Topo
pesquisar

O desenvolvimentismo foi suficiente para o Brasil no século XX?

Sociologia

A criação de um parque industrial nacional no século XX visava, além do desenvolvimento tecnológico do Brasil, a criação de empregos como combate aos problemas sociais.
PUBLICIDADE

A importação de tecnologia estrangeira para a produção interna de produtos nacionais, viabilizada pela política de substituição de importações, promoveu, até certo ponto, a modernização e a constituição de um parque industrial nacional entre as décadas de 1930 e 1970. Em outras palavras, o Estado (principalmente a partir da Era Vargas) criou condições para atração de capital estrangeiro, promovendo o desenvolvimento tecnológico do país e criando uma indústria de base (responsável pela produção de insumos de primeira ordem como aço, combustível). Acreditava-se ser esta política um sinônimo de desenvolvimento também no âmbito social. A simples geração de emprego na esteira da industrialização era compreendida como a principal arma contra os problemas sociais.

No entanto, os altos índices de concentração de renda e de sua má distribuição persistentes até os dias de hoje, são indicadores de que este caminho que se tentou traçar ao longo do século XX não foi bem-sucedido. Até o início dos anos 2000, nem mesmo os projetos de desenvolvimento dos militares em plena ditadura entre as décadas de 60 e 70 foram suficientes. O cerne da questão está, basicamente, no fato de que esta tecnologia importada para alavancar a produção nacional não foi compatível com a demanda das necessidades internas do país, isto é, havia uma desproporcionalidade entre as condições sócio-econômicas nacionais e o tipo de bens produzidos pelas grandes multinacionais. Em outras palavras, o baixo poder de compra dos brasileiros não era suficiente para demandar uma produção.

Reproduzia-se uma tecnologia que era condizente com os padrões de consumo europeus ou norte-americanos, economias estas que desde sempre se diferenciaram em muito dos quadros sociais latino-americanos. O consumo desta demanda de “novas tecnologias” restringiu-se às camadas mais abastadas, o que representou o malogro da tentativa de promoção do desenvolvimento sócio-econômico do país pela modernização dos parques industriais. Logo, apreende-se que tanto a atração de capitais como de tecnologia estrangeira não são sinônimos de desenvolvimento socioeconômico, pois este só é alcançado quando a produção tecnológica nacional é compatível com a demanda social do país, demanda esta que é dada não de forma imediatista, mas configurada ao longo do processo histórico de formação da sociedade.

O curioso é notar que, paralelamente a esta questão de como fazer o Brasil se tornar um país de economia sólida e pujante, sempre esteve o problema da educação. Exaustivamente, chama-se a atenção para a promoção da formação educacional em todos os seus níveis, principalmente o superior, dada sua relação direta com a produtividade. Atualmente, no Brasil, fala-se em ampliar a fabricação de produtos que requerem alta tecnologia como os chamados tablets, mas a defasagem de profissionais engenheiros e técnicos é um obstáculo a ser enfrentado.

Contudo, embora o Brasil ainda tenha diversos problemas estruturais tanto no sentido social como econômico, devemos fazer justiça com a diminuição da desigualdade social ocorrida nas últimas décadas, haja vista a inclusão de milhares de brasileiros na chamada classe média. Ao que tudo indica, isso seria resultado não apenas do crescimento econômico e da produção em termos absolutos, mas também da promoção de política sociais nesses últimos anos. Porém, além da transferência de renda por meio desses programas, sabemos da importância do investimento em educação na formação do jovem e na capacitação do trabalhador.

Assim, atacar o problema da defasagem educacional no país não se trata de tentar acabar apenas com um sintoma da exclusão e da pobreza, mas com o processo gerador e perpetuador da exclusão. Logo, a fragilidade do argumento daqueles que erguiam a bandeira do desenvolvimentismo como forma de acabar com a desigualdade (defendendo a velha máxima de que seria preciso “fazer o bolo crescer para depois dividir as fatias”) estava no fato de que concentravam seus esforços apenas no enfoque econômico da questão, relegando a outro plano os investimentos e as reformas necessárias na área social de responsabilidade do Estado.


Paulo Silvino Ribeiro
Colaborador Brasil Escola
Bacharel em Ciências Sociais pela UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas
Mestre em Sociologia pela UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
Doutorando em Sociologia pela UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

RIBEIRO, Paulo Silvino. "O desenvolvimentismo foi suficiente para o Brasil no século XX?"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/o-desenvolvimentismo-foi-suficiente-para-brasil.htm>. Acesso em 22 de maio de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA