close
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Paradoxo dos gêmeos

O paradoxo dos gêmeos é uma proposta de experimento mental feita pelo físico Paul Langevin como tentativa de refutação à Teoria da Relatividade de Einstein.

O paradoxo dos gêmeos baseia-se em uma das consequências da Teoria da Relatividade: a dilatação temporal.
O paradoxo dos gêmeos baseia-se em uma das consequências da Teoria da Relatividade: a dilatação temporal.
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

O paradoxo dos gêmeos foi um experimento mental proposto pelo físico Paul Langevin (1872-1946) em resposta à Teoria da Relatividade, de Albert Einstein. Nesse paradoxo, dois gêmeos eram separados: um ficava na Terra, e o outro era mandado em uma viagem de longa duração a bordo de uma nave que se movia com velocidades próximas à velocidade da luz. No retorno, o irmão que permaneceu na Terra havia envelhecido alguns anos a mais que o irmão em viagem. Isso teria acontecido em razão do fenômeno da dilatação temporal.

Veja também: Teoria da Relatividade Geral

Tópicos deste artigo

O que é um paradoxo?

Paradoxos são declarações aparentemente bem fundamentadas que, apesar de parecerem corretas à primeira vista, levam-nos a algum tipo de contradição. Existem diversos paradoxos na Física e, na maioria dos casos, trata-se de propostas de experimentos mentais pouco cuidadosos, que não levaram em conta algumas importantes variáveis para a análise de um problema ou situação.

Paradoxo dos gêmeos e Teoria da Relatividade

A Teoria da Relatividade Restrita foi desenvolvida no início do século XX pelo físico alemão Albert Einstein (1879-1955). Uma de suas conclusões é que o tempo não é absoluto, mas sim que ele se passa de maneira diferente para observadores que se movem com velocidades próximas à velocidade da luz, cerca de 300.000 km/s.

Uma das importantes consequências da Teoria da Relatividade Restrita é um efeito chamado de dilatação temporal. Referenciais inerciais, isto é, não acelerados, que se deslocam com velocidades próximas à da luz experimentarão a passagem de tempo de forma mais lenta em relação aos observadores que estão em baixas velocidades.

Como resposta a essa estranha previsão da Teoria da Relatividade de Einstein, Paul Langevin sugeriu um experimento mental que ficou conhecido como “paradoxo dos gêmeos”. De acordo com a teoria de Einstein, a velocidade em que um corpo move-se afeta a sua percepção de tempo segundo a equação da dilatação temporal.

Dilatação Temporal

Δt – intervalo de tempo medido pelo observador em repouso
Δt0 intervalo de tempo medido pelo observador em movimento
v – velocidade do observador em movimento
c – velocidade da luz

Veja também: Albert Einstein e o Ceará

Para velocidades muito baixas, o efeito da dilatação temporal é insignificante, mas quando o observador move-se em velocidades comparáveis à velocidade da luz, o seu relógio mede o tempo de forma mais lenta. Confira a tabela a seguir:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Tabela: Velocidade do observador vs. Tempo na Terra

Observe que, para um observador que se move a 0,9 c (270.000 km/s), o tempo de 1 h na Terra seria próximo de 26 minutos. À primeira vista, faz sentido pensarmos que o paradoxo dos gêmeos tem razão, uma vez que uma viagem de 40 anos para um astronauta que se move a 0,9 c teria durado para ele cerca de 17 anos. Esse paradoxo levou muitas pessoas a pensarem sobre a relatividade, e algumas conclusões foram tiradas logo depois:

  • A proposta do paradoxo não é válida, pois a Teoria da Relatividade só se aplica para referenciais inerciais, ou seja, que se movem com velocidade constante. Nesse caso, como o gêmeo astronauta poderia sair do repouso para atingir velocidades próximas à da luz sem aceleração?

  • O corpo humano não é capaz de suportar acelerações muito altas. Há um limite de aceleração suportável (cerca de 50 m/s²), e esse limite tornaria o processo de aceleração e de desaceleração da nave espacial muito longo para o tempo de vida humano.

  • O princípio de equivalência indica que, se o gêmeo viajante estivesse movendo-se com uma velocidade constante, qualquer um dos gêmeos poderia alegar que era o outro gêmeo que se movia em relação a ele, não podendo haver assim uma diferenciação entre o gêmeo que ficou na Terra e o que partiu em viagem.

Portanto, apesar de parecer bastante convincente, o paradoxo dos gêmeos tem suas limitações. Mesmo assim, a dilatação temporal, prevista pela relatividade restrita, já foi constatada em diversos experimentos científicos envolvendo relógios atômicos e até mesmo partículas subatômicas.

Conclusão sobre o paradoxo dos gêmeos

Apesar de fazer sentido em uma análise precipitada, o paradoxo dos gêmeos não pode ser levado em conta em razão das imposições feitas pela própria Teoria da Relatividade quanto à necessidade dos referenciais moverem-se com velocidade constante.

Veja também: O que aconteceria se alguém corresse tão rápido quanto o Flash?

Exercícios resolvidos sobre o paradoxo dos gêmeos

Para um astronauta que viaja em uma nave que se move a 0,8 c, passam-se 12 anos. Nesse caso, o tempo observado na estação espacial que se encontra na Terra é de quantos anos?

Resolução

Para calcularmos o tempo que se passa na Terra, devemos utilizar a equação da dilatação temporal:

Dilatação temporal

No lugar de Δt0, usaremos o tempo de 12 anos, que é o tempo medido pelo astronauta, para encontrarmos o tempo medido na Terra (Δt):

Paradoxo dos gêmeos – cálculo


Por Me. Rafael Helerbrock

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

HELERBROCK, Rafael. "Paradoxo dos gêmeos"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/fisica/paradoxo-dos-gemeos.htm. Acesso em 28 de maio de 2022.

De estudante para estudante


Como uma partícula pode ser mais rápida que a luz na água mas não no vácuo?

Por Coisas Aleatórias
Responder
Ver respostas

1)Transformando a temperatura de 30 ºC para a escala Fahrenheit e, em seguida, convertendo-a para escala Kelvin,
quais as temperaturas registradas nas respectivas escalas?

Por Vitor Lampert
Responder
Ver respostas

Videoaulas


Estude agora


Sujeito

Nesta videoaula estudaremos, de forma geral, um dos termos essenciais da oração: o sujeito — o ser a quem o verbo...

Predicado

Predicado é o termo da oração que contém verbo e que, assim, indica algo sobre o sujeito. Nesta videoaula,...