Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Os riscos do uso da buchinha-do-norte como abortivo

A buchinha-do-norte, apesar de ser uma planta medicinal, possui poder abortivo, sendo completamente contraindicada em mulheres gestantes.

Buchinha do norte.
Às vezes uma gravidez indesejada pode levar a uma série de comportamentos de risco, incluindo práticas de aborto.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

No Brasil, o aborto é proibido por lei, exceto em casos de estuprosrisco de vida materna ou anencefalia. A proibição faz com que muitas adolescentes, principalmente, façam uso de métodos alternativos para interromper a gravidez, como exemplo, podemos citar o uso de alguns chás e infusões.

Veja também: Riscos dos chás para as gestantes

Tópicos deste artigo

O que é buchinha-do-norte?

buchinha-do-norte (Luffa operculata), também conhecida por “cabacinha” ou apenas “buchinha”, é uma espécie muito conhecida pelo seu poder abortivo. É uma planta da família Cucurbitaceae usada tradicionalmente no tratamento de rinites rinossinusites principalmente. Trabalhos também mostram sua atuação como vermífugo, expectorante, diurético, purgativo, entre outras propriedades.

Encontrado facilmente, o fruto da buchinha é usado de forma indiscriminada por mulheres que tentam interromper uma gestação. Muitas pessoas fazem uso dessa planta por acreditarem que por ser um produto natural não trará riscos à saúde materna, além de, muitas vezes, nem comunicarem ao médico uma gestação e sua interrupção. A substância responsável pela ação embriotóxica e abortiva é a chamada cucurbitacina.

Quais são os riscos do uso da buchinha-do-norte?

A buchinha está entre as principais plantas utilizadas no Brasil com finalidade abortiva. Existem diversos registros de intoxicação em razão do consumo de chás dessa planta, na maioria dos casos decorrentes de tentativas de aborto. Além da intoxicação, casos de morte de pacientes que utilizaram altas doses da planta também já foram relatados.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Seu uso pode levar a evacuações abundantescólicas intensas, enjoovômitos, graves hemorragias aborto. Em grandes quantidades, o chá preparado para uma tentativa de aborto pode causar a morte da mãe, sendo que alguns estudos afirmam que um valor de aproximadamente 1g do extrato da buchinha pode ser suficiente para matar um adulto.

Leia mais: Como as grávidas podem prevenir-se do vírus zika?

Tratamento da intoxicação por buchinha-do-norte

Caso uma pessoa tenha feito uso inadequado e exagerado dessa substância, um médico deve ser procurado imediatamente. O tratamento da intoxicação é feito a partir da administração de carvão ativado. Além de poder causar a morte da mãe, algumas vezes a tentativa de aborto falha e, além de não ocasionar a morte do feto, causa diversas más-formações e peso abaixo do normal.

É importante destacar que, além de ilegal em alguns casos, o aborto coloca em risco a vida da mãe, principalmente quando feito em clínicas ilegais e/ou com a utilização de medicamentos e plantas medicinais, como no caso da buchinha. Uma vez que diversas plantas medicinais possuem propriedade abortiva, vale lembrar que gestantes não devem fazer uso indiscriminado de chás e infusões.

O ideal não é tentar remediar as situações em que houve a gravidez indesejada interrompendo-a. O correto é sempre se prevenir para que essas surpresas não ocorram. O sexo deve ser sempre seguro e com responsabilidade.

Escritor do artigo
Escrito por: Vanessa Sardinha dos Santos Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2008) e mestrado em Biodiversidade Vegetal pela Universidade Federal de Goiás (2013). Atua como professora de Ciências e Biologia da Educação Básica desde 2008.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Os riscos do uso da buchinha-do-norte como abortivo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/saude/riscos-uso-buchinha-do-norte-como-abortivo.htm. Acesso em 26 de maio de 2024.

De estudante para estudante