Topo
pesquisar

Tendências atuais da Urbanização no Brasil

Geografia do Brasil

As tendências atuais da urbanização no Brasil envolvem desmetropolização, expansão das cidades médias, redução de sua intensidade, entre outros fatores.
PUBLICIDADE

A Urbanização no Brasil passou por vários processos históricos, mas podemos dizer que a sua expansão mais intensiva ocorreu ao longo do século XX, sobretudo após o processo de industrialização que se iniciou na década de 1930 e consolidou-se após os anos 1950.

Com isso, houve, além de um rápido e acelerado crescimento das cidades, a concentração da maior parte da população em algumas metrópoles, sobretudo nas capitais estaduais, que congregaram em seu entorno um aglomerado de cidades quase sempre conurbadas entre si. Formaram-se então as regiões metropolitanas e a integração territorial delas decorrente. Podemos dizer, então, que a urbanização do Brasil foi acompanhada também de uma intensiva metropolização.

A partir de meados da década de 1960, o Brasil deixou de ser considerado um país rural para transformar-se em um país predominantemente urbano, ou seja, com a maior parte da população vivendo nas cidades. Atualmente, mais de 84% da população brasileira encontra-se nas cidades, ocorrência resultante dos processos ocorridos ao longo do século passado.

 

Mas qual é o estagio atual da urbanização no Brasil?

As tendências atuais da Urbanização no Brasil, embora não sejam alvo de consenso, indicam uma inversão de algumas características anteriormente presentes ou a diminuição da intensidade de outros aspectos. Como reprodução das mudanças econômicas, culturais, sociais e estruturais pelas quais a sociedade brasileira vem passando, as cidades vêm ganhando novas formas e novas composições em seus espaços geográficos.

Um primeiro aspecto atual da urbanização brasileira a ser observado é o processo de desmetropolização e o crescimento das cidades médias. Isso significa que uma certa parte da população, antes residente em metrópoles, está se deslocando em direção às cidades de médio porte, pois elas estão recebendo cada vez maior investimentos e gerando cada vez mais empregos diretos e indiretos.

É importante ressaltar, todavia, que isso não significa que as metrópoles estejam diminuindo, mas apenas crescendo menos, o que nos leva ao segundo aspecto atual da urbanização brasileira: o crescimento menos acelerado das grandes cidades e metrópoles.

Um exemplo emblemático é o da maior cidade do país: São Paulo. A capital paulista vem, nos últimos decênios, apresentando sucessivas quedas em seu ritmo de crescimento demográfico. Na década de 1970, esse crescimento foi de 3,5%, passando para 2,1% nos anos 1980, 1,8% nos anos 1990 e 1,1% nos anos 2000. Isso ocorre porque as migrações inter-regionais diminuíram de intensidade ou, em alguns casos, inverteram-se, haja vista que a própria São Paulo vem registrando saldos migratórios negativos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Os motivos que vêm levando a um decréscimo demográfico das grandes cidades e metrópoles brasileiras também fazem parte das tendências atuais da urbanização brasileira. Atualmente, o custo de vida e o preço dos solos nas metrópoles estão se elevando muito rapidamente, em razão da alta especulação imobiliária e da relativa melhoria nas condições de vida e renda da população urbana. Além disso, o processo de macrocefalia urbana – quando as cidades não suportam a grande carga de habitantes e zonas periféricas formadas –, também contribui para o esgotamento desses lugares. A falta de mobilidade e a elevada poluição são outros fatores que contribuem para a diminuição da atratividade das grandes cidades do país.

Atualmente, observa-se também que no espaço intraurbano dessas grandes aglomerações urbanas algumas transformações ocorreram. Primeiramente, embora o processo de segregação urbana da população mais pobre não tenha acabado, havendo ainda a formação de áreas e bairros periféricos afastados, além das áreas de ocupação irregular e favelas, esse processo vem ocorrendo mais lentamente. Todavia, mesmo assim, trata-se de um problema de difícil controle.

Em segundo lugar, é perceptível a chamada autossegregação, isto é, a procura da população de média e alta renda por condomínios fechados, sendo muitos deles afastados dos grandes centros e bairros considerados nobres.

O crescimento de condomínios fechados de luxo é uma das tendências atuais da urbanização
O crescimento de condomínios fechados de luxo é uma das tendências atuais da urbanização

Em resumo, podemos perceber que, embora alguns problemas anteriormente existentes tenham diminuído ou se apresentado de forma menos intensa, as contradições sociais reproduzidas no meio urbano ainda são latentes. As heranças promovidas pela expansão capitalista e industrial ainda são muito sentidas, haja vista que os problemas sociais e ambientais nos centros urbanos permanecem como desafios para as cidades brasileiras. O maior desses desafios é garantir o direito à cidade para os muitos que dela são socialmente excluídos.

O espaço urbano nas grandes cidades brasileiras ainda é muito desigual *
O espaço urbano nas grandes cidades brasileiras ainda é muito desigual *

___________________________

* Créditos da imagem: nessa_flame / Shutterstock.com


Por Me. Rodolfo Alves Pena

Área urbana de Fortaleza (CE), uma das metrópoles brasileiras
Área urbana de Fortaleza (CE), uma das metrópoles brasileiras

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PENA, Rodolfo F. Alves. "Tendências atuais da Urbanização no Brasil"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/brasil/tendencias-atuais-urbanizacao-no-brasil.htm. Acesso em 12 de dezembro de 2019.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

 “As cidades brasileiras de porte médio, localizadas ao longo de rodovias, ganharam mais habitantes na última década do que as capitais de nove regiões metropolitanas, que anteriormente puxavam o avanço populacional.

A afirmação foi divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a partir do cruzamento dos porcentuais de crescimento da população dos municípios brasileiros de 2000 a 2010 com informações sobre a variação de renda no mesmo período. […]”.

Revista Exame, 15 jul. 2011. Adaptado.

O processo atual de crescimento das cidades médias no Brasil vem acompanhado:

a) da aceleração do êxodo rural

b) da relativa desmetropolização

c) da expansão do modal rodoviário

d) do decréscimo dos loteamentos metropolitanos

e) do recrudescimento da industrialização urbana

Questão 2

 “Dados recentes revelam que, na maioria das grandes metrópoles brasileiras, um maior número de pessoas leva mais tempo em seus deslocamentos cotidianos […]. Na região metropolitana de Belo Horizonte, por exemplo, o percentual de pessoas que levavam mais de uma hora no trajeto casa trabalho passou de 13,5%, em 2001, para 16,5%, em 2008. Em São Paulo, o recorde de congestionamento, que foi batido por duas vezes no mesmo dia em 2009, chegou a 294 km. Para aqueles que utilizam o transporte público, entre todas essas dificuldades, soma-se ainda o alto preço das tarifas, complicador maior no caso de mercados de trabalhos organizados na escala metropolitana e que exigem deslocamentos cada vez mais distantes, baldeações e trocas intermunicipais.

RIBEIRO, L. C. Q., RODRIGUES, J. M. Da crise de mobilidade ao apagão urbano. Observatório das metrópoles. Disponível em: < Observatório das metrópoles>. Acesso em: 17 abr. 2015.

A problemática apontada pelo texto acima se relaciona com o conceito de:

a) expansão das megacidades.

b) periferização e favelização.

c) incremento da mobilidade espacial.

d) macrocefalia urbana.

e) conurbação metropolitana.

Mais Questões
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola