Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Grão de pólen

O grão de pólen é uma estrutura encontrada nas espécies vegetais com sementes e que está relacionada com a reprodução.

Três diferentes formatos de grão de pólen.
O grão de pólen apresenta diferentes formatos e ornamentações que auxiliam na identificação de espécies.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

O grão de pólen é uma estrutura produzida por gimnospermas e angiospermas que está relacionada com a reprodução desses vegetais. Diferentemente do que muitos pensam, o grão de pólen não é o gameta masculino dessas espécies. Nele está o gametófito masculino e este será responsável pela formação dos gametas masculinos dessas plantas.

O surgimento do grão de pólen trata-se de uma importante adaptação para os vegetais, uma vez que agora os gametas não necessitam mais de água para a locomoção. A germinação do grão de pólen garante o transporte desses gametas até a parte feminina da planta.

Leia também: Gineceu — a estrutura que constitui o sistema reprodutor feminino nos vegetais

Tópicos deste artigo

Resumo sobre o grão de pólen

  • O grão de pólen é uma estrutura relacionada com a reprodução de algumas espécies vegetais.

  • Angiospermas e gimnospermas são os únicos grupos vegetais que produzem grão de pólen.

  • Quando o grão de pólen chega até a parte feminina de uma planta, dizemos que houve a polinização.

  • O grão de pólen não é o gameta masculino de gimnospermas e angiospermas.

  • O grão de pólen é um micrósporo, um elemento que contém o gametófito masculino, ou seja, a estrutura capaz de produzir gametas.

  • Algumas pessoas apresentam alergia ao grão de pólen.

O que é o grão de pólen?

O grão de pólen é uma estrutura relacionada com a reprodução de alguns grupos vegetais. Essas estruturas variam muito em tamanho e também em formato a depender da espécie estudada. Em geral, os grãos de pólen possuem uma forma que varia de esférica à de bastonete.

Apesar do que muitos pensam, o grão de pólen não é o gameta masculino, e sua denominação correta é micrósporo, um elemento que contém o gametófito masculino, ou seja, a estrutura capaz de produzir gametas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Estrutura do grão de pólen

O grão de pólen é uma estrutura resistente que apresenta uma parede externa denominada exina e uma parede interna denominada intina. Esta última parede é formada por celulose e pectina. A exina, por sua vez, é constituída pela esporopolenina, um composto que funciona como barreira para vários agentes, garantindo que a radiação, patógenos e a desidratação não afetem sua estrutura. Na exina, também se encontram pequenos furos, pelos quais sai o tubo polínico, que surge quando o grão de pólen germina.

Além de garantir proteção, a exina apresenta uma grande importância para a taxonomia. Como ela pode apresentar ou não ornamentações, esse é um importante critério para a identificação das espécies. Vale destacar ainda que a exina, por ser muito resistente, permitiu que vários grãos de pólen ficassem preservados ao longo do tempo, garantindo que essas estruturas sejam encontradas com frequência no registro fóssil, permitindo, assim, a reconstrução da flora do passado.

Plantas que produzem grão de pólen

O grão de pólen é uma estrutura produzida apenas por plantas com sementes, ou seja, gimnospermas e angiospermas. Em briófitas e pteridófitas o grão de pólen não está presente.

Função do grão de pólen para a planta

O grão de pólen é extremamente resistente e garante grande eficiência reprodutiva. É devido ao seu surgimento que gimnospermas e angiospermas não dependem da água para a reprodução. Essa independência foi conseguida devido ao fato de que o grão de pólen, ao chegar às estruturas reprodutivas femininas, germina, formando o tubo polínico, que conduz os gametas masculinos até o gameta feminino.

Abelha pousa sobre flor e ajuda a espalhar o pólen.
As flores das angiospermas estão relacionadas com a atração de polinizadores.

Quando o grão de pólen chega até a parte feminina de uma planta, dizemos que houve a polinização, a qual pode ser feita por diferentes agentes, como a água, o vento e os animais. Nas angiospermas, muitas espécies desenvolveram características únicas que favorecem a polinização, como cores, odores e produção de néctar para atrair potenciais polinizadores.

Leia também: Flor — uma estrutura presente somente em angiospermas

Formação do grão de pólen

O grão de pólen apresenta local de produção diferente para cada grupo de plantas. Nas gimnospermas, ele é produzido nos chamados estróbilos, também conhecidos como cones. Já nas angiospermas, a produção ocorre nas flores, mais precisamente na parte chamada de antera.

Alergia ao pólen

O grão de pólen é um agente capaz de provocar reações alérgicas ao entrar em contato com a mucosa das pessoas sensibilizadas. Nessas pessoas, o pólen desencadeia uma resposta imunológica, a qual pode provocar sintomas como irritação nos olhos, coceira na garganta, espirros, congestão nasal, entre outros.

Em relação aos grãos de pólen responsáveis por alergias, é importante destacar que nem todas as espécies produzem pólen capaz de desencadear reação imunológica. Dentre as espécies com essa capacidade, destacam-se as gramíneas, como o capim.

A alergia ao pólen, bem como outras alergias, pode ser bastante perigosa. Assim sendo, em casos de alergia, é importante que testes sejam realizados para que o agente desencadeante seja identificado e que situações de exposição a esse alergênico sejam evitadas. No caso dos grãos de pólen, por exemplo, atenção redobrada deve ser dada em época de floração de espécies.

Fontes:

ASBAI. Primavera traz com ela a alergia ao pólen, e a região Sul é a mais atingida. Disponível em: https://asbai.org.br/primavera-traz-com-ela-a-alergia-ao-polen-e-a-regiao-sul-e-a-mais-atingida/#:~:text=Em%20contato%20com%20as%20mucosas,se%20tornam%20vermelhos%20e%20lacrimejantes.

REECE, et al. Biologia de Campbell. 10 edição. Artmed.

EVERT R.F. & EICHHORN S.E. 2014. Raven Biologia Vegetal. 8ª ed. Guanabara Koogan, RJ.

APPEZZATO-DA-GLÓRIA, B. & CARMELLO-GUERREIRO, S.M.. (Eds.) Anatomia vegetal. 3 a ed. Viçosa: Editora UFV, 2012.

SOUZA, V.C., FLORES, T.B., LORENZI. H. 2013. Introdução à Botânica - Morfologia. Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia

Escritor do artigo
Escrito por: Vanessa Sardinha dos Santos Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2008) e mestrado em Biodiversidade Vegetal pela Universidade Federal de Goiás (2013). Atua como professora de Ciências e Biologia da Educação Básica desde 2008.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Grão de pólen"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/grao-polen.htm. Acesso em 29 de maio de 2024.

De estudante para estudante


Lista de exercícios


Exercício 1

O grão de pólen é importante para a reprodução das plantas, uma vez que transporta de maneira eficiente o gameta masculino. O pólen é encontrado em

a) briófitas e pteridófitas.

b) pteridófitas e gimnospermas.

c) briófitas e gimnospermas.

d) gimnospermas e angiospermas.

e) angiospermas e pteridófitas.

Exercício 2

Nas angiospermas, o grão de pólen é produzido

a) no estróbilo.

b) no estigma.

c) no ovário.

d) no filete.

e) na antera.