Topo
pesquisar

Eclipse solar e lunar

Física

Eclipses ocorrem quando o movimento de algum astro em frente a uma fonte de luz projeta a sombra do astro sobre outro corpo celeste.
PUBLICIDADE

Eclipse é um fenômeno astronômico marcado pelo escurecimento total ou parcial de um astro em virtude da passagem de algum corpo celeste em frente a uma fonte de luz. Existem duas categorias de eclipse: o eclipse solar e o eclipse lunar.

Tipos de eclipse

Existem duas categorias de eclipses: os eclipses solares e os eclipses lunares.

Tipos de esclipses solares

  • Eclipses solares totais: a Lua cobre totalmente a luz solar, projetando sua sombra sobre a Terra;

  • Eclipses solares parciais: a Lua não fica perfeitamente alinhada com o Sol, cobrindo somente parte de sua luminosidade;

  • Eclipses solares anulares: o tamanho aparente da Lua não é suficiente para cobrir totalmente a luz solar. Esse fenômeno resulta no surgimento de um anel em volta da sombra da Lua.

Tipos de eclipses lunares

Existem os eclipses lunares penumbrais, parciais e totais. Todos esses tipos de eclipse estão relacionados à posição relativa do observador na Terra.

  • Eclipses penumbrais: a superfície da lua fica levemente escurecida ao atravessar a região do cone de penumbra produzido pela Terra;

  • Eclipses lunares parciais: somente parte da sombra da Terra é projetada sobre a Lua;

  • Eclipses totais: toda a superfície lunar é coberta pela sombra da Terra.

Eclipse solar

O eclipse solar ocorre quando a Lua posiciona-se em frente ao Sol de forma que a sua sombra é projetada sobre a superfície da Terra. Durante a ocorrência desse tipo de eclipse, uma pequena região da Terra fica escura por causa da projeção da sombra da Lua. É nessa região, chamada de umbra, que se observa o eclipse solar total.

Nos arredores da umbra, encontra-se a penumbra, onde é possível observar um eclipse solar parcial. A diferença entre umbra e penumbra é a luminosidade da região. Os locais onde se pode observar o eclipse total são mais escuros que as regiões circundantes.

Veja também: Formação da sombra e penumbra

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Observe a figura a seguir, que traz um esquema de como ocorre o eclipse solar. Nela também é possível observar as regiões de umbra e penumbra, onde podemos visualizar o eclipse total e parcial, respectivamente:

Os eclipses solares são graduais, ou seja, a Lua leva certo tempo para poder cobrir o Sol, por isso é comum vermos fotos dos estágios de um eclipse, como a imagem a seguir:

Ao observar as fases da Lua, é possível imaginar que a cada Lua Nova ocorra um eclipse solar, no entanto, isso não acontece porque o plano da órbita lunar é ligeiramente rotacionado (cerca de 5,2º) em relação à órbita da Terra em torno do Sol (chamada de eclíptica). Portanto, os eclipses solares só ocorrem nas posições em que a órbita lunar passa através do plano eclíptico. Observe a figura a seguir:

Na figura acima (fora de escala), podemos ver os planos das órbitas lunar e eclíptica. Quando os dois cruzam-se, podem ocorrer eclipses solares.

Veja também: Por que a Lua não cai na Terra?

Eclipse lunar

O eclipse lunar ocorre quando a sombra da Terra, produzida pelo Sol, é projetada sobre a Lua, cobrindo-a. De forma similar ao eclipse solar, o eclipse lunar só pode ocorrer quando a órbita da lua coincide com a eclíptica. Sem a pequena diferença de 5,2º entre essas duas órbitas, ocorreriam eclipses lunares sempre que houvesse uma Lua Cheia.

Observe a figura abaixo, que apresenta um esquema que mostra a formação de um eclipse lunar:

A figura a seguir mostra uma sequência de fotos tiradas durante um eclipse lunar:


Por Rafael Helerbrock
Mestre em Física

A figura acima mostra um eclipse solar, no qual a lua bloqueia a luz emitida pelo sol.
A figura acima mostra um eclipse solar, no qual a lua bloqueia a luz emitida pelo sol.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

HELERBROCK, Rafael. "Eclipse solar e lunar"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/fisica/eclipse.htm. Acesso em 07 de dezembro de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola