Whatsapp

Retrospectiva sobre os Movimentos no Mundo Árabe - Parte I

Geografia

Os movimentos que ocorreram no final de 2010 em alguns países árabes, que ficaram conhecidos como ‘Primavera Árabe’, continuam repercutindo no mundo árabe e na geopolítica mundial.
PUBLICIDADE

O mundo árabe é formado por um mosaico de países, grupos étnicos e aspectos políticos bastante diversificados, estando localizado entre a porção setentrional da África, ao norte do Saara, e a região conhecida como Oriente Médio, parte integrante do continente asiático. Uma das características comuns a esses países é o predomínio da religião islâmica, que por vezes norteia as práticas políticas e as ideologias mais influentes em relação à população.

Ao final de 2010, vários países árabes começaram a atravessar insurgências e revoltas sociais que se estenderam principalmente durante o ano de 2011 e que ainda repercutem em algumas localidades, ficando conhecidas pela imprensa internacional como a ‘Primavera Árabe’, fundamentada no clamor popular por reformas políticas que conduzissem os países a democracias e melhorias sociais imediatas.

O primeiro país que passou por essas manifestações foi a Tunísia (‘Revolução Jasmim’), localizado na região do Magreb, no norte da África. Entre dezembro de 2010 e fevereiro de 2011 o movimento popular derrubou o regime de Ben Ali, que estava no poder desde 1987 e que acabou fugindo para a Arábia Saudita. O início dos protestos se deu quando um comerciante de rua ateou fogo em seu próprio corpo em protesto contra a polícia, que retirou a sua permissão de trabalho. Seu martírio simbolizou a luta por maiores oportunidades de emprego e melhorias nas condições de vida no país. O país realizou eleições diretas que colocaram o partido islâmico moderado Ennahda no poder e a indicação de Moncef Marzuki para a presidência.

Em janeiro de 2011, a Jordânia começou a atravessar uma onda de protestos por reformas políticas. Diante de uma população cada vez mais enfurecida, o rei Abdullah II anunciou a idealização de um governo parlamentar que poderia oferecer maiores possibilidades de participação popular, o que apenas foi alcançado, em tese, em janeiro de 2013.

Também em janeiro de 2011, Iêmen e Egito tiveram o início das manifestações por reformas políticas. No Iêmen, a situação se tornou ainda mais crítica devido ao alto nível de pobreza e a inserção da rede terrorista Al Qaeda no país. Após sofrer um ataque em seu palácio presidencial, o líder Ali Abdullah Saleh, que completou 33 anos no poder, procurou refúgio na Arábia Saudita. Em nome de uma imunidade contra acusações por crimes de guerra, Saleh entregou o cargo ao vice Abd-Rabbu Mansour Hadi, que assumiu a presidência em fevereiro de 2012.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

No Egito (‘Revolução de Lótus’), as manifestações se estenderam entre os meses de janeiro e fevereiro de 2011, o exército praticamente mudou de lado e após distúrbios e aproximadamente 846 mortos, em 18 dias, o ditador Hosni Mubarak, no poder desde 1981, renunciou ao cargo e uma Junta Militar assumiu o controle provisório do país até junho de 2012 quando foi eleito Mohamed Mursi, do Partido da Liberdade e Justiça, de orientação islâmica e ligado ao grupo Irmandade Muçulmana. Durante o ano de 2013 ocorreram diversos movimentos de oposição ao governo de Mursi por parte de liberais, movimentos esquerdistas e cristãos, contrários ao que chamam de islamização das instituições. O principal movimento de oposição a Mursi foi a Frente de Salvação Nacional, formado por partidos de diferentes orientações.

Com o aumento das tensões sociais os militares mais uma vez interferiram na vida política do país, obrigando Mursi a deixar o poder no início de julho de 2013, cerca de 1 ano após a sua vitória pelo voto democrático. As revoltas populares permaneceram, levando às ruas aqueles que apoiam Mursi e a Irmandade Muçulmana, e ao mesmo tempo aqueles que não aceitam as constantes intervenções dos militares, que dificultam a instalação de um regime democrático e o fortalecimento das instituições democráticas.

Veja também: Retrospectiva sobre os Movimentos no Mundo Árabe- Parte II


Júlio César Lázaro da Silva
Colaborador Brasil Escola
Graduado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista - UNESP
Mestre em Geografia Humana pela Universidade Estadual Paulista - UNESP

Mapa do Mundo Árabe
Mapa do Mundo Árabe

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Júlio César Lázaro da. "Retrospectiva sobre os Movimentos no Mundo Árabe - Parte I"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/retrospectiva-sobre-os-movimentos-no-mundo-arabe-parte-i.htm. Acesso em 17 de abril de 2021.

Artigos Relacionados
Conheça os acontecimentos referentes ao conflito na Faixa de Gaza desde a Partilha da Palestina, em1947, até os acordos de paz realizados na década de 1990.
Conheça os acontecimentos referentes ao conflito na Faixa de Gaza desde os acordos realizados na década de 1990 até os dias atuais.
O debate sobre direitos das mulheres que não avançou no mundo árabe mesmo após as recentes reviravoltas políticas na região.
Análise das revoltas que ocorreram no mundo árabe e das principais transformações que ocorreram nos seguintes países: Barein, Argélia, Marrocos, Omã, Líbia, Irã, Arábia Saudita e Síria.