Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Batalha da França na Segunda Guerra Mundial

Guerras

Em maio de 1940, a Alemanha nazista iniciou o ataque que ficou conhecido como Batalha da França e surpreendeu o mundo com a rápida vitória sobre esse país.
Imagem de um cidadão parisiense desconsolado com a chegada das tropas nazistas à capital francesa
Imagem de um cidadão parisiense desconsolado com a chegada das tropas nazistas à capital francesa
PUBLICIDADE

A Batalha da França possibilitou a invasão alemã em maio de 1940 durante a Segunda Guerra Mundial. A França, que era considerada por Hitler a maior ameaça da Europa continental no Ocidente, foi conquistada com surpreendente rapidez. As forças Aliadas não conseguiram combater a máquina de guerra alemã e sucumbiram de maneira vexatória. O domínio desse país alimentou a ambição do líder nazista por novas conquistas.

Início da Segunda Guerra

Ainda era recente o início da Segunda Guerra, marcado pela invasão da Polônia em 1º de setembro de 1939. Britânicos e franceses declararam guerra à Alemanha como parte do acordo de proteção assinado com a Polônia, mas não atacaram os alemães nesse primeiro momento. A conquista desse país, então, foi rápida: em 28 de setembro, a capital Varsóvia rendeu-se aos nazistas.

O passo seguinte da Alemanha foi ocupar Holanda, Bélgica e França, porém, imprevistos levaram ao adiamento desses planos de invasão. Assim, Hitler foi convencido a fazer uma breve campanha contra a Noruega. Em 9 de abril, iniciou-se o ataque contra esse país com a convicção de que sua conquista seria vital para garantir o controle nazista sobre a produção de ferro da Suécia. Além disso, o território norueguês possibilitaria formar bases aéreas que atacariam o Reino Unido pelo flanco.

Nesse contexto, os Aliados eram formados apenas por Reino Unido e França. A entrada da União Soviética somente aconteceu após junho de 1941, e a dos Estados Unidos, a partir de dezembro de 1941. Já o Eixo era formado apenas por Alemanha e Itália. O Japão aderiu ao Eixo apenas em setembro de 1940. Outros países, como Hungria e Romênia, ligaram-se ao Eixo como colaboracionistas ao longo da guerra.

Estratégias de guerra

A conquista da França era vital para os planos de Hitler. Primeiramente, o líder alemão acreditava que uma vitória sobre os franceses e, consequentemente, o isolamento do Reino Unido poderiam permitir-lhe negociar os termos da rendição britânica. Em outro caso, esse isolamento britânico na guerra poderia facilitar a invasão nazista. Por fim, o encerramento do fronte ocidental poderia permitir a Hitler concentrar-se nos seus principais objetivos: a invasão da União Soviética, a escravização dos eslavos e a destruição do bolchevismo.

A estratégia francesa consistia em travar a luta contra a Alemanha fora de seus territórios, sobretudo na Bélgica. A intenção era não repetir os traumas causados pelo conflito de trincheiras, como o ocorrido durante a Primeira Guerra Mundial. Já a estratégia alemã, pelo contrário, pretendia exatamente levar a guerra para dentro do território francês de forma a conquistar Paris o mais breve possível.

A tática alemã consistia em realizar três grandes ataques simultâneos em diferentes pontos da defesa francesa. Os grupamentos alemães e seus locais de ataque eram os seguintes:

  • Grupo de Exércitos B: esse grupamento invadiria e conquistaria a Holanda e a Bélgica para, em seguida, realizar o ataque contra a França. Seus soldados eram liderados pelo general Fedor von Bock.

  • Grupo de Exércitos A: pretendia ocupar a França a partir da Floresta das Ardenas, região considerada intrafegável pelo exército francês. Seus soldados eram liderados pelo marechal de campo Gerd von Rundstedt.

  • Grupo de Exércitos C: atacaria a Linha Maginot, conjunto de fortificações francesas construídas ao longo da fronteira com a Alemanha. Seus soldados eram liderados pelo general Wilhelm Ritter von Leeb.

Essa estratégia alemã previa que os franceses reforçariam suas defesas ao longo da fronteira com a Bélgica, uma vez que a Linha Maginot garantia uma proteção considerável do sul da fronteira francesa, o que permitiria à França deslocar soldados para outras partes menos protegidas. Além disso, os alemães contavam com o fato de que os franceses não esperariam um ataque pelas Ardenas por ser uma região de florestas densas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Invasão da França

A batalha pela França começou com as ocupações de Holanda e Bélgica como parte da estratégia alemã. O ataque da Alemanha iniciou-se na madrugada do dia 10 de maio de 1940. A invasão da Holanda e Bélgica foi realizada parcialmente com o uso de paraquedistas lançados em pontos estratégicos. Um desses locais era a fortaleza belga de Eben Emael, considerada invencível e conquistada pelos alemães em um dia de batalha.

Parte da tática de guerra da Alemanha na invasão da França foi a blitzkrieg, técnica inovadora e vital que garantiu algumas vitórias alemãs até 1941. Essa tática consistia em realizar ataques coordenados de infantaria (aliada com a artilharia), aviação e blindados em um ponto estratégico da linha adversária. O objetivo era criar uma brecha pela qual os exércitos alemães penetrariam em território inimigo.

Enquanto os alemães atacavam a Holanda e a Bélgica, o principal movimento acontecia na região das Ardenas. Essa estratégia visava atacar a parte mais enfraquecida da linha de defesa de forma a penetrar em solo francês e, a partir de um movimento de pinça, encurralar o exército francês que estava na Bélgica entre os Exércitos A e B. O ataque nas Ardenas mobilizou 134 mil soldados com 1.222 carros de combate|1|.

Esse ataque pelas Ardenas pegou a defesa francesa totalmente despreparada. Era a posição mais enfraquecida do exército francês, e os historiadores relatam que, apesar de algumas demonstrações de bravura, o quadro no local foi de fuga generalizada. Os franceses impuseram alguma resistência para evitar a travessia do rio Meuse, mas os historiadores afirmam que o exército desse país falhou ao não perceber a real estratégia do exército alemão.

Assim, após cruzar o rio Meuse, as tropas alemãs seguiram rumo ao norte para encurralar as tropas francesas e britânicas que estavam na Bélgica. Os alemães conseguiram encurralar mais de 300 mil soldados aliados. Para evitar um desastre, os britânicos organizaram a Operação Dínamo, também conhecida como Retirada de Dunquerque.

Na Retirada de Dunquerque, o Reino Unido mobilizou tantas embarcações quanto fosse possível para retirar suas tropas da Bélgica. Ao longo da Operação, cerca de 338 mil soldados, entre britânicos, franceses e belgas, foram evacuados e levados para a Inglaterra. No entanto, a evacuação só foi possível porque Hitler havia ordenado propositalmente a diminuição da velocidade de avanço de suas tropas. A operação aconteceu de 26 de maio a 4 de junho de 1940.

Apesar da evacuação heroica, o desastre havia sido grande, pois, além de sofrer uma derrota, o Reino Unido abandonou considerável quantidade de suprimentos e equipamentos, conforme o registro de Hastings: “A Força Expedicionária Britânica deixou para trás, na França, 64 mil viaturas, 76 mil toneladas de munição, 2.500 canhões e mais de quatrocentas mil toneladas de provisões”|2|.

Após a Retirada de Dunquerque, os alemães continuaram seu avanço pela França e, assim, levaram cerca de oito milhões de franceses a abandonar suas casas. Quando os alemães entraram em Paris, no dia 14 de junho de 1940, a cidade estava quase totalmente deserta. A rendição francesa foi oficializada em 22 de junho de 1940.

Consequências

Com a vitória na França, Hitler pôde dedicar-se ao ataque contra o Reino Unido. Os acontecimentos seguintes da guerra foram marcados pelos pesados ataques aéreos, principalmente sobre Londres. Além disso, as rápidas conquistas levaram a uma grande euforia entre os alemães e aumentaram a ambição de Hitler em garantir o controle da União Soviética. Esse passo foi dado por ele em junho de 1941.

|1| HASTINGS, Max. O mundo em guerra 1939-1945. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2012, p. 68.
|2| Idem, p. 81-82.


Por Daniel Neves
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Batalha da França na Segunda Guerra Mundial"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/guerras/batalha-da-franca-na-segunda-guerra-mundial.htm. Acesso em 27 de janeiro de 2022.

Artigos Relacionados
Os recentes estudos que reavaliam o impacto desse conflito entre a população alemã.
Clique no link e tenha acesso a informações sobre a ofensiva organizada pelos alemães na região das Ardenas na virada de 1944 para 1945.
Veja detalhes sobre a última grande batalha travada na Europa durante a Segunda Guerra, quando os soviéticos conquistaram a cidade de Berlim em 1945.
Leia este texto sobre a Batalha de Stalingrado e entenda como aconteceu o ataque alemão contra essa cidade soviética localizada às margens do rio Volga. Entenda o contexto da guerra durante a realização dessa batalha e veja qual foi seu desfecho após meses de luta.
Conheça o Canhão Gustav e saiba quais eram suas características e os motivos pelos quais ele foi projetado.
Acesse este link e tenha acesso a algumas informações a respeito do desembarque de tropas dos Aliados na Sicília, que aconteceu durante a Segunda Guerra Mundial. Entenda como foi todo o processo que determinou a invasão do sul da Itália e veja quais foram os resultados práticos dessa ação anglo-americana.
Veja este texto e saiba detalhes de como foi organizada uma das operações mais conhecidas da Segunda Guerra Mundial: o Dia D. Entenda o contexto imediato que antecedeu o Dia D, também chamado de Operação Overlord, e entenda detalhes de sua preparação e de sua execução, em 1944.
Entenda como foi o ataque japonês contra a base naval de Pearl Harbor, episódio que ocasionou a entrada dos EUA na Segunda Guerra.
Fim da Segunda Guerra, Mundo depois da Segunda Guerra, Conferência de Teerã, Conferência de Ialta, Conferência de Potsdam, Tribunal de Nuremberg, Tratado de São Francisco, Guerra Fria.
Revanchismo, Tratado de Versalhes, Hitler, Mussolini, Alemanha, Itália, Japão, China, Manchúria, Abissínia, Liga das Nações, Sudetos, Conferência de Munique, corredor polonês, Porto de Dantzing, Pacto germano-soviético.