Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Para-raios

O para-raios é uma haste que fica no topo de algumas estruturas e serve para protegê-las dos raios. Ele direciona as descargas elétricas para a terra, minimizando seus danos.

Para-raios em um telhado.
Os para-raios são instalados no topo de residências e edifícios.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

O para-raios é um equipamento de segurança que fornece um caminho adequado para uma descarga elétrica. Ele funciona devido ao princípio do poder das pontas, em que as cargas elétricas se acumulam em nas pontas, atraindo os raios para que assim sejam conduzidos até o solo.

Leia também: Como se forma uma tempestade?

Tópicos deste artigo

Resumo sobre para-raios

  • Os para-raios são dispositivos fabricados para conduzir o raio do topo das edificações até o solo.
  • Funcionam pelo poder das pontas.
  • Os tipos de para-raios são: o para-raios de Franklin, o para-raios de Melsens e o para-raios radioativo.
  • Os para-raios fazem parte do sistema de proteção contra descargas atmosféricas.
  • A altura mínima para colocar um para-raios depende da análise e cálculo do nível de proteção da estrutura.
  • Caso os para-raios sejam mal fabricados ou mal instalados, os edifícios perdem a sua proteção contra os raios.
  • Benjamin Franklin é considerado o criador dos para-raios.

O que é e para que serve um para-raios?

Os para-raios são uma ou várias hastes metálicas e pontiagudas instaladas em residências, edifícios e outras estruturas com a função de direcionar as descargas elétricas, que atingem suas estruturas, para a terra, minimizando os danos provocados pelos raios.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Como funciona um para-raios?

O princípio de funcionamento dos para-raios é o princípio do poder das pontas, que diz que em condutores metálicos e pontiagudos as cargas elétricas ficam concentradas em suas pontas. Quando o raio se aproxima de alguma estrutura, ele acaba sendo atraído pelo corpo que apresenta mais cargas elétricas, que são as pontas dos para-raios, para que ele o atinja e seja orientado por fios condutores, localizados na fachada, até uma placa metálica aterrada ao solo, para assim ser dissipado.

Para-raios sendo atingido por um raio.
Os para-raios guiam os raios até o solo.

Caso o para-raios fosse um condutor metálico esférico, as suas cargas elétricas ficariam distribuídas igualmente ao seu redor, e a possibilidade de atrair o raio seria mínima, aumentando as chances de ele atingir a estrutura, ou as pessoas dentro dela, ou ao seu redor.

Veja também: Qual é a diferença entre materiais condutores e isolantes?

Quais são os tipos de para-raios?

Os tipos de para-raios são os para-raios de Franklin, de Melsens e os radioativos.

  • Para-raios de Franklin: é o para-raios formado por uma ou mais hastes metálicas e pontiagudas no topo e um fio capaz de conduzir eletricidade da parte superior até a terra. Ele é o mais empregado devido à sua enorme eficiência em direcionar as descargas elétricas para a terra.
  • Para-raios de Melsens: também chamado de gaiola de Faraday, é o para-raios formado por uma haste metálica e pontiaguda no topo e um sistema de fios condutores metálicos que recobrem toda a estrutura, conduzindo a eletricidade da antena até a terra. Ele é empregado em construções industriais ou de grande porte.
  • Para-raios radioativo: foi o para-raios formado por um ou mais discos metálicos que envolviam uma haste metálica e pontiaguda e o radioisótopo Amerício-241, emissor das radiações gama e alfa. Ele foi empregado nas décadas de 70 e 80 no Brasil, mas atualmente é proibido devido à ausência de comprovação científica de seu funcionamento.

Sistemas de Proteção contra Descarga Atmosférica (SPDA)

De acordo com a norma NBR 5419 de 2015, o Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas é um “sistema completo destinado a proteger uma estrutura contra os efeitos das descargas atmosféricas; é composto de um sistema externo e de um sistema interno de proteção”. Geralmente, ele é composto por um para-raios, fios de cobre instalados em toda a fachada e placa metálica enterrada na Terra.

Qual é a altura mínima para colocar um para-raios?

De acordo com a NBR 5419, a altura mínima para instalação dos para-raios depende de algumas características das estruturas, como:

  • Risco de exposição aos raios: estruturas que têm risco de explosão necessitam do nível mais alto de proteção contra os raios.
  • Tipo de ocupação da estrutura: se são casas, fábricas, oficinas, laboratórios ou outros.
  • Natureza da construção: se é de aço revestido, concreto armado, alvenaria, madeira ou outros materiais.
  • Valor de seu conteúdo, ou os efeitos indiretos dos raios: se são residências comuns, edifícios de escritórios, usinas de gás, centrais telefônicas, estações de rádio, monumentos antigos ou prédios históricos, escolas, hospitais, etc.
  • Localização da estrutura: se estão em métropoles, florestas ou outros lugares.
  • Altura da estrutura: se são planícies, elevações moderadas, colinas, montanhas entre 300 m e 900 m ou montanhas acima de 900 m.

Depois da análise dessas características e dos cálculos necessários, determina-se o nível de proteção da estrutura, que varia de I a IV, sendo fornecida a altura mínima para colocar os captadores, que são as pontas dos para-raios:

  • Nível de proteção I: 20 metros de altura.
  • Nível de proteção II: 30 metros de altura.
  • Nível de proteção III: 45 metros de altura.
  • Nível de proteção IV: 60 metros de altura.

Riscos dos para-raios

Quando os para-raios são mal fabricados ou mal instalados, eles não são capazes de desempenhar a sua função corretamente. Em razão disso, os edifícios, residências e construções acabam ficando desprotegidos contra possíveis raios.

Saiba mais: Choques elétricos — como acontecem e que tipos de danos eles podem causar

História do para-raios

A história do para-raios se inicia com o polímata Benjamin Franklin (1706-1790), o criador do para-raios e considerado por muitos o pai da eletricidade. As histórias contam que em 15 de junho de 1752, durante uma tempestade, Franklin empinou uma pipa de papel conectada a um fio metálico, que por sua vez estava ligado a uma chave de metal, conectada a um fio de seda. E visualizou as cargas elétricas dos raios passando pelo equipamento, comprovando que o raio é um fenômeno elétrico gerado por correntes elétricas na atmosfera.

Além disso, Franklin também foi capaz de provar que hastes de ferro, conectadas à terra, localizadas acima ou ao redor das estruturas, são capazes de conduzir as descargas elétricas atmosféricas até o solo, evitando danos a elas. Em 1753, um padre ouviu a respeito da ideia de Franklin e fabricou o primeiro para-raios na Europa. Em 1769, foi instalado o primeiro para-raios em Hamburgo, na Alemanha.

Curiosidades sobre o para-raios

Existem diversas curiosidades a respeito dos para-raios, abaixo selecionamos algumas:

  • Só o para-raios não é capaz de proteger as estruturas contra os raios.
  • Existe uma norma brasileira, a NBR 5419, que define tudo a respeito da instalação dos para-raios.
  • Diferente do que a maioria das pessoas pensam, o para-raios não têm como objetivo atrair o raio, servindo apenas de caminho para ele.
  • Os para-raios precisam ser instalados na parte superior da estrutura que ele precisa proteger.

Fontes

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT NBR 5419: proteção de estruturas contra descargas atmosféricas. Rio de Janeiro: ABNT, 2005.

NUSSENZVEIG, Herch Moysés. Curso de física básica: Eletromagnetismo (vol. 3). Editora Blucher, 2015.

SAMPAIO, José Luiz; CALÇADA, Caio Sérgio. Universo da Física: Ondulatória. Eletromagnetismo, Física Moderna. São Paulo: Atual, 2005.

Escritor do artigo
Escrito por: Pâmella Raphaella Melo Sou uma autora e professora que preza pela simplificação de conceitos físicos, transportando-os para o cotidiano dos estudantes e entusiastas. Sou formada em Licenciatura Plena em Física pela PUC- GO e atualmente curso Engenharia Ambiental e Sanitária pela UFG.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

MELO, Pâmella Raphaella. "Para-raios"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/fisica/o-pararaios.htm. Acesso em 19 de julho de 2024.

De estudante para estudante


Lista de exercícios


Exercício 1

Sempre que pegamos uma lâmpada, vemos as seguintes informações: 60 W e 120 V. Tomando por base essas informações, calcule o valor da corrente elétrica.

a) 4 A

b) 3 A

c) 2 A

d) 0,8 A

e) 0,5 A

Exercício 2

Determine a energia consumida, em kWh, em 15 minutos de funcionamento de um chuveiro elétrico ligado a uma tensão de 220 V, e que é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade igual a 10 A.

a) 33

b) 0,55

c) 5,5

d) 3,3

e) 1,21

Artigos Relacionados


5 coisas que você deve saber sobre Eletricidade

Clique aqui e veja 5 coisas que você deve saber sobre Eletricidade, um dos conteúdos mais cobrados no Enem.
Física

Carga elétrica

Você sabe o que é carga elétrica, a sua unidade de medida e os tipos de cargas? Aprenda sobre a quantização de carga e confira exemplos de exercícios resolvidos.
Física

Choque elétrico

Clique aqui e saiba o que é o choque elétrico. Conheça suas causas e seus tipos, descubra como ele ocorre e quais são suas consequências.
Física

Condutores e isolantes

Você sabe o que são condutores e isolantes? Confira quais são as suas características e exemplos de materiais condutores e isolantes.
Física

Corrente elétrica

Você sabe o que é corrente elétrica? Confira as fórmulas e os tipos de corrente elétrica e entenda a diferença entre corrente direta e alternada.
Física

Efeitos da corrente elétrica

Clique aqui e conheça quais são os efeitos gerados em corpos e objetos pela passagem de correntes elétricas.
Física

Gaiola de Faraday

Você já ouviu falar sobre a gaiola de Faraday? Acesse e saiba o que é, como funciona e conheça exemplos de dispositivos que funcionam com base na blindagem eletrostática.
Física

Raios

Saiba o que são os raios e como acontecem.
Física

Relâmpago e trovão

Relâmpago e Trovão, diferença e formação.
Física

Tempestade

Clique aqui e entenda o que é e como se forma uma tempestade. Saiba quais são as principais causas e consequências desse fenômeno.
Física