Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Revolta de Jacareacanga no governo JK

JK teve que enfrentar uma tentativa de golpe logo nas primeiras semanas de mandato.*
JK teve que enfrentar uma tentativa de golpe logo nas primeiras semanas de mandato.*
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

O presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira teve que enfrentar as forças conservadoras das Forças Armadas desde o início de seu mandato, em 31 de janeiro de 1956. Grupos da Aeronáutica próximos de políticos da União Democrática Nacional (UDN) acusavam o presidente eleito de ser próximo às forças de esquerda do país e que isso poderia abrir caminho para o processo de transformação do Brasil em um país comunista. Para evitar essa suposta esquerdização do país, um grupo de oficiais da Aeronáutica se rebelou contra a eleição de JK e ocupou, em fevereiro de 1955, a base área de Jacareacanga, no Sul do Pará, iniciando o que ficou conhecido como Revolta de Jacareacanga.

Este evento foi mais um dos fatos que evidenciaram a influência política que as Forças Armadas brasileiras sempre exerceram na História do país, desde, ao menos, a Guerra do Paraguai, apontando ainda a dificuldade em se enfrentar o corporativismo nesta instituição militar.

A Revolta de Jacareacanga esteve diretamente ligada às eleições de 1955, vencidas por JK e João Goulart, em novembro deste mesmo ano. A dupla, que fazia parte da chapa PSD-PTB, havia triunfado sobre os políticos da UDN, à qual se ligava parte dos oficiais da Aeronáutica.

Estes não aceitaram o resultado das eleições e tentaram impedir a posse, primeiro em 11 de novembro de 1955, com a tentativa de derrubar o presidente Café Filho e levar ao poder Carlos Luz. Esta ação foi impedida pelo Ministro da Guerra, Henrique Lott, no que ficou conhecido como Movimento de 11 de Novembro. O ministro decretou o estado de sítio e impediu o golpe de Estado, conseguindo a deposição de Carlos Luz pelo Congresso Nacional.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

JK foi empossado, mas não conseguiu evitar uma nova tentativa de tirá-lo do poder. Com o objetivo de criar um foco contra o novo governo e tentando impedir represálias pela participação na ação de 11 de novembro de 1955, os oficiais da Aeronáutica, major Haroldo Veloso e o capitão José Chaves Lameirão, revoltaram-se contra o governo. Em voo que saiu do Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro, em 10 de fevereiro de 1956, os dois oficiais desviaram a rota e se direcionaram à base aérea de Jacareacanga, no Sul do Pará, onde desembarcaram e formaram seu quartel-general.

A Revolta de Jacareacanga durou 19 dias. Neste pequeno período, os oficiais revoltosos conseguiram dominar as cidades de Santarém, Itaituba, Aragarças e Belterra, que se localizavam próximas à base aérea. O apoio popular recebido fortaleceu a posição dos oficiais. O governo tentou conter rapidamente o golpe, mas algumas situações impediram o êxito da repressão.

A primeira foi o envio do major Paulo Victor da Silva, de Belém, para conter a ação. No contato com os oficiais golpistas, o major Paulo foi convencido da necessidade do golpe, juntando-se a eles. A segunda foi a recusa de vários oficiais em aderir à repressão por se tratar de oficiais companheiros de farda. O corporativismo dos oficiais da Aeronáutica só foi superado em 29 de fevereiro de 1956, quando tropas que se posicionavam a favor das premissas legais que possibilitaram a eleição de JK conseguiram deter o movimento.

A maioria dos revoltosos fugiu, exilando-se em países da América do Sul, como a Bolívia. O único a ser preso foi o major Haroldo Veloso. Entretanto, no mesmo ano, JK enviou ao Congresso Nacional um pedido de anistia, que foi aprovado possibilitando a volta dos oficiais ao Brasil e a soltura do major Haroldo Veloso.

Apesar de ter sido uma revolta pequena, ela mostra o quanto as Forças Armadas brasileiras em sua história interferiram na política nacional, burlando a lei em muitos casos para fazer valer seus posicionamentos.

*Créditos da imagem: Shutterstock e Georgios Kollidas


Por Tales Pinto
Graduado em História

Escritor do artigo
Escrito por: Tales dos Santos Pinto Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PINTO, Tales dos Santos. "Revolta de Jacareacanga no governo JK"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/guerras/revolta-jacareacanga-no-governo-jk.htm. Acesso em 22 de fevereiro de 2024.

De estudante para estudante