Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Ultranacionalismo

O ultranacionalismo é a manifestação radicalizada do nacionalismo. Defende de maneira extrema os valores e a cultura de um povo, nutrindo forte xenofobia.

Membros de um movimento político ultranacionalista em marcha na Bulgária.[1]
Membros de um movimento político ultranacionalista em marcha na Bulgária.[1]
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

O ultranacionalismo é entendido como a manifestação extrema do nacionalismo, promovendo uma exaltação radicalizada e violenta dos valores e cultura de uma nação. O ultranacionalismo entende que a cultura de seu próprio povo é superior a todas as outras, enxergando estas como inferiores.

O ultranacionalismo, portanto, tem um viés supremacista e profundamente xenofóbico, uma vez que despreza outras culturas. Os movimentos ultranacionalistas abrem caminho para o discurso de ódio, a perseguição a grupos marginalizados e o genocídio, e na história essa ideologia ficou muito associada com o nazismo e o fascismo, embora tenha se manifestado em diferentes grupos políticos.

Confira no nosso podcast: O que é genocídio?

Tópicos deste artigo

Resumo sobre ultranacionalismo

  • O ultranacionalismo é a manifestação radicalizada do nacionalismo.

  • Defende a ideia de superioridade de determinado povo e tem forte tendência xenofóbica.

  • Dialoga com o supremacismo, pois se baseia na ideia da superioridade cultural ou étnica.

  • Ao longo da história, associou-se diretamente com o fascismo e o nazismo.

  • No Brasil, movimentos políticos representantes do ultranacionalismo são o integralismo e o bolsonarismo.

O que é ultranacionalismo?

O ultranacionalismo é a manifestação radicalizada e violenta do nacionalismo. Nesse sentido, é um movimento que defende violentamente os interesses e a cultura de determinado povo, no sentido de formar ou assegurar um território entendido como sua nação. Assim, o ultranacionalismo é uma ideologia que dialoga diretamente com a xenofobia.

Isso porque, enquanto ideologia, o ultranacionalismo estabelece a defesa dos seus interesses nacionais sob um viés supremacista e que vê povos estrangeiros como “inferiores”. Isso motiva um discurso xenofóbico contra grupos estrangeiros e, muitas vezes, conduz a ações violentas contra eles.

O ultranacionalismo, por si, não forma um partido político, mas a defesa radicalizada dos interesses nacionais é característica de movimentos políticos extremistas, principalmente da extrema-direita. O ultranacionalismo também se vincula com grupos políticos autoritários que usam a plataforma ultranacionalista pra conquistar apoiadores.

Como mencionado, o ultranacionalismo é uma ideologia diretamente ligada à ideia de superioridade de determinada raça e, ao longo da história, motivou iniciativas de limpeza étnica, isto é, genocídios.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características do ultranacionalismo

O ultranacionalismo promove uma defesa radicalizada e, muitas vezes, violenta dos interesses nacionais, no sentido de garantir a soberania de um povo. A defesa dessa soberania se dá no sentido de formar um território para a raça considerada “superior”, seja defendendo as fronteiras atuais, seja defendendo a expansão delas com base em uma “posse histórica” daquele território.

Além disso, os ultranacionalistas procuram se estabelecer no poder e atacar todos que não concordam com os seus princípios. Uma das acusações que podem usar é que seus opositores atuam contra os interesses do próprio país. A construção da nacionalidade realizada pelos ultranacionalistas, muitas vezes, faz uso da mitificação da história, isto é, a criação de mitos históricos com o objetivo de dar um sentido ou uma ideia de continuidade histórica para o que defendem.

 Sendo assim, o ultranacionalismo pode manifestar-se por meio de questões étnicas, culturais, geográficas, linguísticas, religiosas, todas usadas no sentido de formar a ideia de uma nação, dando um senso de unidade para a população. 

Ultranacionalismo no Brasil

O ultranacionalismo, embora muito associado a movimentos e ideologias políticas da América do Norte e da Europa, também se manifestou no Brasil ao longo da história. Como o ultranacionalismo é um fenômeno ligado ao nacionalismo, o seu surgimento teve origem no século XIX, mas ganhou força no século XX.

Nesse sentido, os primeiros movimentos ultranacionalistas do Brasil surgiram no século XX. Os principais foram:

  • Integralismo

Manifestação do fascismo no Brasil que tinha como líder o jornalista Plínio Salgado. Os integralistas defendiam o ultranacionalismo, além de serem anticomunistas, defensores de uma visão de mundo conservadora e moralista. Os integralistas eram antiliberais, portanto, se opunham aos valores da democracia liberal, nutriam ideais antissemitas e defendiam o estabelecimento de um governo com uma liderança forte, aos moldes da exercida por Benito Mussolini. Caso queira saber mais sobre o integralismo, leia nosso texto.

  • Prona

O integralismo foi um fenômeno da década de 1930 e 1940, perdendo força com a derrota do nazifascismo na Segunda Guerra Mundial. Décadas depois, defensores dos ideais integralistas ressurgiram sob um movimento entendido como neointegralismo e procuraram se inserir na política brasileira.

Para isso, muitos dos neointegralistas se filiaram ao Partido de Reedificação da Ordem Nacional, conhecido pela sigla de Prona e fundado em 1989. Liderado por Enéas Carneiro, o Prona se tornou uma sigla defensora de posições políticas ultraconservadoras, opondo-se ao casamento homoafetivo e ao aborto. Além disso, tinha posições ultranacionalistas, opondo-se à participação do Brasil em organismos internacionais.

  • Bolsonarismo

O bolsonarismo é um fenômeno político brasileiro que ganhou força na década de 2010, portanto, no século XXI. Os bolsonaristas também defendem uma plataforma política ultraconservadora, opondo-se ao casamento homoafetivo, à política de cotas, assumindo um discurso moralista que anuncia estar “em defesa da família” etc.

O movimento bolsonarista também tem posições ultranacionalistas e se utiliza dos símbolos nacionais como meio de promover o seu discurso. Os bolsonaristas ficaram conhecidos por utilizar os símbolos nacionais supostamente em defesa do Brasil. No entanto, essa ação é entendida como uma iniciativa para criar um discurso que impõe seus próprios interesses como se fossem de todos os brasileiros.

Sendo assim, todos os que questionam a legitimidade dos ideais bolsonaristas são acusados por eles de estarem atuando contra os interesses do Brasil. Os participantes desse movimento são conhecidos por usar a Bandeira Nacional e as cores verde e amarela como símbolos políticos.

Partidos e movimentos ultranacionalistas no mundo

O ultranacionalismo também pode ser encontrado em movimentos políticos espalhados pelo mundo, e alguns deles são bem conhecidos internacionalmente. Alguns políticos de grande relevância no cenário político internacional — como Donald Trump, Viktor Orbán, Benjamin Netanyahu e Narendra Modi — são considerados ultranacionalistas por observadores políticos.

Em geral, grupos ultranacionalistas em diversas partes do mundo são:

  • Hungria: Fidesz

  • Itália: Lega e Fratelli d’Italia

  • Estados Unidos: Partido Republicano

  • Polônia: Lei e Justiça (Prawo i Sprawiedliwosc)

  • Portugal: Chega

  • Grécia: Aurora Dourada

  • Espanha: Vox

Leia mais: Antifascismo — forma de ação adotada por indivíduos e movimentos que se colocam na luta contra o fascismo e a extrema-direita

Ultranacionalismo no mundo

Ao longo da história, uma série de movimentos ultranacionalistas surgiram, com destaque para o nazismo, na Alemanha, e o fascismo, na Itália. Como apontado, o ultranacionalismo surgiu como uma manifestação radicalizada do nacionalismo, e este, por sua vez, surgiu em meados do século XIX como uma manifestação dos povos pela sua autodeterminação.

Levando em consideração o exemplo nazista, o ultranacionalismo se manifestou por meio da defesa da soberania do povo germânico, chamado na ideologia nazista de “arianos”. A ideia de que os germânicos formavam um povo superior fez com que os nazistas enxergassem uma série de povos como inferiores, entre os quais estavam os eslavos, os ciganos e, principalmente, os judeus.

Isso fez com que os nazistas alimentassem a ideia de expansão do território germânico, além da perseguição a grupos entendidos como inferiores. O resultado disso foi o Holocausto, o genocídio promovido pelos nazistas que resultou na morte de cerca de seis milhões de judeus.

Os nazistas, no entanto, não foram o único movimento ultranacionalista ao longo da história. Outros também assumiram essas posições, como:

  • Espanha: franquismo

  • Portugal: salazarismo

  • Itália: fascismo

  • Reino Unido: União Britânica de Fascistas

  • Croácia: Ustasha

  • Camboja: Khmer Vermelho

  • China: PCCh, sob o governo de Mao Tsé-Tung

  • União Soviética: stalinismo

Créditos da imagem

[1]Belish e Shutterstock

Fontes

BBC. Quem são os integralistas? Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-58205709

BHAZ. Verde e amarelo: como Bolsonaro sequestrou a bandeira de dividiu a nação. Disponível em: https://bhaz.com.br/noticias/brasil/verde-e-amarelo-como-bolsonaro-sequestrou-bandeira-brasil-dividiu-nacao/

DIÁRIO DE NOTÍCIAS. Ultranacionalismo, a ideologia de ditadores e aspirantes. Disponivel em: https://www.dn.pt/opiniao/ultranacionalismo-a-ideologia-de-ditadores-e-aspirantes-15162542.html]

HOBSBAWM, Eric. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

JAGUARIBE, Hélio. O nacionalismo na atualidade brasileira. Brasília: FUNAG, 2013.

OPEN EDITION JOURNALS. Neointegralismo: do debate historiográfico a uma possível definição. Disponível em: https://journals.openedition.org/orda/5853

VEJA. Ultranacionalismo move países como Itália e Rússia a atacar língua inglesa. Disponível em: https://veja.abril.com.br/comportamento/ultranacionalismo-move-paises-como-italia-e-russia-a-atacar-lingua-inglesa 

Escritor do artigo
Escrito por: Daniel Neves Silva Formado em História pela Universidade Estadual de Goiás (UEG) e especialista em História e Narrativas Audiovisuais pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atua como professor de História desde 2010.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Ultranacionalismo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/politica/ultranacionalismo.htm. Acesso em 17 de abril de 2024.

De estudante para estudante