Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Folhelho de Burgess

O folhelho de Burgess apresenta uma grande quantidade de fósseis de animais que viveram em nosso planeta no período Cambriano.

Representação de um Anomalocaris preparando-se para atacar um trilobita
Representação de um

Anomalocaris

preparando-se para atacar um trilobita
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

Os fósseis são o material de estudo da Paleontologia e a peça-chave para o entendimento da vida na Terra em tempos pretéritos. A formação dos fósseis é um processo bastante difícil e, na maioria das vezes, apenas as partes duras de um ser vivo são preservadas, sendo raros os registros de partes moles.

O famoso folhelho de Burgess (Burgess Shale), descoberto em 1909 por Charles Doolittle Walcott, na Colúmbia Britânica, Canadá, destaca-se por ter preservado uma grande quantidade de detalhes das partes moles de organismos invertebrados. Esses animais preservaram-se em três dimensões, o que garantiu um grande sucesso no reconhecimento de sua morfologia. Entre as partes preservadas, destacam-se os músculos, brânquias e partes do sistema digestório desses organismos.

Os seres vivos encontrados no Burgess retratam um evento importante na história evolutiva da Terra: a explosão Cambriana. Essa “explosão” ocorreu há cerca de 530 milhões de anos e representa o surgimento repentino – por isso, o uso do termo explosão – de vários animais no nosso planeta. Acredita-se que, em aproximadamente 20 milhões de anos, espécies simples e unicelulares deram espaço a complexas formas de vida que ficaram registradas para sempre nesse folhelho. Apesar de parecer muito tempo, do ponto de vista geológico e biológico, é um período relativamente curto.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Inicialmente, Walcott interpretou os fósseis de Burgess como formas ancestrais de grupos modernos, que, segundo ele, foram aperfeiçoadas com o tempo. Posteriormente, em 1971, Hary Whittington provou que não era possível incluir todos os fósseis de Burgess nos grupos atuais, sendo algumas espécies completamente diferentes de tudo que já havia sido visto.

A grande maioria dos fósseis encontrados no folhelho de Burgess é de artrópodes, mas também são encontradas espécies de cordados, vermes, esponjas, moluscos, entre outros. Entre as espécies encontradas no folhelho, destaca-se o Anomalocaris (figura acima), um animal invertebrado com cerca 60 centímetros que provavelmente era o grande predador dos mares do Cambriano.

Apesar desse registro fóssil ser de aproximadamente meio bilhão de anos, entender sua fauna é essencial para a compreensão da evolução através do tempo. Além disso, perceber como as espécies mudaram, surgiram e extinguiram-se na Terra fornece-nos meios para entender o que acontece e poderá acontecer com os seres vivos modernos, além de nos ajudar a tomar decisões a respeito do futuro do planeta.


Por Ma. Vanessa dos Santos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Folhelho de Burgess"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/folhelho-burgess.htm. Acesso em 30 de junho de 2022.

De estudante para estudante


Qual a função da célula?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

Qual o animal mais perigoso do mundo?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

PUBLICIDADE

Estude agora


Mistura de soluções de solutos diferentes que reagem entre si

Os casos mais comuns de mistura de soluções de solutos diferentes que reagem entre si ocorrem quando juntamos...

Viúva Negra: o contexto sociopolítico da criação da personagem

Uma das mais importantes peças dos Vingadores, a Viúva Negra (apresentada primeiramente na pele da personagem Natasha...