Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Semiótica

Redação

Semiótica é a ciência que estuda os signos. Ela pode ser dividida em sintaxe, semântica e pragmática. Na linguística, o signo é formado por um significante e um significado.
O campo de estudo da semiótica é vasto.
O campo de estudo da semiótica é vasto.
PUBLICIDADE

Semiótica é a ciência que estuda os signos ou a significação. Ela é dividida em:

  • sintaxe (relação entre signos)

  • semântica (relação entre signo e o que ele representa)

  • pragmática (relação entre signos e seus intérpretes)

Sua origem está relacionada ao filósofo Charles Sanders Peirce; considerado, por alguns estudiosos, o pai da semiótica geral.

Leia também: Quais são os elementos da comunicação?

Resumo sobre semiótica

  • A semiótica é a ciência dos signos ou da significação.

  • Ela se divide em: sintaxe, semântica e pragmática.

  • O termo “semiótica” foi utilizado, pela primeira vez, por Charles Sanders Peirce.

  • A semiótica serve para entender e aprimorar os processos comunicativos.

  • Os termos “semiótica” e “semiologia” são considerados sinônimos.

  • Semântica é a parte da semiótica que se preocupa com o(s) sentido(s) do discurso.

  • O signo linguístico é formado por significante mais significado.

O que é semiótica?

A semiótica é a ciência que estuda os signos, portanto, seu campo de estudo é amplo, pois abarca todas as linguagens (verbais e não verbais), já que cada linguagem é formada de signos que permitem a comunicação entre os indivíduos. Isso porque os signos estão associados a algum tipo de representação. Queremos dizer, com isso, que os signos são sinais indicadores de algo, dentro de um determinado contexto sociocultural.

Os signos podem ser vistos em toda parte e estão relacionados a elementos naturais e culturais. Portanto, são signos, por exemplo: uma cor, um gesto, uma palavra, um ruído, um cheiro, uma carta, um acontecimento, uma música, um olhar etc. De acordo com o contexto em que estão inseridos, sempre associamos a eles alguma significação.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Divisões da semiótica

  • Sintaxe: estuda as relações entre os signos.

  • Semântica: preocupa-se com a relação entre os signos e aquilo que eles designam ou representam.

  • Pragmática: busca entender a relação entre os signos e seus intérpretes ou utilizadores.

Veja também: Diferenças entre linguagem literária e linguagem não literária

Origem da semiótica

A semiótica surgiu nos estudos linguísticos e teve seu auge na década de 1960, com as pesquisas do lituano Algirdas Julius Greimas (1917-1992). Contudo, a palavra “semiótica” foi usada, pela primeira vez, pelo filósofo e linguista americano Charles Sanders Peirce (1839-1914).

Para que serve a semiótica?

A semiótica serve para entender os signos e, com base nisso, aprimorar a comunicação. Assim, também é útil na análise do comportamento humano e da organização da sociedade, já que as linguagens são instrumentos de expressão de pensamentos e emoções. Ela também é usada no entendimento e aprimoramento das mídias sociais, e pode estar associada às seguintes áreas, entre outras:

  • Computação

  • Direito

  • Arquitetura

  • Artes

  • Linguística

  • Literatura

  • Publicidade

  • Filosofia

  • Psicanálise

  • Educação

Semiótica ou semiologia

“Semiótica” e “semiologia” são palavras sinônimas atualmente. O termo “semiologia” foi usado pelo linguista suíço Ferdinand de Saussure (1857-1913), que o entendia como uma ciência da comunicação; mais tarde, passou a ser entendido também como ciência da significação.

No entanto, estudiosos, em outros países, utilizavam o termo “semiótica”. Então, alguns pesquisadores, como Roman Jakobson (1896-1982) e Greimas, em 1969, optaram por utilizar apenas a palavra “semiótica” e não mais “semiologia”.

Semiologia e semântica

A semiologia ou semiótica, originalmente, está relacionada ao reconhecimento do signo, à forma, de modo que entende o significado como algo conceitual, intralinguístico ou intratextual.

a semântica está relacionada ao discurso, que depende do que é extralinguístico ou extratextual, já que o sentido se constrói em uma situação comunicativa, em um contexto específico. Para saber mais sobre essa área da gramática, leia o texto: Semântica.

Importância da semiótica

Já que podemos encontrar signos em toda parte, a semiótica está associada a várias áreas do conhecimento. Assim, ela é uma ciência de grande importância para entender fenômenos comunicativos de caráter natural ou cultural. Por meio dela, é possível compreender os mecanismos de comunicação humana e animal, associados a pensamentos, emoções ou instintos.

Linguística e semiótica

Na linguística, Saussure traz a ideia de que um signo é formado por:

  • um significante (forma ou “imagem acústica”)

  • um significado (conceito)

Por exemplo, a palavra “céu” é um significante, já aquilo a que ela se refere é o significado. Assim, o signo linguístico é estudado por uma perspectiva sintática, semântica e pragmática.

Semiótica e comunicação

Foto de criança conversando em língua de sinais em frente a um computador.
Diversos signos são usados na comunicação.

O estudo da comunicação engloba não só os meios de comunicação, mas a comunicação em si, isto é, a produção e a difusão de informação em determinado contexto. A existência da comunicação depende da linguagem, que, por sua vez, é formada de signos. Portanto, uma vez que a semiótica é a ciência dos signos ou da significação, comunicação e semiótica estão intrinsecamente relacionadas.

 

Por Warley Souza
Professor de Português

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Semiótica"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/redacao/semiotica.htm. Acesso em 17 de outubro de 2021.

Artigos Relacionados
Clique aqui e aprenda mais sobre os elementos da comunicação: o que são, sua função e sua relação com as figuras de linguagem.
Sempre é errado usar a oralidade e termos coloquiais?
Aprenda mais sobre as diferenças entre linguagem verbal e não verbal. Saiba em quais gêneros cada uma é mais frequente e como elas são caracterizadas.
Saiba o que é polissemia e veja alguns exemplos desse fenômeno linguístico. Entenda também as diferenças entre polissemia, ambiguidade e homonímia.
Descubra o que é semântica e quais são os objetos de estudo dessa área da ciência linguística. Aprenda conceitos como polissemia, ambiguidade, entre outros!