Topo
pesquisar

O advento do Neopentecostalismo no Brasil

Sociologia

Edir Macedo - Fundador da Igreja Universal do Reino de Deus
Edir Macedo - Fundador da Igreja Universal do Reino de Deus
PUBLICIDADE

Neopentecostalismo é o resultado da transformação e readaptação das igrejas pentecostais que veio à tona no final da década de setenta do século passado, e que hoje se faz presente nas mais diversas áreas do contexto nacional, da mídia ao cenário político. Esta seria, segundo Ricardo Mariano (1999), a vertente pentecostal que mais cresceu nas últimas décadas e despertou a atenção da imprensa, dos meios de comunicação, dos pesquisadores e da própria Igreja Católica, a qual vem perdendo fiéis no Brasil para igrejas evangélicas. Ainda segundo Mariano, quanto a essa nova roupagem do protestantismo no Brasil, podemos afirmar que as Igrejas Neopentecostais realizaram as mais profundas acomodações à sociedade (se pensarmos em termos de mutações do protestantismo através dos tempos), abandonando vários traços sectários, hábitos ascéticos e o velho estereótipo pelo qual os “crentes” eram reconhecidos e, implacavelmente, estigmatizados, abolindo certas marcas distintivas e tradicionais de sua religião, propondo novos ritos, crenças e práticas, dando ares mais brandos aos costumes e comportamentos como em relação às vestimentas. O prefixo “neo” é utilizado para marcar sua recente formação, bem como seu caráter de “novidade” dentro do protestantismo, mais especificamente do pentecostalismo.

No entanto, é válido afirmar que tal classificação tem abrangência diversa para vários pesquisadores do tema, que atribuem o termo “neopentecostal” a tantas outras denominações e igrejas que aqui seriam diferentemente classificadas pelos critérios apresentados. Por ora, podemos afirmar que tal classificação já tem seu reconhecimento no meio acadêmico. O fenômeno das igrejas neopentecostais se dá, como já afirmamos, no final da década de setenta, momento em que membros de denominações consideradas pentecostais se desvinculam para formar suas próprias Igrejas. Foi o caso do Bispo Edir Macedo e do Missionário R.R.Soares, os quais fundaram a Igreja Universal do Reino de Deus, vindo este último, após uma dissidência, a ser fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus. Mais tarde, outras denominações se fariam conhecer, como, em 1984, a Igreja Renascer em Cristo.

Com uma ascese totalmente reformulada quando comparada às instituições de maior tradição do protestantismo brasileiro, tais denominações neopentecostais vão aumentando consideravelmente o número de fiéis, que se mostram contrários ao tipo de sectarismo exacerbado (de práticas religiosas bastante rígidas como, por exemplo, em relação à vestimenta) proposto pelo pentecostalismo mais clássico. Este segmento seria responsável pelas principais transformações teológicas, axiológicas, estéticas e comportamentais, pelas quais o movimento pentecostal passou.

Estas Igrejas, nas palavras de Ricardo Mariano, atestam a dessectarização, a ruptura, com o ascetismo contracultural e a progressiva acomodação destes religiosos e suas denominações à sociedade e à cultura de consumo. Essa capacidade de maleabilidade do Neopentecostalismo, quanto às mudanças da sociedade, torna-se latente ao nos depararmos com a forma com que usam os meios de comunicação para a evangelização nos quatro cantos do mundo. Inserem-se de forma peculiar, na linguagem das mídias – tv, rádio, gravadora, jornal, internet, arregimentando um número cada vez maior de fiéis, opção esta utilizada por outras vertentes cristãs como a própria Igreja Católica.

As igrejas neopentecostais guardam algumas características do pentecostalismo clássico, como por exemplo, no que concerne a aversão ao ecumenismo, a presença de líderes fortes e carismáticos, o uso dos meios de comunicação de massa, a participação na política partidária e a pregação da cura divina.

Para pensarmos na genealogia do Neopentecostalismo no Brasil, é fundamental pensarmos não somente nas características herdadas das igrejas que precedem tal movimento, mas sim levarmos em consideração a influência das Igrejas e movimentos (com características neopentecostais) norte-americanos. Uma gama considerável de líderes, teólogos e personalidades do meio protestante norte-americano, através de suas obras literárias, influenciou em muito o pensamento neopentecostal no Brasil, trazendo à tona conceitos como a Teologia da Prosperidade, a Confissão Positiva e a guerra espiritual. Os rumos que tomou a vertente Neopentecostal permitiram que as diferenças com o discurso conservador das pentecostais clássicas ganhassem vulto. Nesse ambiente de expansionismo, os Neopentecostais não estão presentes somente nos meios de comunicação pregando e formando a opinião dos fiéis, mas chegam também a outros níveis do arranjo social contemporâneo, como na esfera da política nacional. Não se trata de mérito de tal vertente pentecostal, uma vez que outras denominações mais tradicionais possuem membros nos mais diferentes escalões. No entanto, o que nos chama a atenção é que, se outrora havia ainda um passo tímido no sentido da participação política, ou até mesmo um comodismo por parte dos adeptos ao pentecostalismo clássico, hoje, com a explosão do Neopentecostalismo, este quadro mudou. Candidatos são lançados e apoiados por grande parte das comunidades evangélicas. Nas palavras de Mariano, a velha máxima “crente não se mete em política” deu lugar ao slogan “irmão vota em irmão”. Contudo, vale a observação que, isso não significa uma adesão ou engajamento político generalizado entre os fiéis.

Assim, o Neopentecostalismo traz outra alternativa de protestantismo não apenas para o Brasil mas para o mundo, na qual os estereótipos parecem não mais valer para rotular o protestante, uma vez que esta mesma proposta vai se adaptar à sociedade, ao arranjo social proposto pela modernidade.


Paulo Silvino Ribeiro
Colaborador Brasil Escola
Bacharel em Ciências Sociais pela UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas
Mestre em Sociologia pela UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
Doutorando em Sociologia pela UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

 

Sociologia - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

RIBEIRO, Paulo Silvino. "O advento do Neopentecostalismo no Brasil"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/o-advento-neopentecostalismo-no-brasil.htm>. Acesso em 21 de outubro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA