Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Acetilcolina

A acetilcolina foi o primeiro neurotransmissor identificado. Ela é encontrada no sistema nervoso central, no sistema nervoso periférico e na junção neuromuscular.

Fórmula da acetilcolina.
A acetilcolina é um éster do ácido acético e da colina.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

 Acetilcolina é um neurotransmissor essencial para o funcionamento do sistema nervoso. Trata-se do primeiro neurotransmissor identificado e é encontrada tanto nos vertebrados quanto nos invertebrados. Nos seres humanos, desempenha diferentes papéis, sendo conhecida, principalmente por atuar nas funções cognitivas, tais como aprendizagem e memória.

A síntese da acetil colina ocorre nos terminais axonais e é feita pela enzima Colina-O-Acetil-Transferase (ChAT), a partir da colina e da acetil-coenzima A. Após ser sintetizada, a acetilcolina é armazenada em vesículas e, posteriormente, liberada por exocitose. A acetilcolina interage apenas com receptores específicos. Disfunções do sistema de neurotransmissão colinérgica estão relacionadas com o desenvolvimento de síndromes neurológicas e psiquiátricas.

Leia também: Antidepressivos — qual a relação entre esses medicamentos e os neurotransmissores?

Tópicos deste artigo

Resumo sobre acetilcolina

  • A acetilcolina é um neurotransmissor que se destaca como o primeiro identificado.

  • É fundamental para o funcionamento do sistema nervoso.

  • É sintetizada pela enzima Colina-O-Acetil-Transferase (ChAT).

  • Interage com receptores específicos.

  • A sua ação é interrompida quando é hidrolisada em colina e acetato.

  • Disfunções do sistema de neurotransmissão colinérgica estão relacionadas com o desenvolvimento de síndromes neurológicas e psiquiátricas, tais como Alzheimer, esquizofrenia, Parkinson e epilepsia.

O que é acetilcolina?

A acetilcolina foi o primeiro neurotransmissor a ser descoberto e pode ser encontrada tanto em vertebrados quanto em invertebrados. Ocorre no sistema nervoso central, no sistema nervoso periférico e na junção neuromuscular. No que diz respeito à sua estrutura química, a acetilcolina é um éster do ácido acético e da colina e apresenta massa molar de 146,2 g/mol. A acetilcolina apresenta um papel fundamental no sistema nervoso, tanto no central quanto no periférico.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Síntese e liberação da acetilcolina

A acetilcolina é produzida nos terminais axonais a partir da colina e da acetil-coenzima A. O suprimento de colina é proveniente, principalmente, da dieta, enquanto os níveis de acetil-CoA são garantidos por meio do metabolismo da glicose, sob a ação da enzima ATP-citrato liase. A enzima responsável pela síntese da acetilcolina é a chamada Colina-O-Acetil-Transferase (ChAT).

Após a síntese da acetilcolina ocorrer, esse importante neurotransmissor é transportado e armazenado em vesículas sinápticas para que possa ser liberado. A liberação ocorre pelo processo de exocitose, e, após liberada, a acetilcolina agirá apenas em receptores específicos, os quais estão presentes nas membranas pré e pós-sinápticas.

Veja também: Noradrenalina — um hormônio ou um neurotransmissor?

Classes de receptores da acetilcolina e suas funções

duas classes de receptores de acetilcolina presentes nos vertebrados:

  • Canal iônico ligante dependente: atua na junção neuromuscular. A acetilcolina, ao ser liberada pelo neurônio motor, é ligada a esse receptor, o que provoca a abertura do canal iônico, gerando uma atividade excitatória. Esse tipo de receptor é encontrado também em outros locais do sistema nervoso periférico e no sistema nervoso central.

  • Receptor metabotrópico: é encontrado no sistema nervoso central e no coração dos vertebrados. No coração, a acetilcolina ativa uma rota de transdução de sinal, na qual estão as proteínas G. Essas proteínas inibem a adenilato-ciclase e abrem os canais de potássio presentes na membrana celular do músculo. Essas ações reduzem a taxa de batimentos cardíacos, ou seja, são responsáveis por um efeito inibitório.

A ação da acetilcolina no organismo só é interrompida quando o neurotransmissor é hidrolisado em acetato e colina. Esse processo é dependente da enzima acetilcolinesterase, presente nas fendas sinápticas.

Funções da acetilcolina no sistema nervoso

Ilustração 3D de um neurotransmissor, no caso, a acetilcolina.
A acetilcolina possui uma função vital para o funcionamento do sistema nervoso.

A acetilcolina é vital para o funcionamento do nosso sistema nervoso, pois o bloqueio agudo da neurotransmissão colinérgica é uma ação letal no organismo, enquanto a sua perda gradual está relacionada com a perda progressiva das funções neurais.

Dentre as funções que podemos atribuir a esse neurotransmissor, podemos destacar:

  • estimulação de músculos;

  • funcionamento do sistema nervoso autônomo;

  • regulação do sono;

  • importante papel nas funções cognitivas, tais como memória e aprendizagem.

Acetilcolina e problemas no sistema colinérgico

Disfunções do sistema de neurotransmissão colinérgica estão relacionadas com o desenvolvimento de síndromes neurológicas e psiquiátricas. Entre as doenças relacionadas ao sistema colinérgico, estão:

  • Alzheimer: é a mais estudada. São observadas mudanças neuroquímicas primárias no cérebro dos portadores dessa doença. O paciente apresenta problemas como alterações na capacidade de memória e aprendizado, entre outras alterações. Para saber mais sobre essa doença, clique aqui.

  • Doença de Parkinson: uma doença degenerativa, crônica e progressiva, assim como a doença de Alzheimer. A pessoa com Parkinson, no entanto, apresenta como principais sintomas os tremores de repouso, rigidez entre as articulações, lentidão motora e desequilíbrio. Para saber mais sobre essa doença, clique aqui.

  • Epilepsia: uma condição neurológica relativamente comum, a qual se caracteriza pela ocorrência de crises epilépticas. Para saber mais sobre essa doença, clique aqui.

  • Esquizofrenia: um transtorno psiquiátrico que pode provocar alterações como delírios, alucinações e pensamento desorganizado.

Além das doenças citadas, o tabagismo, o hábito de fumar, também é um problema que está relacionado com distúrbios no sistema colinérgico.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia 

Escritor do artigo
Escrito por: Vanessa Sardinha dos Santos Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2008) e mestrado em Biodiversidade Vegetal pela Universidade Federal de Goiás (2013). Atua como professora de Ciências e Biologia da Educação Básica desde 2008.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Acetilcolina"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/acetilcolina.htm. Acesso em 20 de abril de 2024.

De estudante para estudante