Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Síndrome pós-aborto

Síndrome pós-aborto é uma expressão utilizada em referência a alterações psicológicas que ocorrem após o abortamento. Alguns autores negam a existência dessa síndrome.

Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Síndrome pós-aborto é uma expressão utilizada em referência a uma série de alterações psicológicas negativas que ocorrem após o abortamento. Ela não é reconhecida por toda a comunidade médica e alguns autores negam a sua existência. Entretanto, apesar de essa síndrome não constar no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, o abortamento é uma situação extremamente delicada e pode causar impacto negativo na vida dos pais, sendo importante que essas pessoas recebam acompanhamento psicológico adequado nessas situações.

Leia também: Depressão — doença grave e que necessita de ajuda especializada

Tópicos deste artigo

O que é o abortamento?

Antes de entendermos o que é a síndrome pós-aborto, devemos entender o que é o abortamento. De acordo com a norma técnica Atenção Humanizada ao Abortamento, do Ministério da Saúde, o abortamento é definido como “a interrupção da gravidez até a 20ª-22ª semana e com produto da concepção pesando menos que 500 g”. O termo aborto é muitas vezes usado como sinônimo de abortamento, mas o aborto é definido como o produto da concepção que foi eliminado durante o abortamento.

A interrupção de uma gravidez pode ser um momento muito doloroso para a mãe.
A interrupção de uma gravidez pode ser um momento muito doloroso para a mãe.

O abortamento apresenta diferentes causas, como alterações hormonais, anormalidades cromossômicas, infecções, alterações anatômicas e trombofilias. Ele pode também ser provocado pela mãe, uma prática que é considerada ilegal no país.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A legislação brasileira permite o abortamento quando não há outro meio de salvar a vida da gestante e se a gravidez é resultante de estupro. O Supremo Tribunal Federal (STF) definiu também que o aborto não é crime em casos de anencefalia, ou seja, em situações em que o bebê apresenta uma malformação em que se observa a ausência de grande parte das estruturas encefálicas.

Leia também: Aborto — o que a legislação diz sobre o assunto?

O que é a síndrome pós-aborto?

Síndrome pós-aborto é um termo utilizado em referência a uma série de sintomas negativos semelhantes observados em pacientes que tiveram experiência de abortamento. Após essa ocorrência, a mulher pode experimentar vários sentimentos negativos em relação à perda do bebê, como culpa, ansiedade, raiva, frustração e angústia.

Muitas mulheres que sofreram com o abortamento apresentam pesadelos com o bebê, frustração do instinto maternal, alto interesse em bebês, baixa autoestima, desejo de terminar o relacionamento, perda do interesse sexual, sofrimento no aniversário da morte e flashbacks da experiência de abortamento. Esses sentimentos podem levar ao desenvolvimento de problemas psicológicos graves, como a depressão. Além disso, a mulher, após a perda, pode desenvolver comportamentos autopunitivos, os quais incluem o consumo excessivo de álcool e transtornos alimentares.

O acompanhamento psicológico após o abortamento pode ser necessário em alguns casos.
O acompanhamento psicológico após o abortamento pode ser necessário em alguns casos.

No caso dos abortamentos provocados, alguns estudos demonstram que os sintomas podem permanecer por um longo período, sendo estimado que a depressão e ansiedade possam durar até cinco anos. Em situações de abortamento desencadeado por causas naturais, a depressão e a ansiedade permanecem por menos tempo, estando presentes, geralmente, nos primeiros seis meses.

Vale salientar que a chamada síndrome pós-aborto não é uma síndrome aceita por toda a comunidade médica. De acordo com alguns autores, o abortamento não aumenta o risco de depressão, ansiedade ou de outros problemas psicológicos mais do que dar à luz ou uma gravidez indesejada. Além disso, vários autores defendem que o abortamento nem sempre provoca sentimentos negativos, sendo verificado que, em muitas mulheres, a sensação vivenciada é de alívio. Há ainda aqueles que argumentam que a expressão síndrome pós-aborto foi uma condição inventada com a intenção de fazer com que as pessoas desistissem de praticar abortos.

Apesar de não existir um diagnóstico oficial de síndrome pós-aborto no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, é importante salientar que o abortamento, provocado ou não, pode ser um evento traumático para algumas mulheres. Cada pessoa responderá de uma forma diferente em relação ao abortamento, estando essa resposta relacionada, por exemplo, com o fato de a gravidez ser ou não desejada e haver ou não o apoio do parceiro.

É importante que a mulher procure ajuda psicológica caso perceba que as emoções vividas após um abortamento estão muito difíceis de serem suportadas.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia

Escritor do artigo
Escrito por: Vanessa Sardinha dos Santos Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2008) e mestrado em Biodiversidade Vegetal pela Universidade Federal de Goiás (2013). Atua como professora de Ciências e Biologia da Educação Básica desde 2008.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Síndrome pós-aborto"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/sindrome-posaborto.htm. Acesso em 01 de março de 2024.

De estudante para estudante