Topo
pesquisar

Síndrome de Guillain-Barré

Saúde e Bem-estar

A Síndrome de Guillain-Barré apresenta causas ainda pouco definidas e provoca fraqueza muscular e paralisia.
A SGB atinge os nervos periféricos e craniais
A SGB atinge os nervos periféricos e craniais
PUBLICIDADE

A Síndrome de Guillain-Barré (SGB) é uma polirradiculoneuropatia inflamatória que tem por característica principal o ataque agudo dos nervos periféricos e craniais. Esse problema é grave, de evolução rápida e potencialmente fatal.

Essa doença ocorre em todo o mundo e não faz distinção entre sexo, idade ou classe social, podendo atingir, portanto, qualquer pessoa. Anualmente, na América do Norte, surgem de dois a quatro casos da doença a cada 100.000 habitantes, um padrão que se repete no restante do globo.


Quais são as causas da Síndrome de Guillain-Barré?

A SGB ainda tem causa desconhecida, mas muitos autores consideram esse problema como de natureza autoimune. Outros autores acreditam que ela está relacionada com respostas imunológicas do corpo após o contato com algum agente infeccioso. Alguns trabalhos demonstram que cerca de 60% dos pacientes com a síndrome tiveram infecções dias antes do início dos sinais e sintomas da SGB.

O papel das infecções no desenvolvimento da SGB está no fato de que, ao entrar um antígeno no organismo, são produzidos anticorpos específicos. Esses antígenos podem apresentar mimetismo molecular com moléculas presentes nos nervos periféricos, isto é, as moléculas presentes nos nervos assemelham-se ao antígeno, o que faz com que os anticorpos ataquem o próprio organismo.

Entre os problemas de saúde que apresentam relação com a SGB, podemos citar infecções do trato respiratório superior, doenças virais como herpes e hepatite, cânceres e infecções gastrointestinais. Recentemente estudos têm relacionado a SGB com infecção por vírus Zika, transmitido pela picada do Aedes aegypti.


O que a Síndrome de Guillain-Barré pode causar?

A SGB inicia-se com sensação de dormência e alfinetadas nos pés e mãos. Posteriormente podem aparecer dores lombares e nos membros inferiores, ausência de reflexos e fraqueza muscular progressiva, que se inicia nas pernas e, posteriormente, acomete os braços. Essa fraqueza pode afetar, além dos membros, músculos respiratórios e nervos cranianos. Quando atinge nervos cranianos, pode ocorrer paralisia facial. Além desses sintomas, o paciente com a SGB pode apresentar dificuldade de deglutição, dificuldade respiratória e ausência de movimento respiratório.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Normalmente a doença apresenta sintomas severos rapidamente, que duram aproximadamente três semanas. Depois desse período, inicia-se uma fase de estabilidade e, posteriormente, há regressão da síndrome.

Essa síndrome é considerada potencialmente fatal, pois proporciona dificuldade de deglutição, o que, por sua vez, pode causar aspiração de alimentos e fluidos para os pulmões (broncoaspiração), resultando em infecções e até mesmo obstrução das vias aéreas. Muitos pacientes também apresentam complicações em razão do grande período de imobilização.


A Síndrome de Guillain-Barré possui cura?

A SGB possui cura, mas a recuperação pode demorar semanas e até mesmo meses. Alguns trabalhos indicam que, em 95% dos casos, há total recuperação do paciente; em outros, pode ocorrer apenas uma fraqueza muscular moderada. Vale frisar ainda que 2% a 5% dos pacientes não sobrevivem à doença.

Em todos os casos, faz-se necessária a internação para que o médico realize a imunomodulação, ou seja, controle das reações imunológicas. Além disso, para uma recuperação eficiente, deve ser realizado fisioterapia, suporte nutricional e medidas (normalmente o uso de heparina) que evitem o tromboembolismo pulmonar. Em alguns casos, é necessária a realização de ventilação mecânica.

Por Ma. Vanessa dos Santos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Síndrome de Guillain-Barré"; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/saude/sindrome-guillain-barre.htm>. Acesso em 14 de novembro de 2018.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola