Topo
pesquisar

Peixe-boi

Animais

O peixe-boi é um animal da ordem Sirenia, da família Trichechidae. Existem três espécies diferentes desse animal em todo mundo, sendo duas encontradas no Brasil.
PUBLICIDADE

Apesar do nome, o peixe-boi não é um peixe, e sim um animal mamífero. Esse mamífero aquático vive em águas rasas da costa oceânica e em rios e lagos da África e da América, incluindo o Brasil, onde são encontradas duas espécies.

Características gerais dos peixes-bois

Os peixes-bois são mamíferos aquáticos da ordem Sirenia, da família Trichechidae. Os sirênios destacam-se por apresentar uma vida longa e uma taxa reprodutiva relativamente baixa. Esses animais são os únicos mamíferos aquáticos que apresentam uma dieta preferencialmente herbívora, destacando-se também pelo fato de passarem horas de seus dias alimentando-se.

No total, existem três espécies de peixes-bois no mundo: o peixe-boi-africano (Trichechus senegalensis), o peixe-boi-marinho (Trichechus manatus) e o peixe-boi-amazônico (Trichechus inunguis). Esses dois últimos são encontrados em nosso país.

  • Peixe-boi-africano: Essa espécie é encontrada nas costas da África e também em rios e lagos dessas regiões. É uma espécie pouco estudada e frequentemente é alvo de caçadores.

  • Peixe-boi-marinho: O peixe-boi-marinho é encontrado na região costeira da América, onde surge desde a Flórida até o nosso litoral. Além disso, é frequente a presença desses animais em porções de rios localizados próximos ao mar. O peixe-boi-marinho pode atingir 4 metros de comprimento e pesar cerca de 600 quilos. Ele possui pele grossa e enrugada, de coloração cinza claro e com pelos espalhados pelo corpo. Outra característica interessante desse animal é a presença de unhas nas nadadeiras peitorais. O período de gestação varia de 12 meses a 14 meses, com intervalo de três a quatro anos entre os partos. A expectativa de vida pode chegar a 60 anos.

  • Peixe-boi-amazônico: Essa espécie ocorre apenas em água doce da bacia amazônica. Ele é menor que as outras espécies e pode atingir aproximadamente 3 metros de comprimento e pesar cerca de 480 quilos. Diferentemente do peixe-boi-marinho, sua coloração varia do cinza escuro ao preto, com manchas brancas ou rosadas na região do abdômen e do peito. Além da presença de manchas, diferencia-se do peixe-boi-marinho por não apresentar unhas na nadadeira peitoral. Essa espécie tem ainda cerdas curtas e grossas na região do queixo e dos lábios, estruturas que apresentam função sensitiva. Sua reprodução está ligada ao período de chuvas, e a cópula e os nascimentos ocorrem nos meses em que a água dos rios começa a subir e a vegetação é abundante para garantir a saúde das fêmeas durante a gestação e a lactação. Cada gestação dura, em média, um ano, e a fêmea dá a luz a um filhote.


Espécie vulnerável

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Os peixes-bois estão classificados como vulneráveis na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas de Extinção da International Union for Conservation of Nature (IUCN). Isso se deve ao fato de esses animais terem sido caçados de maneira indiscriminada por muito tempo por causa de sua carne, gordura e couro. A caça ainda é uma realidade que ameça os peixes-bois, porém é menor comparada com a praticada no século passado.

Entretanto, os peixes-bois ainda enfrentam problemas como poluição das águas, mudanças climáticas, destruição dos habitats e acidentes com embarcações e redes. Além disso, não podemos esquecer que a fêmea apresenta um ciclo reprodutivo lento, gerando um filhote a cada três anos, e que isso faz com que danos a uma população sejam muito mais difíceis de serem revertidos.

Por Ma. Vanessa Sardinha dos Santos

O peixe-boi-marinho é uma das três espécies de peixe-boi existentes no mundo
O peixe-boi-marinho é uma das três espécies de peixe-boi existentes no mundo

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Peixe-boi"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/animais/peixe-boi.htm. Acesso em 15 de outubro de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola