Topo
pesquisar

Arcadismo

Literatura

O Arcadismo foi um movimento literário que ocorreu no século XVIII e que foi influenciado pelo Iluminismo e pelo avanço industrial europeu.
Bocage é um dos principais nomes do Arcadismo.
Bocage é um dos principais nomes do Arcadismo.
PUBLICIDADE

O Arcadismo foi o principal movimento literário do século XVIII. Outros nomes dados ao estilo são Setecentismo ou Neoclassicismo - a partir deste último, inclusive, percebe-se a relação do Arcadismo com valores da cultura clássica, ou seja, valores gregos, romanos e renascentistas. Os escritores árcades são conhecidos por oporem-se ao estilo barroco, inspirando-se em preceitos do Iluminismo.

Leia mais: Descubra a origem das influências do Arcadismo.

Características

O movimento árcade foi fortemente influenciado pela cultura grega, latina e renascentista. A clareza e a harmonia nos temas e nas formas afastaram das produções literárias a linguagem rebuscada e confusa do Barroco. As antíteses e paradoxos do homem do século XVII passaram a dar lugar ao sujeito racional, que buscava a simplicidade e a racionalidade em suas obras.

Uma das principais características árcades é a herança da cultura clássica (greco-latina e renascentista). Alguns preceitos latinos que inspiraram os escritores árcades são:

Inutilia Truncat: Esse preceito dialoga com a necessidade de “tirar o inútil” da poesia, entendendo-se esse inútil como sendo o excesso de rebuscamento formal do movimento Barroco.

Fugere Urbem: Para os líricos do Arcadismo, a cidade não era o ambiente ideal para viver, pregando-se, portanto, a fuga da urbanidade como meta a ser alcançada.

Locus Amoenus: Atrelado ao fugere urbem, esse preceito afirma que o campo, o ambiente bucólico, é o ideal para o homem.

Carpe Diem: Segundo esse preceito, é necessário aproveitar o presente para contemplar a realidade, sem preocupar-se com o futuro.

Aurea Mediocritas: Segundo essa expressão, o homem mediano é aquele que alcança a felicidade, não se devendo, assim, procurar riquezas e posses em vida.    

Além do retorno aos clássicos, o Arcadismo também foi muito influenciado pelo Iluminismo, movimento filosófico que compreendia ser a razão o maior valor humano, e pelo desenvolvimento técnico e tecnológico que modernizou os meios de produção da época e produziu um forte êxodo rural e expansão urbana.

Contexto histórico

O Arcadismo é o principal movimento literário do século XVIII. Seu contexto é marcado, como dissemos anteriormente, pelo Iluminismo e pelo avanço técnico e tecnológico que produziram a industrialização e o consequente êxodo rural. O período é fundamental para compreender o declínio do absolutismo e a ascensão da burguesia.

Os autores árcades dialogam, em suas obras, com questões fundamentais da época, tais como a relação entre o homem e a riqueza (aurea mediocritas é um conceito que discute isso, por exemplo) ou como era viver na cidade (os preceitos fugere urbem e locus amoenus são referentes a esse assunto).    

Diferenças entre Arcadismo e Barroco

O Arcadismo é o movimento literário que ocorre após o Barroco. Enquanto o Barroco representa um homem em conflito entre o sagrado e o profano (é bom lembrar que nessa época, século XVII, a Contrarreforma havia restaurado vários valores medievais no mundo), o Arcadismo apresenta um sujeito fiel à razão, crente na ciência. Além disso, vale dizer que linguagem do Barroco era rebuscada e cheia de paradoxos, enquanto, no Arcadismo, comunica-se com mais clareza e simplicidade.

Acesse também: Conheça o Arcadismo brasileiro com maior profundidade.

Principais autores do Arcadismo no Brasil e em Portugal

O Arcadismo desenvolveu-se tanto no Brasil quanto em Portugal. Os principais autores são:

Veja, a seguir, trechos de poemas árcades:

Camões, grande Camões, quão semelhante

Camões, grande Camões, quão semelhante

Acho teu fado ao meu, quando os cotejo!

Igual causa nos fez, perdendo o Tejo,

Arrostar co'o sacrílego gigante;
 

Como tu, junto ao Ganges sussurrante,

Da penúria cruel no horror me vejo;

Como tu, gostos vãos, que em vão desejo,

Também carpindo estou, saudoso amante.
 

Ludíbrio, como tu, da Sorte dura

Meu fim demando ao Céu, pela certeza

De que só terei paz na sepultura.
 

Modelo meu tu és, mas... oh, tristeza!...

Se te imito nos transes da Ventura,

Não te imito nos dons da Natureza.

Bocage

Nesse poema, percebemos que o sujeito lírico dialoga com o poeta renascentista Luís de Camões. É como se o escritor de Os lusíadas fosse uma espécie de mestre para o eu lírico, demonstrando clara valorização da cultura do classicismo.

Lira I

Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,

Que viva de guardar alheio gado;

De tosco trato, d’expressões grosseiro,

Dos frios gelos, e dos sóis queimado.

Tenho próprio casal, e nele assisto;

Dá-me vinho, legume, fruta, azeite;

Das brancas ovelhinhas tiro o leite,

E mais as finas lãs, de que me visto.

Graças, Marília bela,

Graças à minha Estrela!

 

Eu vi o meu semblante numa fonte,

Dos anos inda não está cortado:

Os pastores, que habitam este monte,

Com tal destreza toco a sanfoninha,

Que inveja até me tem o próprio Alceste:

Ao som dela concerto a voz celeste;

Nem canto letra, que não seja minha,

Graças, Marília bela,

Graças à minha Estrela!

[...]

Marília de Dirceu, de Tomás Antônio Gonzaga

No poema de Tomás Antônio Gonzaga, percebemos vários dos preceitos latinos anteriormente citados. Trata-se de um sujeito lírico vivendo no campo (locus amoenus), cultivando uma vida simples (aurea mediocritas), longe das dinâmicas de vida na cidade (fugere urbem). Além disso, percebemos também a valorização do amor e a idealização da amada, característica árcade que perduraria pelo movimento seguinte, o romantismo.


Por Me. Fernando Marinho

Listagem de Artigos

Lista de Exercícios
Questão 1

(ITA)

Uma das afirmações abaixo é incorreta. Assinale-a:

a) O escritor árcade reaproveita os seres criados pela mitologia greco-romana, deuses e entidades pagãs. Mas esses mesmos deuses convivem com outros seres do mundo cristão.

b) A produção literária do Arcadismo brasileiro constitui-se sobretudo de poesia, que pode ser lírico-amorosa, épica e satírica.

c) O árcade recusa o jogo de palavras e as complicadas construções da linguagem barroca, preferindo a clareza, a ordem lógica na escrita.

d) O poema épico Caramuru, de Santa Rita Durão, tem como assunto o descobrimento da Bahia, levado a efeito por Diogo Álvares Correia, misto de missionários e colonos português.
e) A morte de Moema, índia que se deixa picar por uma serpente, como prova de fidelidade e amor ao índio Cacambo, é trecho mais conhecido da obra O Uruguai, de Basílio da Gama.

Questão 2

Carpe Diem.

Que havemos de esperar, Marília bela? 
que vão passando os florescentes dias? 
As glórias que vêm tarde já vêm frias, 
e pode, enfim, mudar-se a nossa estrela. 
Ah! não, minha Marília, 
aprovei-te o tempo, antes que faça 
o estrago de roubar ao corpo as forças, 
e ao semblante a graça! 

Assinale o movimento literário ao qual ele pertence, bem como o seu autor:

a) Romantismo, de autoria de Gonçalves Dias.

b) Arcadismo, de autoria de Santa Rita Durão.

c) Arcadismo, de autoria de Tomás Antônio Gonzaga.

d) Simbolismo, de Alphonsus de Guimaraens.

e) Romantismo, de autoria de Álvares de Azevedo.

Ver resposta

Assista às nossas videoaulas

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola