Topo
pesquisar

Ovos de Páscoa da família Romanov

História Geral

Os ovos de Páscoa da família Romanov, desenvolvidos pelo joalheiro Fabergé, tornaram-se símbolos de presentes luxosos da aristocracia russa do século XIX.
PUBLICIDADE

Algumas das curiosidades mais interessantes relativas às várias dinastias europeias, ou “casas” aristocráticas, estão associadas ao modo de vida luxoso que elas mantinham e ao vínculo estreito do luxo e da riqueza com a arte. Um exemplo patente é o da Casa Romanov, a dinastia nobre que entronizou czares no Império Russo de 1613 a 1917 – ano em que foi alijada do poder com a Revolução Russa. A partir do século XIX, os Romanov contrataram os serviços do artesão e joalheiro Peter Carl Fabergé para elaborar e produzir ovos de Páscoa especiais para os membros da família.

O ornamento de ovos e a celebração da Páscoa

É sabido que, desde os primeiros momentos em que o cristianismo passou a penetrar as comunidades pagãs na Antiguidade, seus rituais de liturgia absorveram e transformaram as práticas religiosas pagãs. Uma dessas práticas era a pintura e o ornamento de ovos de variadas aves como forma de anunciação da primavera. Tal prática passou então a ser associada à data da Páscoa, que é considerada a data mais importante do cristianismo por remeter à morte e ressurreição de Jesus Cristo.

Acesse também: Páscoa Cristã

A partir disso, a entrega de ovos de Páscoa passou a estar ajustada ao calendário litúrgico da Igreja Cristã, tanto católica quanto ortodoxa. Sendo a família Romanov, desde suas origens, intimamente ligada ao cristianismo ortodoxo, a cerimônia da entrega de ovos de páscoa ornamentados como presentes era tida como uma das mais aguardadas do ano.

Como os ovos Fabergé viraram tradição entre a dinastia Romanov?

Partindo desse contexto, em 1885, o czar russo Alexandre III teve a ideia de presentear a sua esposa, Marie Fedorovna, com um ovo de Páscoa luxuoso, isto é, um ovo que tivesse como ornamentos pedras e metais preciosos. A encomenda então foi feita ao joalheiro, à época já famoso na Rússia, Peter C. Fabergé. Fabergé era membro de uma família huguenote (calvinistas franceses) de artesãos da região de Picardia, França. Seu pai, Gustav, estabeleceu-se na Rússia, especificamente na cidade de São Petersburgo, na década de 1830.

Carl Fabergé, nascido em 1846, logo se integrou nos negócios do pai, que lhe proporcionou formar-se nos melhores centros de arte e de joalheria da Europa. A partir da década de 1880, Fabergé construiu um grande império no ramo da joalheria, conhecido até os dias de hoje como maison Fabergé (isto é, casa Fabergé). A repercussão do trabalho da maison Fabergé chegou à apreciação dos aristocratas russos. A encomenda do czar Alexandre III, mencionada no parágrafo anterior, foi o começo de uma nova fase na carreira de Fabergé, que o consagrou não apenas como joalheiro e ourives, mas como grande artista.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

À imperatriz russa, Fabergé projetou e produziu um ovo de Páscoa que era, a um só tempo, uma verdadeira obra de arte e uma verdadeira joia rara, ou melhor: um conjunto de joias, avaliadas em milhões de dólares hoje em dia. Por exemplo: uma das exigências do czar era a de que o ovo possuísse em seu interior uma “surpresa”. A surpresa que Fabergé deixou foi uma pequena estátua de uma galinha botando uma pedra de safira.

Leia também sobre: A história dos ovos de Páscoa

A partir daí, Fabergé começou a receber encomendas de ovos, inicialmente, para os outros membros da família Romanov, mas logo teve de atender uma demanda que vinha de outras casas aristocráticas, e não apenas da Rússia. A estrutura dos ovos seguia a mesma daquele feito para a imperatriz: o exterior todo forjado em algum tipo de metal, como o ouro, revestido de pedras preciosas e, por vezes, com pinturas ou fotografias dos membros familiares a serem presenteados cravejadas na também na face externa. No interior, sempre havia algum tipo de presente, também feito com adornos luxosos.

Os ovos dos Romanov tornaram-se, com o tempo, objeto de cobiça por parte de vários tipos de pessoas, desde mafiosos até colecionadores de arte. Houve até filmes que representaram a tentativa de roubo de alguns desses ovos, como o de Mimi Leder, Thick as Thieves (Jogo entre ladrões, no Brasil), protagonizado por Morgan Freeman e Antonio Banderas.

*Créditos da imagem: walter_g | Shutterstock

Por Me. Cláudio Fernandes

Um exemplar dos ovos de páscoa desenvolvidos pelo joalheiro Peter Carl Fabergé para a família Romanov*
Um exemplar dos ovos de páscoa desenvolvidos pelo joalheiro Peter Carl Fabergé para a família Romanov*

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FERNANDES, Cláudio. "Ovos de Páscoa da família Romanov"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiag/ovos-pascoa-familia-romanov.htm. Acesso em 19 de setembro de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola