Topo
pesquisar

Malcolm X

História da América

Malcolm X foi um dos maiores ativistas pela luta dos afro-americanos por mais direitos civis. Atuou ativamente durante anos na organização conhecida como Nação do Islã.
Malcolm X foi assassinado em 1965 por inimigos pessoais de sua antiga organização, o Nação do Islã*
Malcolm X foi assassinado em 1965 por inimigos pessoais de sua antiga organização, o Nação do Islã*
PUBLICIDADE

Malcolm Little, mais conhecido como Malcolm X, foi um ativista afro-americano que atuou em defesa dos direitos da comunidade afro-americana durante a era americana dos movimentos dos direitos civis (atuou nas décadas de 1950 e 1960). Pertenceu a uma organização afro-americana de orientação religiosa islâmica conhecida como Nação do Islã, pela qual atuou durante vários anos.

Nascimento e juventude

Malcolm X nasceu em Omaha, Nebraska, em 19 de maio de 1925, e seu nome de registro era Malcolm Little. Foi o quarto filho de seis que seu pai, Earl Little, e sua mãe, Louise Little, tiveram ao longo de suas vidas. O pai de Malcolm era um ativista bastante atuante no movimento em defesa dos direitos dos afro-americanos e pertencia à Universal Negro Improvement Association (Associação Universal pelo Progresso dos Negros, em uma tradução livre).

A família de Malcolm sofreu intensamente com a perseguição da Ku Klux Klan em razão da atuação de Earl Little no ativismo. Essa perseguição forçou a família de Malcolm a mudar de cidade duas vezes. Além disso, em 1929, a casa onde Malcolm e sua família morava foi incendiada sem que os bombeiros fizessem nada para impedir o incêndio.

Por fim, Earl Little acabou sendo assassinado por supremacistas brancos em 1931, na cidade de Lansing, no Michigan. A morte de Earl Little deixou a família de Malcolm em uma situação delicada, principalmente porque a seguradora recusou a pagar o seguro de vida de Earl Little para Louise Little, alegando que Earl havia se suicidado.

A mãe de Louise nunca se recuperou do choque da morte de seu marido e foi encaminhada para uma clínica psiquiátrica (local onde permaneceu por 26 anos). Malcolm e seus irmãos foram encaminhados para uma casa de adoção na cidade de Lansing. Malcolm tinha 13 anos quando se mudou para a casa de adoção.

Durante o período em que esteve na casa de adoção, Malcolm destacou-se nos estudos, sendo considerado um ótimo aluno. No entanto, uma experiência na escola desanimou Malcolm dos estudos. Certo dia seu professor afirmou que Malcolm deveria ser realista e escolher a carreira de carpinteiro em vez de almejar ser um advogado.

Crimes e prisão

Em 1941, Malcolm mudou-se de Lansing para Boston, local onde passou a morar com sua irmã, Ella Little-Collins. Em Boston, Malcolm começou a trabalhar como engraxate e, a partir de algumas amizades, conheceu a boemia e passou a consumir bebidas alcoólicas e fazer uso de drogas. Após se mudar para Nova York, Malcolm passou a praticar pequenos furtos até que em um deles foi capturado pela polícia.

Em 1946, foi sentenciado a 10 anos de prisão. Em boa parte desse período esteve preso em uma prisão localizada em Norfolk, Massachusetts. Nesse período, Malcolm passou a receber visitas constantes de seu irmão, Reginald Little. Seu irmão apresentou-lhe o Nação do Islã, uma organização que defendia os direitos afro-americanos e a formação de uma comunidade de negros separada dos brancos. Esse grupo era liderado por Elijah Muhammad.

Em 1953, Malcolm converteu-se ao Islã e aderiu ao grupo Nação do Islã. Pela sua entrada no grupo, seu sobrenome Little foi abandonado e substituído pelo “X”. Malcolm afirmava que isso aconteceu porque seu sobrenome havia sido dado à sua família durante o período da escravidão e, por isso, deveria ser abandonado.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Malcolm X como ativista

Após sair da prisão, Malcolm X passou a atuar ativamente pelo Nação do Islã, sendo nomeado ministro de um templo do grupo no Harlem (bairro de Nova York). Além disso, Malcolm X tornou-se jornalista e passou a escrever constantemente artigos que defendiam a emancipação da sociedade afro-americana, principalmente no jornal que era veiculado pelo Nação do Islã.

A partir de 1959, a figura de Malcolm X ganhou notoriedade em todo os Estados Unidos a partir de um documentário produzido sobre movimentos de nacionalismo negro. A partir daí, as visões de Malcolm X como membro do Nação do Islã tornaram-se conhecidas. Em geral, Malcolm X defendia a resistência dos negros por “qualquer meio necessário”, inclusive a violência em caso de autodefesa.

O discurso de Malcolm X contra os brancos era ácido e gerou incômodo nos Estados Unidos. Os brancos temiam que as declarações de Malcolm X incentivassem revoltas em massa organizadas pelos afro-americanos. O temor concentrava-se, principalmente, porque Malcolm X argumentava que, se fosse necessária, a violência deveria ser utilizada para alcançar melhorias na vida dos negros.

Conhecido como um palestrante com excelente oratória, Malcolm X teve grande responsabilidade no crescimento exponencial que o Nação do Islã sofreu no período. No entanto, a defesa da utilização da violência gerava críticas dentro do próprio movimento, sobretudo daqueles que defendiam a utilização de métodos não violentos, como Martin Luther King Jr.

A partir da década de 1960, Malcolm X entrou em choque com a liderança do Nação do Islã. Os desentendimentos aconteceram por causa de críticas de Malcolm X a ações inapropriadas cometidas por Elijah Mohammad, líder do Nação do Islã, e pela má repercussão de declarações realizadas por Malcolm X após o assassinato do presidente americano John F. Kennedy.

Anos finais de Malcolm X

Os desentendimentos de Malcolm X com a liderança do Nação do Islã fizeram Malcolm abandonar o grupo em 1964. Após isso, Malcolm X fundou sua própria organização religiosa, Muslim Mosque Inc (Associação da Mesquita Muçulmana). Essa organização atraiu muitos dos membros que haviam se filiado ao Nação do Islã.

Ainda em 1964, Malcolm X iniciou uma jornada religiosa na qual peregrinou para a cidade sagrada do Islã, Meca, na Arábia Saudita. Durante essa viagem, Malcolm X adotou um novo nome: El-Hajj Malik El-Shabazz. Além disso, ele viajou pelo continente africano e fundou uma organização pan-africana não religiosa que defendia os direitos humanos para todos os descendentes de africanos.

Após essas viagens, Malcolm X retornou aos Estados Unidos com algumas mudanças na sua ideologia. Passou a defender posturas menos radicais e parou de advogar pelo uso da violência para obtenção dos direitos sociais para os afro-americanos. No entanto, a nova fase de Malcolm X durou pouco tempo.

Durante uma palestra no Harlem, Nova York, no dia 21 de fevereiro de 1965, Malcolm X acabou sendo alvejado por mais de dez tiros. Os assassinos de Malcolm X supostamente eram membros do Nação do Islã, que haviam se tornado seus inimigos após os desentendimentos de Malcolm X com Elijah Mohammad. Encerrava-se a trajetória de um dos maiores nomes da luta dos afro-americanos pelos direitos civis nos EUA.

*Créditos da imagem: Catwalker e Shutterstock

Por Daniel Neves
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Malcolm X"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historia-da-america/malcolm-x.htm. Acesso em 15 de julho de 2019.

Membros da Ku Klux Klan reunidos no Tennessee, em 1948.*
História Geral Ku Klux Klan
Kennedy discursando nas eleições de 1960: uma nova proposta os problemas dos EUA
História da América Era Kennedy
Rosa Parks e Martin Luther King Jr., dois ícones da resistência negra contra a discriminação racial nos Estados Unidos.*
Sociologia Racismo
Martin Luther King Jr. foi um símbolo da luta pelos direitos civis dos negros nos EUA
História Geral Martin Luther King
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola