Topo
pesquisar

Uso de celulares faz mal à saúde?

Física

As ondas de rádio emitidas pelos aparelhos celulares são capazes de aquecer o corpo humano por meio do processo de aquecimento dielétrico. Será que isso faz mal à saúde?
Os níveis de radiação emitidos pelo celular tem efeitos desconhecidos a longo prazo
Os níveis de radiação emitidos pelo celular tem efeitos desconhecidos a longo prazo
PUBLICIDADE

O uso dos celulares pode fazer mal à saúde? Não, já que a radiação dos celulares é emitida em níveis seguros. Apesar disso, não conhecemos os efeitos da exposição à radiação emitida por esses aparelhos ao longo dos anos.

Os celulares consolidaram-se na nossa sociedade como algo muito além de um meio de comunicação, pois eles são usados para a realização das mais diversas atividades e passamos uma boa parte dos nossos dias perto deles. O sinal eletromagnético recebido e emitido por esses aparelhos é composto de ondas de rádio, parecidas com o sinal emitido pelas emissoras de rádio e televisão. Essa é a radiação menos energética de todo o espectro eletromagnético, sendo também considerada como uma radiação não ionizante, ou seja, ela não é capaz de produzir danos em níveis celulares.

Leia também: Ficar muito tempo sentado faz mal?
 

Efeitos das ondas de rádio sobre o corpo humano

O principal efeito da interação desse tipo de radiação com a matéria é o aumento da temperatura por meio de um processo chamado de aquecimento dielétrico, assim como fazem as micro-ondas, sendo essa última um tipo de radiação eletromagnética de frequência um pouco mais elevada e que, portanto, é capaz de transportar mais energia.

As frequências das ondas de rádio utilizadas pelos aparelhos celulares modernos estendem-se entre 450 e 2000 MHz (Mega Hertz – 106 Hz), que podem variar de acordo com as características da rede local de cada país. As frequências de operação mais comuns para a telefonia móvel encontram-se na faixa de 800 a 900 MHz.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

SAR: A taxa de absorção específica

A popularização da telefonia móvel ganhou força por volta de 1990, um tempo relativamente pequeno para identificar os possíveis efeitos de exposição a longo prazo às ondas de rádio. Por isso, existem normas de segurança a serem seguidas durante a construção de dispositivos receptores e emissores de ondas de rádio. O nível SAR (taxa de absorção específica) mede quanta radiação é absorvida quando um celular colocado junto à orelha origina uma chamada, emanando sua potência máxima. O SAR dos aparelhos celulares não pode ser superior a 4 W/kg (Watts por quilograma), já que, durante um intervalo de 30 minutos, radiações dessa intensidade são capazes de elevar a temperatura média do corpo humano em mais de 1ºC e afetar a sua capacidade de termorregulação, podendo causar efeitos irreversíveis à saúde.

Por essa razão, os celulares modernos contam com níveis SAR bem abaixo do limite. Alguns dos modelos mais recentes saem da fábrica com níveis SAR entre 0,6 W/kg e 1,55 W/kg.

Leia também: Faz mal dormir de barriga cheia?
 

Como podemos nos proteger da radiação emitida pelos celulares?

Uma das formas de se proteger das ondas de rádio é evitar o uso prolongado do celular, alternar entre o viva-voz e o próprio fone do aparelho quando possível e optar por aparelhos com certificação e que tenham baixos níveis de emissão SAR.

Por Rafael Helerbrock
Graduado em Física

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

HELERBROCK, Rafael. "Uso de celulares faz mal à saúde?"; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/fisica/uso-celulares-faz-mal-saude.htm>. Acesso em 17 de julho de 2018.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA