Topo
pesquisar

Paralisia de Bell

Doenças e patologias

A paralisia de Bell afeta o sétimo par de nervo craniano e geralmente ocorre de maneira repentina. É uma doença sem causa muito bem estabelecida.
A paralisia de Bell afeta o nervo facial, imobilizando os músculos da face
A paralisia de Bell afeta o nervo facial, imobilizando os músculos da face
PUBLICIDADE

A paralisia de Bell é uma doença que afeta ambos os sexos, no entanto, acomete mais as mulheres grávidas. Estima-se que a incidência da paralisia seja de aproximadamente 20 a 30 casos por 100 mil habitantes, e sua ocorrência é maior em pessoas com mais de 70 anos. A paralisia de Bell corresponde a cerca de 60% a 75% de todas as paralisias faciais identificadas atualmente.

O que é a paralisia de Bell?

A paralisia de Bell, também chamada de paralisia facial periférica idiopática, como o nome indica, é uma paralisia do sétimo par de nervos cranianos, o chamado nervo facial, o qual se apresenta inflamado ao longo de seu trajeto. Essa doença, que foi descrita em 1821 por Sir Charles Bell, apresenta causa pouco conhecida, é geralmente unilateral e seu início é repentino.

Alguns trabalhos indicam relação da paralisia de Bell com infecção pelo vírus herpes simples 1 e reativação do vírus varicela-zóster. Entre os fatores de risco para o desenvolvimento dessa paralisia, podemos citar a gravidez, hipertensão, diabetes mellitus e infecção pelo vírus herpes.

Quais os sintomas da paralisia de Bell?

O principal sintoma da paralisia de Bell é a paralisia da face de forma súbita. O paciente não consegue fechar completamente o olho afetado, apresenta dificuldade ou incapacidade para levantar a sobrancelha, perde a mobilidade da boca do lado atingido e tem dificuldade de se alimentar.

Vale salientar que alguns pacientes falam ainda de uma dor retroauricular (na região localizada atrás da orelha), que permanece por alguns dias. Essa dor costuma aparecer alguns dias antes da paralisia ou até mesmo quando esta se instala. Percebe-se também que o paciente com paralisia de Bell apresenta uma diminuição na sensibilidade gustativa e na produção de lágrimas.

Como é feito o diagnóstico e quais as formas de tratamento da paralisia de Bell?

O diagnóstico de paralisia de Bell é normalmente clínico. O médico deverá analisar o nervo facial, observará o canal auditivo e verificará se não há massas tumorais presentes nas glândulas parótidas. Assim sendo, o disgnóstico será feito por exclusão de outras patologias.

O tratamento da paralisia de Bell varia de paciente para paciente, sendo o objetivo principal acelerar a velocidade da recuperação e evitar possíveis sequelas. Vale salientar, no entanto, que geralmente o problema se resolve por conta própria, em um tempo de aproximadamente seis meses.

Alguns médicos recomendam o uso de corticoides e agentes antivirais, mas não há um consenso sobre esse tratamento. Outro ponto importante é o cuidado com os olhos, por isso, é importante mantê-los sempre úmidos para evitar lesões na córnea. É recomendado que o paciente feche os olhos voluntariamente a cada dois a quatro minutos e use colírios durante o dia e pomadas oftálmicas durante a noite. Geralmente, indica-se ainda acompanhamento de fisioterapeuta e psicólogo. Em alguns casos, é necessária a cirurgia.

Por Ma. Vanessa Sardinha dos Santos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Paralisia de Bell"; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/doencas/paralisia-bell.htm>. Acesso em 20 de maio de 2018.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA