Topo
pesquisar

Como usar uma hashtag?

Redação

Você sabe como usar uma hashtag? Na informática, a hashtag tem uma função bem definida, mas quando utilizada nas redes sociais, costuma perder sua finalidade original.
O uso indiscriminado das hashtags dificulta o entendimento de mensagens compartilhadas nas redes sociais
O uso indiscriminado das hashtags dificulta o entendimento de mensagens compartilhadas nas redes sociais
PUBLICIDADE

Quem está por dentro do mundo da informática fica sabendo de todas as inovações tecnológicas. O curioso é perceber o quanto essas inovações interferem nas situações comunicativas, gerando bastante material para os linguistas. Nós já sabemos que a internet provocou uma mudança radical nos processos de leitura e escrita, criando novos “dialetos virtuais” que muitas vezes subvertem a semântica e, nos casos mais graves, atropelam até mesmo a sintaxe.

Com o advento da internet, novas palavras foram agregadas ao nosso vocabulário, sobretudo palavras de origem inglesa. A palavra delete, por exemplo, deixou de ser um modismo linguístico e ganhou um verbete só para ela nos dicionários da língua portuguesa: deletar significa apagar, e hoje praticamente todo mundo sabe disso. Além das contribuições lexicais, a internet trouxe também a popularização de alguns símbolos que antes eram meros desconhecidos. A @ (arroba), que serve para indicar a localização de endereços de correio eletrônico – e-mails –, antes era apenas um símbolo mercantil empregado para substituir a palavra da língua inglesa at. A # (cerquilha ou “jogo da velha”), encontrada em telefones fixos e celulares, tinha como função acionar recursos adicionais nesses aparelhos, como serviços extras oferecidos pelas operadoras. Certamente você já viu esse símbolo - # - e provavelmente o conhece através de outro nome... Nem precisamos apresentar, você já conhece a hashtag. Mas será que você sabe como usá-la?

Para responder a essa pergunta, vamos investigar a origem da hashtag na informática. Quem propôs a utilização da hashtag para adicionar determinado assunto a um grupo de discussões foi o IRC, Internet Relay Chat, uma espécie de protocolo de comunicação utilizado em bate-papos e troca de arquivos. Sua principal função, quando começou a ser usada na web, era indexar um tópico ou assunto nas redes sociais. Dessa maneira todos os usuários poderiam ter acesso a uma determinada discussão, já que, ao clicar em uma hashtag + palavra (nome do canal), ela transformava-se em um hiperlink (hiperligação de um texto a outros documentos, resultando em um hipertexto).

Absolutamente útil, você não acha? Se você quer ficar por dentro da discussão do momento e ver o que os outros usuários da rede estão compartilhando, basta clicar na hashtag e inteirar-se sobre o assunto. Acontece que somos linguisticamente versáteis e fomos logo arrumando uma outra função para as hashtags... Para conferir efeito de humor em uma publicação, seja ela compartilhada no Facebook, no Instagram ou no Twitter, recheamos nossas postagens de hashtags que não têm serventia alguma, já que aquele assunto dificilmente vai se transformar em motivo de debate ou polêmica na rede. Você não acha mesmo que sua hashtag #partiuacademia ou #aniversariodapaty vai parar na lista dos assuntos mais comentados do dia, não é mesmo?

Inicialmente, as hashtags eram utilizadas com o nome do canal para indexar um assunto em um determinado grupo de discussões da internet
Inicialmente, as hashtags eram utilizadas com o nome do canal para indexar um assunto em um determinado grupo de discussões da internet

Quando utilizadas assim, inadvertidamente, as hashtags podem causar um verdadeiro transtorno para a compreensão da mensagem. Isso porque todos os acentos e a pontuação são dispensados, sob a justificativa de conferir dinamismo à escrita, já que na internet a comunicação acontece de maneira muito rápida. Esse uso exagerado das hashtags é parte da discussão sobre a importância da língua padrão nos meios eletrônicos. As regras gramaticais muitas vezes são desprezadas, e infelizmente esse descuido com a língua pode interferir na escrita de textos que exigem adequação à linguagem formal. Dizer que #eprecisorespeitarasvariacoeslinguisticas (é preciso respeitar as variações linguísticas), assim, dessa maneira, dificulta a leitura e a compreensão do texto.

O que estamos querendo dizer é que, as variações linguísticas são importantes e devem ser respeitadas, pois são parte da identidade cultural de um povo. O que não é ideal é permitir que a linguagem da informática dificulte o entendimento de uma mensagem, já que a finalidade de todo ato de fala é a comunicação. Se o destinatário não entende a mensagem, a comunicação fica prejudicada, e é exatamente o que acontece quando você exagera no uso da hashtag. É preciso levar em consideração o princípio da adequação linguística, ou seja, é desejável que você entenda que cada situação requer um tipo específico de linguagem, pois não faz nenhum sentido encher sua avaliação de língua portuguesa de hashtags, assim como não faz sentido escrever de maneira rebuscada em um inofensivo bate-papo na internet.

O uso exagerado das hashtags nos ambientes virtuais dissemina mensagens confusas e desconexas, já que não recebem o respaldo das regras gramaticais que facilitariam o seu entendimento. Nessa hora, o bom senso deve falar mais alto: deixe para usar as hashtags apenas para divulgar ou participar de uma discussão na internet. Saber utilizar a linguagem nas diferentes situações comunicacionais é virtude de quem é poliglota em sua própria língua, do falante que sabe que cada situação linguística requer um tipo específico de linguagem. Hashtags em excesso dificultam a comunicação escrita, e para que serve a escrita senão como um poderoso instrumento para que o leitor nos compreenda? Pense nisso!


Por Luana Castro
Graduada em Letras

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PEREZ, Luana Castro Alves. "Como usar uma hashtag?"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/redacao/como-usar-uma-hashtag.htm>. Acesso em 22 de outubro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA