Topo
pesquisar

O ceticismo radical e a destruição da possibilidade de ciência em Hume

Filosofia

Para David Hume, todos os conteúdos da mente não percepções
Para David Hume, todos os conteúdos da mente não percepções
PUBLICIDADE

De acordo com David Hume, todos os conteúdos da mente são percepções. A própria noção de Mente é indistinta de alguma percepção. Estas dividem-se em dois tipos:

- Impressões: são percepções originárias vinculadas às sensações e, por isso, com um grau maior de intensidade. É o vivido e significa sentir (sensação / externa e sentimento / interno – ambas referem-se ao presente).

- Ideias: são imagens “desbotadas” ou enfraquecidas que reproduzem as sensações com um grau menor de intensidade, ou seja, são cópias das impressões. Ideia significa pensar (memória / passado e imaginação / futuro).

Significa dizer que todas as ideias simples provêm de suas impressões correspondentes, não existindo ideias inatas. Além disso, em Locke ainda se percebia a constatação de uma espécie de materialismo, em que a mente nada mais era do que o conjunto de sensações dos objetos. Em Hume, o sujeito está tão encerrado em suas representações particulares, que nem mesmo a afirmação da matéria fora do homem é possível. Vejamos como isso ocorre.

A memória para Hume está presa às impressões e até por isso têm uma certa intensidade. Sentir o perfume de uma rosa é muito mais intenso do que lembrar dessa experiência. Ainda assim diminuída, a intensidade se faz presente. A memória constitui-se de um todo homogeneizado da sensação, estando, por isso, submetida à ordem e à forma da afecção primeira.

Já a imaginação caracteriza-se pela noção de liberdade. Essa noção permite ao homem compor e decompor, ampliar ou diminuir, copiar e colar, etc., as qualidades das impressões. Dessa forma, a imaginação não está presa, vinculada às impressões primitivas, embora dependa destas para existir. Logo, pode criar o que quiser fazendo montagem de imagens, inventando seres a partir das ideias primeiras, independente se existem ou não.

Compreendam o quanto há de inversão de método com relação aos antigos: estes julgavam seus efeitos pela causa, isto é, retrocediam até à causa primeira para explicar o efeito. Com Hume, parte-se dos efeitos para descrever e limitar o fenômeno. Mas assim, cada fenômeno torna-se um evento tão independente que não haveria como ligá-los por uma espécie de causalidade. Percebam que as ideias complexas de substância, qualidade e causa e efeito não derivam da experiência, portanto não existem enquanto tais! Logo, o que nos faz julgar a relação de causa e efeito entre coisas que acreditamos existir é o mero HÁBITO. Não podemos afirmar a existência dos seres reais (substância) nem mesmo garantir a causalidade entre eles. A ciência está, pois, destruída e a razão destronada de seu reino. A possibilidade da comunicação e do entendimento entre sujeitos particulares (intersubjetividade) se faz pela convenção. O conhecimento é impossível de forma universal.

Por João Francisco P. Cabral
Colaborador Brasil Escola
Graduado em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU
Mestrando em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Filosofia - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

CABRAL, João Francisco Pereira. "O ceticismo radical e a destruição da possibilidade de ciência em Hume"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/o-ceticismo-radical-destruicao-possibilidade-ciencia.htm>. Acesso em 18 de outubro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA