Whatsapp

Constituição de 1824

História do Brasil

PUBLICIDADE

A Constituição de 1824, outorgada em 25 de março de 1824, foi a primeira Constituição do Brasil e foi elaborada para atender aos interesses do imperador d. Pedro I em não ter os seus poderes limitados pelo Legislativo. Essa Constituição foi elaborada por um pequeno conselho, depois que a Carta proposta pela Constituinte havia sido rejeitada pelo imperador.

Acesse também: O que é uma monarquia? Conheça os tipos de monarquia existentes

Contexto

A elaboração da Constituição de 1824 estava inserida no contexto de independência e consolidação do Brasil enquanto nação. O Brasil havia declarado a sua independência no dia 7 de setembro de 1822 como resultado dos desentendimentos entre as Cortes portuguesas e as elites econômicas e políticas brasileiras.

As Cortes desejavam “recolonizar” o Brasil, enquanto as elites daqui procuravam manter o nível de autonomia conquistado durante o Período Joanino. Essa diferença nos interesses e a postura cada vez mais intransigente das Cortes permitiram que se instaurasse no país um clima favorável pela sua independência.

Enquanto a ideia de independência conquistava adeptos entre as elites, começaram a se desenvolver propostas que defendiam a necessidade de uma Assembleia Constituinte no país. Por meio dela o país poderia ter uma Constituição, representação política, e poderia formular caminhos para ser administrado.

A pressão sobre d. Pedro para que ele convocasse uma Constituinte era muito grande, e ele atendeu ao interesse por ela porque sabia que não haveria clima para que ele pudesse governar o país sozinho. A convocação para a composição da Constituinte ocorreu no dia 3 de junho de 1822, quando o Brasil ainda não era independente.

Acesse também: Um resumo com os principais acontecimentos do Primeiro Reinado

Assembleia Constituinte de 1823

O imperador d. Pedro I não aceitou a Constituição da Mandioca, proposta pela Assembleia Constituinte em 1823.
O imperador d. Pedro I não aceitou a Constituição da Mandioca, proposta pela Assembleia Constituinte em 1823.

Depois de declarada a independência, foi realizada a primeira eleição do Brasil como uma nação autônoma. Essa eleição definiu a composição da Assembleia Constituinte, a instituição que realizaria o debate da primeira Constituição do Brasil. Essa eleição ocorreu pelo voto indireto.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Funcionou assim:

  • O eleitor elegia os compromissários;
  • Os compromissários elegiam os eleitores da paróquia;
  • Os eleitores da paróquia elegiam os eleitores da comarca;
  • Os eleitores da comarca elegiam os deputados da Constituinte.

Esse sistema elegeu 100 deputados de todas as províncias brasileiras. O jornalista Chico Castro definiu os grupos que tomaram parte dessa instituição: bacharéis, padres, magistrados, grandes proprietários de terras, funcionários públicos, militares e médicos|1|. Em resumo, podemos dizer que só pessoas vinculadas à elite econômica e intelectual do Brasil garantiram presença.

A primeira sessão dessa Assembleia aconteceu no dia 17 de abril de 1823, mas somente 52 deputados estavam presentes. Isso aconteceu porque algumas províncias do Brasil, como a Cisplatina, não haviam mandado seus representantes para o Rio de Janeiro. Nesse primeiro momento, a relação dos constituintes com o imperador era muito boa.

O trabalho da Constituinte se iniciou no dia 3 de maio de 1823. A primeira sessão tratou diretamente da questão da nova Constituição brasileira. Os trabalhos se estenderam ao longo do ano de 1823, e, dentro da Assembleia, existiam três posições políticas perceptíveis:

  • Liberais: defendiam algumas liberdades civis e o estabelecimento de uma monarquia constitucional;
  • Liberais exaltados: defendiam mudanças políticas e sociais profundas, e muitos eram republicanos;
  • Portugueses: defendiam o estabelecimento de uma monarquia absolutista.

Liberais e liberais exaltados ficaram conhecidos como partido brasileiro, enquanto os portugueses formaram o partido português. Esses grupos entraram em choque frequentemente ao longo dos trabalhos da Constituinte, e, com o tempo, d. Pedro I foi se colocando cada vez mais ao lado dos portugueses, o que aumentou o desgaste do imperador com os membros do partido brasileiro.

Apesar dessas questões, o trabalho seguiu, e, em 1823, saiu o projeto da primeira Constituição do Brasil. Ela ficou conhecida como Constituição da Mandioca porque estabelecia que somente brasileiros com renda anual similar a 150 alqueires de mandioca é que poderiam votar. Essa proposta azedou definitivamente as relações do imperador com o partido brasileiro.

A Constituição de 1823 estabelecia limitações para o poder do imperador, colocando-o sujeito às decisões tomadas pelo Legislativo. Além disso, essa Carta não permitia que portugueses ocupassem cargos na política brasileira. Boatos de que o imperador interviria na situação começaram a se espalhar pelo Rio de Janeiro.

No dia 12 de novembro de 1823, d. Pedro I mobilizou tropas do Exército, cercou a Assembleia e anunciou a sua dissolução. Isso aconteceu, principalmente, porque o imperador não aceitou ter seus poderes limitados pelo Legislativo. A Constituinte foi encerrada, e alguns deputados foram obrigados a se retirar do país. Esse acontecimento recebeu o nome de Noite da Agonia.

Acesse também: Guerra da Cisplatina – o primeiro conflito do Brasil como país independente

Constituição de 1824

Juramento de d. Pedro I à Constituição de 1824.
Juramento de d. Pedro I à Constituição de 1824.

Depois de dissolver a Constituinte, d. Pedro I formou um conselho com pessoas próximas a ele, e uma nova Constituição foi elaborada. Essa Constituição foi outorgada em 25 de março de 1824, sendo oficialmente a primeira Constituição do Brasil enquanto uma nação independente. Essa Carta concretizou a vontade de d. Pedro I de manter poderes irrestritos. A palavra outorgada significa que a Carta em questão foi imposta pela vontade de d. Pedro I.

O principal desejo do imperador foi inteiramente atendido, com o estabelecimento de Quatro Poderes: Executivo, Legislativo, Judiciário e Moderador. O Poder Moderador era representado pelo próprio imperador e estava acima dos demais poderes. O imperador tinha atribuições diversas e amplos poderes no país.

As historiadoras Lilia Schwarcz e Heloísa Starling apontam que, por meio da Constituição de 1824, o imperador era o detentor da força coativa e poderia “nomear e demitir livremente ministros de Estado, membros vitalícios do Conselho de Estado, presidentes de província, autoridades eclesiásticas, o Senado vitalício, magistrados do poder Judiciário, […] ministros do poder Executivo”|2|.

Entre outras determinações da Constituição de 1824, destacaram-se:

  • O Brasil se estabelecia enquanto uma monarquia constitucional, hereditária e representativa;
  • O país se dividia em províncias, e o presidente de cada província era nomeado pelo imperador;
  • As eleições seriam indiretas, e o direito ao voto era censitário, estabelecendo que os votantes deveriam ter renda anual mínima de 100 mil-réis;
  • A Igreja Católica foi submetida à autoridade do imperador (padroado);
  • Deputados (cargo temporário) eram eleitos por eleição indireta, e o imperador nomearia um entre os três senadores mais votados (cargo vitalício);
  • A escravidão foi mantida.

A Constituição de 1824 esteve em vigor até o fim da monarquia, em 1889.

Notas

|1| CASTRO, Chico. A Noite das Garrafadas. Brasília: Senado Federal, 2013. p. 47.

|2| SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloísa Murgel. Brasil: Uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. p. 235.

 

Por Daniel Neves
Professor de História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Constituição de 1824"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/primeira-constituicao.htm. Acesso em 17 de maio de 2021.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

Aponte qual o mais importante dilema político que marcou as discussões estabelecidas entre os participantes da Assembleia Constituinte de 1823.

Questão 2

Qual foi a medida tomada por Dom Pedro I ao saber das intenções da constituinte em restringir seu poder de atuação?

Mais Questões
Artigos Relacionados
Descubra o Dia da Constituição. Acesse e veja por que esse dia é comemorado em 25 de março, e veja detalhes de todas as Constituições da história brasileira.
O maior objetivo da Assembleia Constituinte de 1823 era elaborar uma constituição para a Nação independente.
O conflito que marca a crise política do final do Primeiro Reinado.
Os atores e o projeto político que organizaram a formação do Estado brasileiro.
Veja cinco curiosidades sobre a Independência do Brasil e amplie os seus conhecimentos sobre esse tema que é um dos mais importantes de nossa história.
Saiba mais sobre a vida de d. Pedro I, imperador do Brasil durante o Primeiro Reinado. Veja detalhes sobre sua vida pessoal, seu papel na independência e sua morte.
Clique e acesse este texto para saber um pouco mais sobre o processo de independência do Brasil. Entenda as causas, como ocorreu o processo e as consequências.
Conheça o contexto da concepção do Poder Moderador e suas principais características segundo a Constituição Imperial Brasileira de 1824.
Clique e acesse este texto para saber um pouco mais sobre a Primeira República, período inicial da República no Brasil. Entenda as características desse período.