Topo
pesquisar

Malcolm X

História da América

Malcolm X foi um dos maiores ativistas pela luta dos afro-americanos por mais direitos civis. Atuou ativamente durante anos na organização conhecida como Nação do Islã.
Malcolm X foi assassinado em 1965 por inimigos pessoais de sua antiga organização, o Nação do Islã*
Malcolm X foi assassinado em 1965 por inimigos pessoais de sua antiga organização, o Nação do Islã*
PUBLICIDADE

Malcolm Little, mais conhecido como Malcolm X, foi um ativista afro-americano que atuou em defesa dos direitos da comunidade afro-americana durante a era americana dos movimentos dos direitos civis (atuou nas décadas de 1950 e 1960). Pertenceu a uma organização afro-americana de orientação religiosa islâmica conhecida como Nação do Islã, pela qual atuou durante vários anos.

Nascimento e juventude

Malcolm X nasceu em Omaha, Nebraska, em 19 de maio de 1925, e seu nome de registro era Malcolm Little. Foi o quarto filho de seis que seu pai, Earl Little, e sua mãe, Louise Little, tiveram ao longo de suas vidas. O pai de Malcolm era um ativista bastante atuante no movimento em defesa dos direitos dos afro-americanos e pertencia à Universal Negro Improvement Association (Associação Universal pelo Progresso dos Negros, em uma tradução livre).

A família de Malcolm sofreu intensamente com a perseguição da Ku Klux Klan em razão da atuação de Earl Little no ativismo. Essa perseguição forçou a família de Malcolm a mudar de cidade duas vezes. Além disso, em 1929, a casa onde Malcolm e sua família morava foi incendiada sem que os bombeiros fizessem nada para impedir o incêndio.

Por fim, Earl Little acabou sendo assassinado por supremacistas brancos em 1931, na cidade de Lansing, no Michigan. A morte de Earl Little deixou a família de Malcolm em uma situação delicada, principalmente porque a seguradora recusou a pagar o seguro de vida de Earl Little para Louise Little, alegando que Earl havia se suicidado.

A mãe de Louise nunca se recuperou do choque da morte de seu marido e foi encaminhada para uma clínica psiquiátrica (local onde permaneceu por 26 anos). Malcolm e seus irmãos foram encaminhados para uma casa de adoção na cidade de Lansing. Malcolm tinha 13 anos quando se mudou para a casa de adoção.

Durante o período em que esteve na casa de adoção, Malcolm destacou-se nos estudos, sendo considerado um ótimo aluno. No entanto, uma experiência na escola desanimou Malcolm dos estudos. Certo dia seu professor afirmou que Malcolm deveria ser realista e escolher a carreira de carpinteiro em vez de almejar ser um advogado.

Crimes e prisão

Em 1941, Malcolm mudou-se de Lansing para Boston, local onde passou a morar com sua irmã, Ella Little-Collins. Em Boston, Malcolm começou a trabalhar como engraxate e, a partir de algumas amizades, conheceu a boemia e passou a consumir bebidas alcoólicas e fazer uso de drogas. Após se mudar para Nova York, Malcolm passou a praticar pequenos furtos até que em um deles foi capturado pela polícia.

Em 1946, foi sentenciado a 10 anos de prisão. Em boa parte desse período esteve preso em uma prisão localizada em Norfolk, Massachusetts. Nesse período, Malcolm passou a receber visitas constantes de seu irmão, Reginald Little. Seu irmão apresentou-lhe o Nação do Islã, uma organização que defendia os direitos afro-americanos e a formação de uma comunidade de negros separada dos brancos. Esse grupo era liderado por Elijah Muhammad.

Em 1953, Malcolm converteu-se ao Islã e aderiu ao grupo Nação do Islã. Pela sua entrada no grupo, seu sobrenome Little foi abandonado e substituído pelo “X”. Malcolm afirmava que isso aconteceu porque seu sobrenome havia sido dado à sua família durante o período da escravidão e, por isso, deveria ser abandonado.

Malcolm X como ativista

Após sair da prisão, Malcolm X passou a atuar ativamente pelo Nação do Islã, sendo nomeado ministro de um templo do grupo no Harlem (bairro de Nova York). Além disso, Malcolm X tornou-se jornalista e passou a escrever constantemente artigos que defendiam a emancipação da sociedade afro-americana, principalmente no jornal que era veiculado pelo Nação do Islã.

A partir de 1959, a figura de Malcolm X ganhou notoriedade em todo os Estados Unidos a partir de um documentário produzido sobre movimentos de nacionalismo negro. A partir daí, as visões de Malcolm X como membro do Nação do Islã tornaram-se conhecidas. Em geral, Malcolm X defendia a resistência dos negros por “qualquer meio necessário”, inclusive a violência em caso de autodefesa.

O discurso de Malcolm X contra os brancos era ácido e gerou incômodo nos Estados Unidos. Os brancos temiam que as declarações de Malcolm X incentivassem revoltas em massa organizadas pelos afro-americanos. O temor concentrava-se, principalmente, porque Malcolm X argumentava que, se fosse necessária, a violência deveria ser utilizada para alcançar melhorias na vida dos negros.

Conhecido como um palestrante com excelente oratória, Malcolm X teve grande responsabilidade no crescimento exponencial que o Nação do Islã sofreu no período. No entanto, a defesa da utilização da violência gerava críticas dentro do próprio movimento, sobretudo daqueles que defendiam a utilização de métodos não violentos, como Martin Luther King Jr.

A partir da década de 1960, Malcolm X entrou em choque com a liderança do Nação do Islã. Os desentendimentos aconteceram por causa de críticas de Malcolm X a ações inapropriadas cometidas por Elijah Mohammad, líder do Nação do Islã, e pela má repercussão de declarações realizadas por Malcolm X após o assassinato do presidente americano John F. Kennedy.

Anos finais de Malcolm X

Os desentendimentos de Malcolm X com a liderança do Nação do Islã fizeram Malcolm abandonar o grupo em 1964. Após isso, Malcolm X fundou sua própria organização religiosa, Muslim Mosque Inc (Associação da Mesquita Muçulmana). Essa organização atraiu muitos dos membros que haviam se filiado ao Nação do Islã.

Ainda em 1964, Malcolm X iniciou uma jornada religiosa na qual peregrinou para a cidade sagrada do Islã, Meca, na Arábia Saudita. Durante essa viagem, Malcolm X adotou um novo nome: El-Hajj Malik El-Shabazz. Além disso, ele viajou pelo continente africano e fundou uma organização pan-africana não religiosa que defendia os direitos humanos para todos os descendentes de africanos.

Após essas viagens, Malcolm X retornou aos Estados Unidos com algumas mudanças na sua ideologia. Passou a defender posturas menos radicais e parou de advogar pelo uso da violência para obtenção dos direitos sociais para os afro-americanos. No entanto, a nova fase de Malcolm X durou pouco tempo.

Durante uma palestra no Harlem, Nova York, no dia 21 de fevereiro de 1965, Malcolm X acabou sendo alvejado por mais de dez tiros. Os assassinos de Malcolm X supostamente eram membros do Nação do Islã, que haviam se tornado seus inimigos após os desentendimentos de Malcolm X com Elijah Mohammad. Encerrava-se a trajetória de um dos maiores nomes da luta dos afro-americanos pelos direitos civis nos EUA.

*Créditos da imagem: Catwalker e Shutterstock

Por Daniel Neves
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Malcolm X"; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/historia-da-america/malcolm-x.htm>. Acesso em 19 de abril de 2018.

Kennedy discursando nas eleições de 1960: uma nova proposta os problemas dos EUA
História da América Era Kennedy
Martin Luther King Jr. foi um símbolo da luta pelos direitos civis dos negros nos EUA
História Geral Martin Luther King
Cartaz da época, com o qual os membros da Ku Klux Klan propagavam sua seita e recrutavam novos integrantes.
História Geral Ku Klux Klan
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA