Whatsapp

Modernismo e Primeira Guerra Mundial

Guerras

A relação entre o Modernismo e a Primeira Guerra Mundial é de suma importância para se compreender o “nascimento” do século XX e suas peculiaridades.
PUBLICIDADE

A relação entre o modernismo artístico e a Primeira Guerra Mundial é notória, haja vista que os artistas modernistas conseguiram, anos antes de a guerra estourar em 1914, captar a ruína do clima de euforia e da crença no progresso da civilização ocidental que marcou a chamada Belle Époque.

  • Da euforia da Belle Époque à decadência

Sabemos que a chamada Belle Époque (“Bela Época”, em francês) foi o período que abrangeu as décadas de 1870 a 1900 e ficou caracterizado pelo grande otimismo no desenvolvimento material do mundo ocidental. Invenções tecnológicas importantes, como o telégrafo, o telefone, o cinema, a fotografia, as locomotivas e navios a vapor, entre muitas outras, possibilitaram maior integração mundial e um grande surto populacional, provocando o nascimento da chamada “sociedade de massas”. Todavia, esse clima de euforia teve os seus contrastes.

O mesmo tipo de modernização tecnológica que beneficiava a vida prática nos grandes centros urbanos também foi empregado na invenção de novos e sofisticados armamentos, que seriam usados na Primeira Guerra – evento que conduziu a Belle Époque à decadência total. O triunfo da “razão” e da “ciência” sofria, assim, contraponto com a irracionalidade das disputas raciais, nacionalistas e ideológicas de vários matizes, que desembocariam na catástrofe e na destruição da guerra. Foi em meio a essa atmosfera que apareceu o fenômeno artístico conhecido como modernismo.

  • Vanguardas artísticas e rupturas

Os artistas do modernismo, que se organizaram em grupos vanguardistas, como o cubismo, o surrealismo, o expressionismo, o abstracionismo, o futurismo e o dadaísmo, procuraram assimilar a atmosfera de decadência apontada acima e expor, cada qual ao seu modo, o tipo de produto artístico que seria correspondente a essa atmosfera. Com suas pinturas, esculturas e colagens, o espanhol Pablo Picasso, por exemplo, o maior representante do cubismo, procurava produzir um tipo de arte em que as formas de pessoas e objetos fossem apresentadas de modo decomposto, como se tivessem sido recortadas em pedaços e coladas desordenadamente.

Outros artistas, como Salvador Dalí, Wassily Kandinsky, Edvard Munch e Giacomo Balla, vinculados ao surrealismo, abstracionismo, expressionismo e futurismo, respectivamente, procuravam oferecer o mesmo tipo de “deformação das formas”, tanto na pintura quanto na escultura. No campo da música e do balé, não era diferente. Músicos como Arnold Schönberg, inventor da música dodecafônica (de “doze tons” em vez de sete notas), rompiam com a hierarquia tradicional da música clássica. O balé russo, de Diaghilev e Nijinski, acompanhado pela música dissonante de Stravinsky, também procurava o mesmo efeito de ruptura com o balé clássico, caracterizado pela leveza e delicadeza dos gestos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A crítica mais ácida e mordaz à atmosfera de decadência da Belle Époque veio com o dadaísmo (formado em 1916, em meio à guerra), de Tristan Tzara, Hugo Ball e Hans Arp. Esses artistas foram além da ruptura com as formas clássicas e tentaram inaugurar o momento do “fim da arte”, ou uma “antiarte”, o que implicava a destruição completa da capacidade de representação ordenada da realidade por meio de qualquer expressão artística – a poesia, o teatro, a pintura etc.

Como bem acentua o pesquisador Márcio Hagihara:

[…] O grupo dadaísta (1916-23) organizado inicialmente em Zurique no Cabaret Voltaire reiterou a hostilidade à ordem social estabelecida, dando continuidade ao modelo vanguardista. A negatividade dadaísta se estendia a dois níveis: a destruição no âmbito da esfera social e a descontinuidade nas estruturas das linguagens semântica e artística. Os lemas eram a destruição da clareza, da coerência e da análise lógica. […] Para os dadaístas a lógica e a racionalidade eram destrutivas e enganosas, a verdade se expressava a partir da natureza, que segundo a concepção dadaísta, seria caótica e espontânea e instável. [1]

Os frutos dessas correntes modernistas seriam gerados no período entre a Primeira e a Segunda Guerra. O modo de compreensão da realidade por meio da arte nunca mais seria o mesmo depois da Primeira Guerra Mundial.

*Créditos da Imagem: Shutterstock e Bangkokhappiness

NOTAS

[1] HAGIHARA, Márcio. O ethos negativo e a arte de vanguarda. Dissertação de Mestrado. Departamento de Sociologia da UnB, 2007. p. 91.


Por Me. Cláudio Fernandes

Pablo Picasso foi um dos artistas modernistas de destaque durante a Primeira Guerra*
Pablo Picasso foi um dos artistas modernistas de destaque durante a Primeira Guerra*

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FERNANDES, Cláudio. "Modernismo e Primeira Guerra Mundial"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/guerras/modernismo-primeira-guerra-mundial.htm. Acesso em 11 de maio de 2021.

Assista às nossas videoaulas
Artigos Relacionados
Antecedentes da Primeira Guerra Mundial, Primeira Guerra Mundial, acordos diplomáticos, corrida imperialista, corrida armamentista, Tratado da Tríplice Aliança, Tríplice Entente, preparativos da Primeira Guerra Mundial.
Entenda a participação do escritor J.R.R. Tolkien na Primeira Guerra Mundial e como isso marcou a sua personalidade.
Conheça a trajetória de Lawrence da Arábia na Primeira Guerra Mundial e os motivos de essa personagem ter se tornado tão famosa.
Brasil na Primeira Guerra Mundial, conflitos da Primeira Guerra Mundial, Tríplice Entente, navios cargueiros, submarinos alemães, gripe espanhola, Tratado de Versalhes, indenização.
Primeira Guerra Mundial, Grande Guerra, batalha do Marne, guerra de movimento, guerra de posição, guerra de trincheiras, Estados Unidos, Rússia, Alemanha, Woodrow Wilson, Armistício de Compiègne, Tratado dos Catorze Pontos Para a Paz Mundial.
Leia a análise da obra Os sertões e conheça um pouco da vida de seu autor, Euclides da Cunha.
Saiba um pouco sobre o tema da Primeira Guerra Mundial na poesia de Georg Trakl e sobre o modo como esse poeta transformou o terror em poesia.
Conheça o impacto que teve o uso de gases tóxicos na Primeira Guerra Mundial e suas principais consequências.