Topo
pesquisar
Texto-A+A

O que foi a Revolta dos Farrapos?

O que é História?

O que foi a Revolta dos Farrapos? Iniciado em 1835 pela insatisfação com os altos impostos cobrados pelo governo, esse movimento foi o mais longo da história brasileira.
PUBLICIDADE

O que foi a Revolta dos Farrapos?

A Revolta dos Farrapos aconteceu no Rio Grande do Sul durante o Período Regencial, de 1835 a 1845, portanto, estendeu-se até parte do Segundo Reinado. Apesar da longa duração dessa revolta (dez anos), os combates foram de baixa intensidade e concentrados em confrontos de cavalaria que resultaram em 3 mil mortes.

Esse número de mortos é visto pelos historiadores como baixo, se comparado com outros movimentos similares ocorridos no Brasil nesse mesmo período. A Cabanagem, por exemplo, que aconteceu na província do Grão-Pará de 1835 a 1840, resultou em 30 mil mortes, e a Balaiada, que ocorreu no Maranhão de 1838 a 1841, causou 12 mil mortes.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Quais foram as causas que levaram ao início dessa revolta?

A Revolta dos Farrapos foi um movimento de elite, e suas causas imediatas foram a insatisfação dos estancieiros com os altos impostos sobre o charque local e a escolha arbitrária de nomes não aprovados pelos estancieiros para o cargo de presidente da província (correspondente ao atual cargo de governador).

A província do Rio Grande do Sul tinha como principal produto econômico o charque (carne-seca). O charque gaúcho era produzido pelos charqueadores a partir da carne bovina vendida pelos estancieiros. Esses grupos faziam parte da elite econômica dessa província e estavam descontentes com a política de altos impostos cobrados sobre esse produto pelo governo brasileiro.

O charque abastecia os mercados do Sudeste e Nordeste, principalmente porque era o alimento básico dado aos escravos. Assim, a economia gaúcha era voltada para o mercado interno e tinha como grandes concorrentes os produtores de charque da Argentina e do Uruguai. Esse produto estrangeiro, no entanto, era pouco taxado, o que tornava essa mercadoria mais competitiva que a nacional.

A grande exigência dos estancieiros gaúchos era que o produto estrangeiro recebesse uma taxação como forma de proteger os produtores nacionais e, assim, tornar os preços do produto gaúcho competitivo. A negligência do governo em relação à insatisfação dos estancieiros com a política fiscal sobre o charque é, portanto, a principal razão que deu início à revolta gaúcha.

Outros fatores de destaque que contribuíram para acirrar os ânimos foram a insatisfação dos estancieiros com a taxação sobre o gado que transitava na fronteira do Brasil com o Uruguai, o descontentamento com a criação da Guarda Nacional, a insatisfação com a negativa do governo de arcar com os prejuízos dos estancieiros após uma praga de carrapatos ter atingido o gado em 1834 e, por fim, a livre circulação de ideais republicanistas e federalistas na região que impactavam, sobretudo, na defesa, por parte dos farrapos, de autonomia para a província.

Mapa Mental: Guerra dos Farrapos

* Para baixar o mapa mental em PDF, clique aqui!

Principais acontecimentos da Revolta dos Farrapos

A Revolta dos Farrapos foi, então, uma soma dos motivos mencionados e iniciou-se de maneira oficial em 20 de setembro de 1835. Nesse momento, o movimento era apenas uma revolta local que foi uma resposta à nomeação de um presidente de província não apoiado pelos estancieiros.

Esse movimento ganhou dimensão quando foi proclamada pelos estancieiros a República Rio-grandense, também conhecida como República de Piratini, em setembro de 1836. Esse evento tem motivado debates entre os historiadores sobre se a Revolta dos Farrapos era um movimento de caráter separatista que se uniria com Uruguai e/ou Argentina ou se apenas buscava forçar o governo a conceder maior autonomia para a província.

Um dos grandes nomes que lideraram a luta dos farrapos foi Bento Gonçalves, um rico estancieiro que, inclusive, presidiu a República Rio-grandense. Outros nomes importantes foram do revolucionário italiano Giuseppe Garibaldi – que também atuou na Unificação Italiana – e do militar David Canabarro.

A Revolta dos Farrapos espalhou-se ainda para a região de Santa Catarina quando Giuseppe Garibaldi e David Canabarro lideraram as tropas gaúchas e conquistaram-na, inaugurando lá a República Juliana em julho de 1839. Essa república, entretanto, teve duração curta, pois a região foi retomada pelas tropas imperiais em novembro do mesmo ano.

A partir de 1842, conforme classifica o historiador gaúcho Juremir Machado da Silva, a guerra travada entre os farrapos e o governo imperial transformou-se em uma guerra de guerrilha, uma vez que as forças dos farrapos já estavam consideravelmente prejudicadas|1|. Isso aconteceu principalmente com a nomeação de Luís Alves de Lima e Silva para conter a revolta no Sul.

Luís Alves de Lima e Silva, na época Barão de Caxias, foi nomeado pelo governo em 1842 para derrotar os farrapos e foi enviado para o Sul com mais 12 mil homens. Caxias conseguiu, por meio de estratégia militar eficiente e da diplomacia, derrotar gradativamente os farrapos e forçá-los à negociação.

Essa negociação entre os farrapos e o governo levou à assinatura do Tratado de Ponche Verde, no qual foi acertada a rendição dos revoltosos. Os farrapos foram, portanto, derrotados e, em troca, o governo aceitou os seguintes termos:

  • Os envolvidos foram anistiados.

  • Charque estrangeiro foi taxado em 25%.

  • Os militares farrapos foram integrados ao exército imperial, mantendo a mesma patente.

  • Provincianos receberam o direito de escolher seu governador de província (não cumprido pelo governo).

  • Os escravos que participaram da revolta seriam alforriados (não foi cumprido pelo governo).

|1| Juremir: “muitos comemoram Revolução sem conhecer a história”. Para acessar clique aqui.

 

Por Daniel Neves
Graduado em História

Luís Alves de Lima e Silva, mais conhecido como Duque de Caxias, foi o responsável por combater os farrapos
Luís Alves de Lima e Silva, mais conhecido como Duque de Caxias, foi o responsável por combater os farrapos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "O que foi a Revolta dos Farrapos?"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/historia/o-que-foi-revolta-dos-farrapos.htm. Acesso em 19 de setembro de 2019.

Diogo Feijó foi regente do Império Brasileiro de 1835 a 1838
O que é História?
O marechal Francisco Solano López era presidente e ditador do Paraguai e liderou o país durante o conflito*
O que é História?
Ilustração de 1868 retrata os cenários de batalha durante a Guerra do Paraguai
História do Brasil
As revoltas provinciais manifestavam o descontentamento com a estrutura política do Império.
História do Brasil
Na Regência, a dependência econômica promovia uma constante evasão de divisas.
História do Brasil
A queda do governo de D. Pedro I abriu portas para a formação de diferentes tendências políticas
História do Brasil
Exercícios de História do Brasil
Exercícios de História do Brasil
Exercícios de História do Brasil
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola