Topo
pesquisar

Zumbi dos Palmares

Biografia

Zumbi dos Palmares foi um dos líderes do Quilombo dos Palmares e ficou conhecido por ter liderado a resistência do quilombo contra os ataques portugueses, no século XVII.
PUBLICIDADE

Zumbi dos Palmares foi um dos líderes do maior quilombo que já existiu no Brasil: o Quilombo dos Palmares. Zumbi é enxergado por muitos, hoje, como um dos símbolos de resistência e luta dos africanos contra sua escravização no contexto do Brasil colonial. Foi morto no dia 20 de novembro de 1695, depois que seu esconderijo foi denunciado.

Acesse também: Entenda como eram trazidos os africanos escravizados no Brasil

Quilombo dos Palmares

Zumbi foi um dos três líderes que se conhece do Quilombo dos Palmares, o maior quilombo que surgiu na história do Brasil. O primeiro registro que se tem desse quilombo remonta a 1597, mas existem algumas especulações de que ele tenha surgido antes. Palmares era o nome que se dava ao conjunto de mocambos que o formava.

Entre os mocambos que formavam Palmares estavam Acotirene, Andalaquituche e Aqualtune. O principal deles era Cerca Real do Macaco, muito conhecido também como Mocambo do Macaco. Esse era o centro político de Palmares e chegou a contar com até 6 mil habitantes. Ao todo, fala-se que o complexo que formava Palmares possuía 20 mil habitantes.

Cerca Real do Macaco era protegido por uma paliçada e cercado de armadilhas como garantia de segurança. Todos os outros mocambos eram ligados a Cerca Real do Macaco por meio de estradas que se estendiam na região da Serra da Barriga, local onde ficava o Quilombo dos Palmares. Essa região, na época, estava vinculada à capitania de Pernambuco.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Palmares teve de lidar com as expedições organizadas por portugueses e holandeses que queriam destruir o quilombo. No período da invasão holandesa, Palmares prosperou, mas, depois que os holandeses foram expulsos, as expedições portuguesas tornaram-se cada vez mais frequentes e resultaram no seu aniquilamento.

A destruição de Palmares aconteceu com a expedição de Domingos Jorge Velho, bandeirante contratado a peso de ouro para atacá-lo. Suas tropas eram formadas por milhares de homens (especula-se até 9 mil homens) e equipadas com canhões. Depois de uma luta intensa, Cerca Real do Macaco foi destruído em 1694, forçando os sobreviventes a fugirem.

Vida

Sabe-se muito pouco sobre a vida de Zumbi. No entanto, a pesquisa histórica procura desembaraçar algumas informações a respeito da biografia dessa grande personalidade brasileira. As profundas lacunas a respeito da vida de Zumbi estão em torno de sua vida pessoal. A respeito de sua infância, o único relato existente é o do jornalista Décio Freitas.

Nesse relato, o jornalista afirma que Zumbi havia nascido livre em Palmares, e acredita-se que tenha sido capturado, quando tinha por volta de sete anos, e entregue como escravo a um padre chamado Antônio Melo. Uma vez escravizado, recebeu o nome de Francisco e aprendeu a falar Português e Latim. Aos 15 anos, teria fugido e retornado a Palmares, onde se tornou em um importante comandante militar dos palmarinos.

Essa versão clássica da infância de Zumbi não é levada em consideração pelos historiadores e é tida como improvável, porque não existem evidências que a comprovem, além do próprio relato de Décio Freitas. Outra coisa que não se sabe é se Zumbi teve esposa e filhos, apesar de existir uma carta escrita pelo rei português D. Pedro II para Zumbi sugerindo que este os tinha.

Nessa carta, D. Pedro II oferece perdão a Zumbi pelas ações por ele realizadas contra colonos portugueses. O rei oferece o perdão, desde que Zumbi aceite ser seu súdito, e o faz por meio deste convite:

Eu El-Rei faço saber a vós Capitão Zumbi dos Palmares que hei por bem perdoar-vos de todos os excessos que haveis praticado […]. Convido-vos a assistir em qualquer estância que vos convier, com vossa mulher e vossos filhos e todos os vossos capitães, livres de qualquer cativeiro ou sujeição, como meus fiéis súditos, sob minha real proteção, do que fica ciente meu governador que vai para o governo dessa capitania para que o cumpra e guarde […].|1|

De toda forma, sabemos que Zumbi nasceu de fato no Quilombo dos Palmares em 1655, e muitos dizem que ele teria sido sobrinho de Ganga Zumba, outro líder importante de Palmares. Apesar disso, existem alguns historiadores que apontam que a nomenclatura de Zumbi como sobrinho de Ganga Zumba pode ter sido apenas uma simbologia para remeter ao fato de que o primeiro era protegido do segundo.

Sabemos também que Zumbi era um general do Quilombo dos Palmares, e os relatos portugueses destacam a sua atuação na resistência dos palmarinos. São esses relatos que ajudaram a construir a imagem de Zumbi como um grande líder. Sabe-se também que o nome Zumbi pode derivar de nzumbi, termo africano que significa fantasma.

É na atuação de Zumbi como general que está uma das grandes polêmicas de sua vida: o desentendimento com Ganga Zumba. Em 1678, o líder de Palmares era Ganga Zumba, e, em meio a décadas de lutas, esse recebeu uma oferta de paz das autoridades coloniais. Nessa proposta, o governador da capitania concedia a liberdade para os nascidos em Palmares, mas todos que fossem fugidos deveriam retornar a seus donos. Se o líder palmarino aceitasse a oferta, os nascidos em Palmares poderiam viver sua liberdade em Curuá, como súditos da Coroa portuguesa.

Ganga Zumba teria acertado essa oferta e aceitado mudar-se, mas Zumbi, indignado, teria defendido que a liberdade fosse uma conquista para todos. Assim, acredita-se que Zumbi, ou um de seus aliados, tenha assassinado Ganga Zumba, e especula-se que isso aconteceu por meio de envenenamento.

Depois da morte de Ganga Zumba, seguiu-se um conflito com Gana Zona (irmão de Zumba), e Zumbi declarou-se líder de Palmares. Conduziu a resistência palmarina nos anos seguintes até a capitulação final do quilombo, quando as tropas de Domingos Jorge Velho atacaram e destruíram Cerca Real do Macaco.

Acesse também: Conheça a história dos Caifazes e do abolicionismo popular

Morte

Depois do assolamento de Cerca Real do Macaco, Zumbi fugiu. Durante muito tempo, acreditou-se que ele teria cometido suicídio durante esse ataque, mas foi comprovado por estudos feitos nas últimas décadas que ele fugiu. Nesse sentido, Zumbi viveu durante cerca de um ano e meio embrenhado no mato e sobrevivendo de pequenos ataques realizados por ele e seus companheiros sobreviventes.

Em 1695, ele teve seu esconderijo denunciado por um de seus companheiros, chamado Antônio Soares, que foi capturado e torturado. Zumbi então foi emboscado e morto. Ele teve sua mão cortada e sua cabeça foi decepada, salgada e levada para Recife, onde ficou em exposição em praça pública.

A morte de Zumbi aconteceu no dia 20 de novembro de 1695, e, no século XX, Zumbi tornou-se um grande símbolo de resistência em determinados grupos políticos. Essa apropriação de sua história fez com que o dia de sua morte fosse convertido no Dia da Consciência Negra.

|1| Projeto “Impressões rebeldes”. Para acessar, clique aqui.

 

Por Daniel Neves
Graduado em História

Zumbi dos Palmares foi líder do Quilombo dos Palmares, entre 1678 e 1694, e acabou sendo emboscado e morto pelos portugueses, em 1695.
Zumbi dos Palmares foi líder do Quilombo dos Palmares, entre 1678 e 1694, e acabou sendo emboscado e morto pelos portugueses, em 1695.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Zumbi dos Palmares"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biografia/zumbi.htm. Acesso em 07 de dezembro de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola