Topo
pesquisar

Família patriarcal no Brasil

História do Brasil

O modelo da família patriarcal esteve na base de formação social do Brasil. Muitos aspectos de nossa sociedade podem ser compreendidos a partir dele.
O modelo de família patriarcal foi determinante para a constituição do Brasil Colonial
O modelo de família patriarcal foi determinante para a constituição do Brasil Colonial
PUBLICIDADE

A família, como quaisquer outras instituições humanas, transformou-se ao longo do tempo. E em cada continente do planeta, em cada civilização e cultura específica, a estrutura da organização familiar assumiu formatos que se ajustaram às condições econômicas e sociais ou mesmo influenciou tais condições. Na história da formação da sociedade brasileira, especialmente no período da colonização do Brasil, o modelo de família que se formou foi o modelo patriarcal.

O modelo patriarcal, como o próprio nome indica, caracteriza-se por ter como figura central o patriarca, ou seja, o “pai”, que é simultaneamente chefe do clã (dos parentes com laços de sangue) e administrador de toda a extensão econômica e de toda influência social que a família exerce. A extensão

No Brasil, esse modelo de família começou a formar-se logo no primeiro século da colonização, século XVI, a partir da herança cultural portuguesa, cujas raízes ibéricas estavam, nessa época, fortemente vinculadas com o passado medieval europeu – sem contar a forte influência do modelo de patriarcado muçulmano, de quem os portugueses absorveram muitas características.

As diversas regiões brasileiras, inicialmente divididas em capitanias hereditárias, foram controladas por poucas famílias que se apoderaram dos mecanismos de desenvolvimento econômico dessas regiões. O exemplo mais notório foi o das fazendas de engenho de açúcar no Nordeste brasileiro, especialmente em Pernambuco. Esse modelo atravessou séculos e, até os dias de hoje, pode-se perceber no Brasil traços desse tipo de dominação familiar regional.

O modelo da família patriarcal no Brasil gerou, assim, uma forma específica de organização social, que teve grande implicação em nossa organização política. Trata-se do “patronato político”. Você já deve ter ouvido falar nas aulas sobre República Velha da prática do “apadrinhamento” e do “clientelismo” por parte dos chamados “coronéis” — líderes políticos locais. Pois bem, essas práticas que consistem em “estender os domínios privados”, o âmbito familiar, para a esfera pública, para os domínios da atividade política, têm suas raízes no patriarcalismo. Os autores que melhor estudaram esse fenômeno no contexto da história brasileira foram Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Raymundo Faoro.


Por Me. Cláudio Fernandes

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FERNANDES, Cláudio. "Família patriarcal no Brasil"; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/historiab/familia-patriarcal-no-brasil.htm>. Acesso em 20 de abril de 2018.

Dos primeiros contatos aos engenhos de açúcar
História do Brasil Colonização do Brasil
O pacto colonial estabeleceu uma relação contraditória entre as elites e a Coroa Portuguesa
História do Brasil Contradições da Colonização
Indícios apontam que Portugal conhecia as terras brasileiras antes mesmo do Tratado de Tordesilhas.
História do Brasil Brasil, um segredo português
História do Brasil Povoamento Brasileiro
Escravo submetido a castigo físico
História do Brasil Escravidão no Brasil
O sistema de capitanias hereditárias não conseguiu atingir seus objetivos
História do Brasil Capitanias Hereditárias
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA