaneceu aqui. Esse ouro gerou prosperidade e permitiu que um notável desenvolvimento artístico e intelectual acontecesse. Primeiramente no campo intelectual, isso porque os filhos da elite mineira eram enviados para estudar na Europa.

Lá eles tiveram contato com as discussões intelectuais mais atualizadas e que existiam em locais como Coimbra, por exemplo. Esse desenvolvimento intelectual permitiu que as artes em Minas Gerais avançassem, e assim podemos destacar a poesia da época, que possuiu nomes que marcaram o Brasil, como Cláudio Manuel da Costa e Alvarenga Peixoto.

A expressão artística que mais marcou o período da mineração foi o barroco mineiro, dominando a escultura e arquitetura da época. Foi o desenvolvimento do barroco em Minas Gerais que notabilizou nomes como Aleijadinho.

O desenvolvimento desse estilo tem relação com as associações religiosas leigas que se estabeleceram na capitania. Como irmandades, ordens terceiras e confrarias de leigos, essas associações surgiram no vácuo deixado pelas ordens religiosas, proibidas de instalar-se em Minas Gerais pela Coroa portuguesa.

Essas associações, que também prosperaram, utilizaram seu dinheiro para investir na construção de igrejas, muitas das quais foram feitas em locais estratégicos, como as partes mais altas das cidades. Para a construção e decoração dessas instituições, foi contratada uma série de arquitetos, escultores, talhadores e pintores.

Grandes obras de Aleijadinho

Os 12 profetas do adro do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos é uma das grandes obras de Aleijadinho.[1]
Os 12 profetas do adro do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos é uma das grandes obras de Aleijadinho.[1]

O primeiro projeto de Aleijadinho remonta a 1752 e foi o chafariz do Palácio dos Governadores, em Vila Rica. Alguns anos depois, em 1758, ele trabalhou em outro chafariz, o do Hospício da Terra Santa. Em 1760, Aleijadinho já era considerado mestre no seu ofício, e, a partir daí, ele ficou bastante conhecido, com seu trabalho sendo muito requisitado.

O trabalho feito por ele e por outros escultores e talhadores da época funcionava na base da encomenda. Uma instituição religiosa encomendava um tipo de trabalho, e Aleijadinho passava-lhe o preço pela sua mão de obra. Em geral, seu trabalho custava meia oitava de ouro por dia (cerca de 600 réis), mas, em alguns casos, ele poderia cobrar mais caro que isso. Existem relatos de que ele chegou a cobrar uma oitava (1200 réis) por dia de serviço.

Os dois principais materiais usados por Aleijadinho eram a pedra-sabão, utilizada nas suas esculturas, e o cedro-rosa, usado nas esculturas de madeira que ele talhava e que ficavam no interior das igrejas. Sua arte, em grande parte, incluiu-se no que é conhecido como arte sacra, por abordar temas religiosos.

O trabalho de Aleijadinho é considerado um dos grandes símbolos do barroco mineiro, mas especialistas em história da arte apontam que grande parte das obras do escultor mineiro associa-se com outro estilo: o rococó.

A partir da década de 1760, Aleijadinho prosperou e conseguiu montar uma oficina onde mantinha três escravizados que o ajudavam em seus trabalhos e onde contratava outros escultores que eram aprendizes para auxiliá-lo nas encomendas que recebia.

Aleijadinho trabalhou por diversas cidades de Minas Gerais, e suas obras estão em Vila Rica (Ouro Preto), São João del-Rei, Tiradentes, Congonhas, Sabará, Caeté, Mariana, entre outras. Os especialistas sempre destacam que suas duas principais obras foram:

  • Igreja de São Francisco de Assis, igreja em Ouro Preto, que contou com projeto e decoração elaborados porAleijadinho;
  • Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, igreja, em Congonhas, em que Aleijadinho construiu os 12 profetas no adro e esculturas que retratam a Paixão de Cristo.

Acesse também: Inconfidência Mineira – a revolta dos mineiros contra a Coroa portuguesa

Últimos anos

Esculturas de madeira que retratam a Paixão de Cristo.[2]
Esculturas de madeira que retratam a Paixão de Cristo.[2]

Os biógrafos de Aleijadinho contam que ele tinha uma personalidade extrovertida, sendo adepto  das danças, festas e bebidas. Na década de 1770, ele teve um relacionamento com uma mulher chamada Narcisa Rodrigues da Conceição, tendo um filho com ela chamado Manuel Francisco Lisboa, em homenagem ao seu pai.

Em 1777, Aleijadinho começou a manifestar os primeiros sintomas de uma doença grave que o acompanhou para o resto de sua vida. Os historiadores até hoje não sabem o que foi que acometeu o escultor mineiro e que lhe trouxe tanto sofrimento físico. Especula-se que a doença que o atingiu pode ter sido hanseníase, sífilis ou porfiria.

A doença causou a deformação do corpo de Aleijadinho. Os dedos de suas mãos e pés foram destruídos pela doença, o que fez com que ele perdesse sua mobilidade, sendo obrigado a andar de joelhos ou ser carregado. Para continuar trabalhando, Aleijadinho amarrava suas ferramentas nas mãos e no pulso, já que seus dedos tinham sido deformados.

Acredita-se que o termo “aleijadinho” seja uma referência à perda da locomoção do escultor. Ele ainda teve o seu rosto deformado, ficando com uma aparência considerada feia. Isso afetou sua personalidade, e fala-se que ele teria ficado mais soturno e mal-humorado depois de manifestar a doença. Há os que falam que a doença chegou a afetar o estilo artístico do escultor.

Acredita-se que, para esconder as deformações causadas pela doença, Aleijadinho tenha optado por fazer grande parte do seu trabalho à noite e passado a usar roupas largas que escondiam suas feridas. Ele conviveu com essa doença até o fim dos seus dias, e existem relatos de que, nos últimos anos, já não aguentava mais as dores e o sofrimento que a doença lhe trazia. Faleceu em 18 de novembro de 1814, em Vila Rica.

Nota

|1| FAUSTO, Boris. História concisa do Brasil. São Paulo: Edusp, 2018. p. 52.

|2| SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloísa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. p. 117.

Créditos das imagens

[1] Caio Pederneiras e Shutterstock

[2] ryoshi e Shutterstock

 

Por Daniel Neves
Professor de História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Aleijadinho"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biografia/aleijadinho2.htm. Acesso em 19 de outubro de 2021.

Artigos Relacionados
Foi na Arte barroca, ou seja, na pintura, que o Barroco encontrou a melhor forma de expressão.
Entenda o contexto histórico em que surgiu o barroco no Brasil. Conheça as características desse estilo e saiba quais são os seus principais artistas.
Saiba mais sobre Gregório de Matos, expoente da literatura barroca brasileira. Leia sua biografia, entenda suas características literárias e veja exemplos de poemas.
Saiba quem foi Padre Antônio Vieira, famoso por seus sermões em prosa barroca. Veja suas características literárias, principais obras e frases do autor.
O estilo que valorizou os princípios da cultura burguesa.