Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Guerra Franco-Prussiana e a unificação alemã

Quadro Champigny, Dezembro de 1870, de Édouard Detaille (1848-1912), mostrando uma cena da Guerra Franco-Prussiana
Quadro Champigny, Dezembro de 1870, de Édouard Detaille (1848-1912), mostrando uma cena da Guerra Franco-Prussiana
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

Entre os anos de 1870 e 1871 eclodiu a Guerra Franco-Prussiana entre a França e a Prússia, um reino germânico forte militarmente e com economia bem desenvolvida, que havia verificado um intenso processo de industrialização durante o século XIX. A guerra foi crucial para a Unificação Alemã, reunindo em um único império os demais reinos germânicos.

Do lado francês, ela serviu para a derrubada do regime de Napoleão III e também para a eclosão da Comuna de Paris, além de gerar o chamado revanchismo francês, que seria uma das causas da I Guerra Mundial.

A Guerra Franco-Prussiana foi considerada ainda a primeira guerra moderna da história, principalmente em face da estratégia adotada pela Prússia. A obrigatoriedade da prestação do serviço militar e o forte desenvolvimento industrial aliado à indústria bélica, além dos armamentos e das táticas utilizadas (principalmente a preparação para uma guerra prolongada), foram cruciais para a vitória prussiana.

O motivo inicial da guerra esteve relacionado com os interesses de unificação dos Estados germânicos, capitaneados pela Prússia e liderados por seu rei Guilherme I. O grande artífice do processo foi o chanceler prussiano Otto von Bismarck, que já havia levado a cabo conflitos contra a Áustria e Dinamarca. A guerra contra a França deveria servir para a expansão do território prussiano, como também servir de estímulo à unificação dos Estados germânicos do sul, que ainda não haviam aderido à Confederação Alemã do Norte.

Para conseguir o feito, os prussianos tentaram interferir na sucessão ao trono espanhol, após a Revolução Espanhola de 1868. Guilherme I tinha interesse em colocar no trono espanhol Leopoldo Hohenzollern, o que desagradava à França e a Napoleão III, por representar um avanço da influência prussiana na Europa ocidental. Com a ameça de Napoleão III de iniciar uma guerra, a tentativa de entronar Leopoldo não foi adiante.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Entretanto, Otto von Bismarck realizou uma manobra para a França declarar guerra à Prússia. No chamado Despacho de Ems, Bismarck adulterou uma carta de Guilherme I, que foi publicada na imprensa, referente a um encontro com o embaixador francês. A adulteração fez a carta soar como um insulto a Napoleão III, que declarou guerra à Prússia. A manobra de Bismarck teve como pano de fundo o nacionalismo germânico, já que uma guerra externa serviria como um estímulo à unificação dos Estados que ainda não haviam aderido à Confederação Alemã do Norte.

Com o início da Guerra Franco-Prussiana, em julho de 1870, as tropas germânicas conseguiram uma rápida e fulminante vitória sobre os franceses, iniciando o avanço territorial a partir da Alsácia. Sob o comando do general Helmuth von Moltke, as tropas germânicas saíram vitoriosas nas batalhas de Gravelotte e Sedan. Em seis meses, os prussianos conseguiram chegar a Paris.

Napoleão III foi feito prisioneiro nessa última, representando o fim do II Império Francês e o início da Terceira República. Em janeiro de 1871, na Sala dos Espelhos do Palácio de Versalhes, Guilherme I foi coroado imperador do Reich Alemão.

Tal situação levou à construção de um sentimento de vergonha entre parte da população francesa, que desembocaria no chamado revanchismo francês. Esses sentimentos nacionalistas seriam utilizados para a eclosão da I Guerra Mundial. Além disso, pelo Tratado de Frankfurt, a França teve que ceder ao Reich os territórios da Alsácia e Lorena, ricos em carvão e minérios, além de pagar pesadas indenizações e reconhecer o Império Alemão.

Mas antes de se concretizar essa situação, tropas prussianas e francesas tiveram que retomar a cidade de Paris, que estava sob controle dos trabalhadores e da Guarda Nacional, durante os dois meses de vigência da Comuna de Paris.

Por Me. Tales Pinto

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PINTO, Tales dos Santos. "Guerra Franco-Prussiana e a unificação alemã"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/guerras/guerra-francoprussiana.htm. Acesso em 02 de julho de 2022.

De estudante para estudante


Como Hitler morreu?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

Qual o estopim da Primeira Guerra Mundial?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

PUBLICIDADE

Estude agora


Função logarítmica

Nesta aula vamos explicar a definição de logaritmo e como construir uma função logarítmica. Também resolveremos...

Mistura de soluções de solutos diferentes que reagem entre si

Os casos mais comuns de mistura de soluções de solutos diferentes que reagem entre si ocorrem quando juntamos...