Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Por que a Lei Áurea se chama “áurea”?

A Lei Áurea foi a lei que determinou a abolição da escravatura em 13 de maio de 1888. O termo “áureo”, relacionado com ouro, foi parte de uma narrativa para exaltar a lei.

Sessão do Senado na ocasião da aprovação da Lei Áurea.
Sessão do Senado na ocasião da aprovação da Lei Áurea.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

A Lei Áurea recebeu esse nome como parte de uma narrativa que procurava exaltar a lei que aboliu os escravos em 13 de maio de 1888. Essa mesma narrativa procurava exaltar a abolição como uma benfeitoria da monarquia, apresentando a princesa Isabel como uma redentora dos negros no Brasil. Essa narrativa, no entanto, apaga o protagonismo dos negros na luta abolicionista.

A abolição da escravatura, ao contrário do que essa narrativa sugere, foi resultado da luta dos próprios escravos contra a escravidão, por meio de revoltas, fugas etc. Além disso, a força do movimento abolicionista e o apoio popular à causa contribuíram para que a escravatura fosse definitivamente abolida.

Leia também: Seis curiosidades sobre a princesa Isabel

Tópicos deste artigo

Resumo

  • O termo “áurea” no nome da Lei Áurea é uma referência a ouro e à ideia de que a lei que aboliu a escravidão foi algo glorioso.

  • Essa ideia faz parte de uma narrativa que estabeleceu a Lei Áurea como fruto de uma benfeitoria da monarquia.

  • Essa narrativa não é corroborada pela historiografia, que entende que a abolição foi uma conquista popular.

  • Essa conquista foi resultado da resistência dos escravos e do engajamento do movimento abolicionista.

Por que a Lei Áurea recebeu esse nome?

Texto da Lei Áurea.
A Lei Áurea foi assinada pela princesa Isabel, em 13 de maio de 1888.

A Lei Áurea, como é comumente conhecida, ou então Lei nº 3.353, de 13 de maio de 1888, foi a lei que determinou a abolição da escravatura no Brasil. O termo “áureo” é definido no dicionário como algo que é relativo a ouro. O intuito dessa associação era o de transmitir uma imagem positiva da lei, como um grande feito, uma grande benesse da monarquia e algo glorioso.

O uso do termo seguiu uma lógica que estabeleceu a Lei Áurea como uma demonstração de grandeza e bondade da monarquia por ter abolido a escravidão do Brasil. Essa memória determinou a abolição como uma conquista obtida por mérito da monarquia. Além disso, essa memória estabeleceu a princesa Isabel como uma redentora, responsável por salvar milhares de pessoas da escravidão.

O termo “áureo”, portanto, foi parte de uma narrativa construída para procurar engrandecer a monarquia e os membros da família real brasileira como os grandes responsáveis pela abolição da escravatura. Essa narrativa teve muito espaço na historiografia até a década de 1970, mas foi desconstruída pelos novos estudos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Contexto da abolição da escravatura e da Lei Áurea

Diferentemente do que foi estabelecido por essa narrativa, a abolição da escravatura não foi resultado de uma benfeitoria da monarquia, tampouco da generosidade e altruísmo da princesa Isabel. Essa narrativa, na verdade, esconde o protagonismo dos negros e da própria população brasileira na luta contra a escravidão.

A abolição da escravatura foi assinada pela princesa Isabel, então princesa regente, em 13 de maio de 1888. A lei foi recebida com festa por grande parte da população, e celebrações populares se estenderam durante dias em grandes cidades, como o Rio de Janeiro. Por meio da Lei Áurea, mais de 720 mil escravos foram libertos, e seus antigos donos não foram indenizados.

O decreto da Lei Áurea foi a conclusão de décadas de luta do movimento abolicionista e de uma resistência de séculos dos escravos contra a escravidão. A força do movimento abolicionista aumentou consideravelmente a partir da década de 1870. Os cenários nacional e internacional davam força ao movimento de abolição da escravatura.

Os abolicionistas se organizavam nas grandes cidades e realizavam reuniões e comícios defendendo o fim da escravidão no Brasil, divulgavam folhetos, publicavam livros em defesa da causa, atuavam juridicamente para garantir que escravos fossem libertos, incentivavam fugas, davam abrigo a escravos fugidos, forneciam comida e transporte a eles etc.

Os escravos, por sua vez, intensificaram sua luta contra a escravidão. A resistência dos escravos contra a escravidão existia desde o momento em que essa instituição foi estabelecida no Brasil. Os escravos se rebelavam, recusavam-se a trabalhar, fugiam, formavam quilombos. Na segunda metade do século XIX, a situação tornou-se insustentável.

As fugas de escravos e a formação de quilombos tornaram-se frequentes, e grandes quilombos surgiram ao redor das cidades de Santos e do Rio de Janeiro, por exemplo. Esses escravos que fugiam contavam com ajuda do movimento abolicionista e da população civil, e muitos buscavam meios para fugir até o Ceará ou Amazonas, estados que haviam abolido a escravidão em 1884.

Leia também: Diferença simbólica entre o Dia da Abolição e o Dia da Consciência Negra

Por que a Lei Áurea realmente foi sancionada?

A força do movimento abolicionista fez com que parcelas significativas da população civil abraçassem a causa da abolição da escravatura. No final da década de 1880, a abolição da escravatura era inevitável, pois:

  • havia o temor com as contínuas fugas e revoltas dos escravos;

  • temia-se que a disputa levasse a uma guerra civil, como aconteceu nos Estados Unidos;

  • o Brasil era o único país do Ocidente que ainda mantinha a escravidão;

  • a defesa da reforma agrária avançava junto da causa abolicionista.

Assim, a força do movimento abolicionista, o receio de um conflito interno e pela reforma agrária fizeram com que as elites econômicas assentissem com a abolição. A luta popular e o protagonismo negro, e não a bondade da monarquia, encerraram a escravidão no Brasil.

 

Por Daniel Neves Silva
Professor de História

Escritor do artigo
Escrito por: Daniel Neves Silva Formado em História pela Universidade Estadual de Goiás (UEG) e especialista em História e Narrativas Audiovisuais pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atua como professor de História desde 2010.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Por que a Lei Áurea se chama “áurea”?"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/curiosidades/por-que-a-lei-aurea-se-chama-aurea.htm. Acesso em 15 de abril de 2024.

De estudante para estudante


Artigos Relacionados


13 de maio — Dia da Abolição da Escravatura

Saiba mais sobre o dia 13 de maio, conhecido como o Dia da Abolição da Escravatura no Brasil. Entenda como foi esse processo no século XIX.
Datas Comemorativas - 2024

Abolição da escravatura

Descubra com este texto mais detalhes sobre como ocorreu a abolição da escravatura no Brasil, no final do século XIX. Entenda também o que foram as leis abolicionistas.
História do Brasil

Como ficou a vida dos ex-escravos após a Lei Áurea?

Clique no link e acesse este texto para saber mais a respeito das mudanças que aconteceram na vida dos negros após a abolição da escravatura.
História do Brasil

Consciência negra

Entenda o que é consciência negra e qual o lugar e a importância dessa ideia em um mundo com tanta desigualdade racial. Veja também a origem desse termo no Brasil.
Sociologia

Diferença simbólica entre o Dia da Abolição da Escravatura e o Dia da Consciência Negra

Acesse o link para entender a diferença simbólica entre o Dia da Abolição da Escravatura e o Dia da Consciência Negra.
História do Brasil

Princesa Isabel

Clique no link e saiba mais sobre a vida da princesa Isabel, herdeira do trono brasileiro no período monárquico que assinou a Lei Áurea em 1888.
Biografia

Quilombo dos Palmares

Acesse este texto para saber mais informações sobre o maior quilombo que existiu no Brasil e que foi construído na região de Alagoas: o Quilombo dos Palmares.
História do Brasil

Zumbi dos Palmares

Leia este texto a respeito da vida e da morte de Zumbi dos Palmares, um dos líderes do Quilombo dos Palmares — o maior quilombo da história brasileira.
Biografia