Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Abadia de Westminster

A Abadia de Westminster é uma igreja que foi construída no século XI. Essa igreja é conhecida por ser o local das coroações dos monarcas britânicos desde 1066.

Frente da Abadia de Westminster.
A Abadia de Westminster abriga as coroações dos monarcas britânicos desde 1066.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

A Abadia de Westminster é uma igreja localizada em Londres, na Inglaterra, sendo uma das mais importantes igrejas anglicanas. Essa igreja foi construída no século XI em uma ilha que ficava no meio do rio Tâmisa (a ilha não existe mais). Essa igreja é conhecida por ser o local da coroação dos monarcas britânicos desde 1066.

No século XIII, a Abadia de Westminster foi remodelada para o estilo arquitetônico gótico. As torres da abadia têm 69 metros de altura, e a abadia foi considerada Patrimônio da Humanidade pela Unesco, em 1987. Mais de 3300 pessoas foram enterradas na abadia, e o último monarca inglês enterrado lá foi Jorge II, no século XVIII.

Leia também: Catedral de Notre-Dame — a história de uma das mais famosas catedrais da França

Tópicos deste artigo

Resumo sobre a Abadia de Westminster

  • A Abadia de Westminster é uma igreja localizada em Londres, na Inglaterra.

  • É uma das igrejas mais importantes da Igreja Anglicana.

  • Os monarcas britânicos são coroados nessa abadia desde 1066.

  • Essa abadia foi remodelada no século XIII para o estilo gótico.

  • Estima-se que mais de 3300 pessoas estão enterradas no interior da abadia.

Características da Abadia de Westminster

A Abadia de Westminster é uma das igrejas mais famosas da Inglaterra, estando localizada em Londres, especificamente no distrito de Westminster. Foi construída na primeira metade do século XI e ficou famosa por ser o local onde quase todos os monarcas ingleses e britânicos foram coroados desde 1066.

Essa igreja é um importante templo religioso do anglicanismo, a doutrina que estabeleceu a Igreja da Inglaterra. Apesar do nome, a Abadia de Westminster não é considerada uma abadia nem uma catedral pelos anglicanos, mas, sim, uma “Royal Peculiar”, ou seja, um local de culto religioso que está sob a autoridade do próprio monarca britânico.

Essa igreja foi construída em estilo românico e remodelada em estilo gótico, destacando-se por suas duas grandes torres, que possuem 69 metros de altura. A atual estrutura da igreja foi construída em um local em que ficava um antigo monastério beneditino.

Estima-se que 39 monarcas britânicos foram coroados ali, além de essa igreja ter sediado pelo menos 16 casamentos reais desde 1100. A abadia também serve como local para realização dos funerais dos monarcas britânicos, e estima-se que cerca de 3300 pessoas tenham sido enterradas ali. Em 1987, a Unesco reconheceu a Abadia de Westminster como patrimônio da humanidade.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

História da Abadia de Westminster

A história da Abadia de Westminster remonta a um monastério de beneditinos que existia no local da abadia no século X. Esse monastério foi instalado no local por ação de Dunstano, Arcebispo da Cantuária — o líder espiritual da Igreja Anglicana — e do rei Edgar. Na época, o local em que ficava o monastério era uma pequena ilha que ficava no meio do rio Tâmisa.

As construções do monastério no século X eram de madeira, e nada desse período sobreviveu. A partir de 1042, foi iniciada a construção de uma abadia em homenagem a São Pedro. A nova igreja foi construída em estilo românico por ordem do rei Eduardo, o Confessor, que construiu um palácio na mesma ilha. O monastério beneditino também foi reconstruído.

A igreja foi consagrada em 1065 e passou a ser conhecida pela população como “west minster” para diferenciá-la da Catedral de São Pedro, conhecida como “east minster”. O rei Eduardo, no entanto, estava com a saúde muito debilitada para comparecer à consagração da igreja cuja construção ele havia autorizado. Ele morreu semanas depois, em janeiro de 1066, sendo enterrado na abadia.

Os historiadores acreditam que Haroldo II, rei coroado em janeiro de 1066, tenha sido coroado na Abadia de Westminster, mas não há nenhuma documentação que comprove isso. O primeiro monarca que foi coroado nessa abadia de que se tem conhecimento foi Guilherme, o Conquistador, monarca que foi coroado rei em dezembro de 1066.

Essa igreja foi construída em estilo românico e permaneceu de pé até o século XIII. Durante o reinado de Henrique III, foi decidido que a abadia seria reconstruída, sendo remodelada em estilo gótico. O projeto da nova abadia visava a mantê-la como um importante monastério, um local de culto, mas também como local de coroação dos reis ingleses.

A construção da nova abadia também era resultado de uma certa rivalidade dos ingleses com os franceses, uma vez que grandes catedrais foram construídas na França durante o século XIII, como em Amiens, Reims e outras cidades francesas. A nova abadia foi construída a partir de 1245, e as principais etapas da construção só foram finalizadas em 1517. As torres da abadia, por sua vez, só foram construídas no século XVIII.

Apesar de sua construção ter se arrastado por mais de 200 anos, a Abadia de Westminster foi sendo construída por etapas, e sua consagração aconteceu em 13 de outubro de 1269.

Leia também: História de formação da monarquia nacional britânica

Coroações e casamentos na Abadia de Westminster

Como já mencionado, a Abadia Westminster é o local onde os monarcas britânicos são coroados desde 1066, e desde esse período apenas dois monarcas ingleses não foram coroados na abadia — não houve cerimônia de coroação para Eduardo V e Eduardo VIII. As coroações dos monarcas realizadas na abadia são conduzidas pelo Arcebispo da Cantuária, líder espiritual do anglicanismo.

Os monarcas britânicos que são coroados na Abadia de Westminster assentam no Trono do Rei Eduardo, também conhecido como Cadeira da Coroação. Esse trono é utilizado para as coroações britânicas desde 1308.

Trono do Rei Eduardo, onde assentam os monarcas britânicos que são coroados. [1]
Trono do Rei Eduardo, onde assentam os monarcas britânicos que são coroados. [1]

Além de coroações, a Abadia de Westminster também foi palco de importantes casamentos reais. O último deles foi o casamento do príncipe William, que foi realizado em 29 de abril de 2011. Na ocasião, William, atual herdeiro do trono britânico, casou-se com Catherine Middleton. Elizabeth II, rainha entre 1952 e 2022, também casou-se na Abadia de Westminster.

Curiosidades sobre a Abadia de Westminster

Destacamos algumas curiosidades a respeito da Abadia de Westminster:

  • Dentro da abadia existe um altar para Eduardo, o Confessor.

  • Entre os monarcas enterrados no interior da abadia estão Eduardo I, Eduardo III, Henrique V, entre outros.

  • Existem mais de 600 monumentos de todos os tipos no interior da abadia.

  • O monastério que compunha a abadia foi dissolvido em 1540.

  • As torres do lado ocidental da abadia ficaram inacabadas durante séculos, sendo concluídas somente em 1745.

  • Westminster foi convertida em uma “Royal Peculiar” em 1560 e, desde então, mantém esse status.

  • O primeiro papa a visitar a Abadia de Westminster foi o papa Bento XVI, em visita realizada em 2010.

  • O último monarca britânico que foi enterrado na Abadia de Westminster foi Jorge II, em 1760.

Créditos da imagem

[1] IR Stone / Shutterstock

 

Por Daniel Neves Silva
Professor de História

Escritor do artigo
Escrito por: Daniel Neves Silva Formado em História pela Universidade Estadual de Goiás (UEG) e especialista em História e Narrativas Audiovisuais pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atua como professor de História desde 2010.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Abadia de Westminster"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historia/abadia-de-westminster.htm. Acesso em 21 de maio de 2024.

De estudante para estudante