Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon
O avanço cristão em Damietta: a vitória que antecedeu a revanche das forças muçulmanas.
O avanço cristão em Damietta: a vitória que antecedeu a revanche das forças muçulmanas.
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

O fracasso vivido na Terceira e na Quarta Cruzada marcou uma grave crise no projeto que defendia a hegemonia cristã na Terra Santa. Mesmo com a derrota, o papa Inocêncio III realizou diversas pregações em favor de outras mobilizações militares contra os que ameaçavam a hegemonia cristã pelo mundo. Em seu mandato, incentivou a cruzada contra os albigenses, a organização de outra formação militar cristã na Espanha e uma nova cruzada pelo Oriente, em 1215, no IV Concílio de Latrão.

Morrendo em 1216, o papa não presenciou o desenvolvimento da Quinta Cruzada. O responsável por tal feito acabou sendo seu sucessor, Honório III, que enviou diversas cartas aos nobres e monarcas da Europa em favor de um novo conflito. O novo apelo acabou gerando poucas adesões, se destacando apenas pela formação de exércitos liderados por barões franceses e alemães. Formado o exército, os novos cruzados reuniram-se na Itália, em 1217.

Em abril de 1218, os cruzados se encontravam na região de São João D’Acre, de onde partiriam para o conflito direto com os muçulmanos. Nesse instante, as lideranças militares reunidas decidiram atar o Egito, ponto estratégico e fundamental para que a reconquista de Jerusalém se tornasse em um próximo passo viável no projeto dos exércitos cristãos. No mês seguinte à chegada, os cruzados partiram para o Egito.

O primeiro ataque foi imposto contra Damietta, uma cidade que poderia oferecer acesso ao Cairo, o grande objetivo militar dos exércitos que ali se encontravam. Após os primeiros confrontos, os cristãos se animaram com a idade avançada de Al-Kamil, sultão que controlava o Egito, e a chegada de novas tropas que seriam lideradas pela figura do cardeal Pelágio, um representante espiritual direto do papa no campo de batalha.

Nas primeiras batalhas que marcaram a conquista de Damietta, vemos que os exércitos cristãos bateram com eficácia as tropas do sultão, que acabaram preferindo reforçar a sua defesa e, assim, retardar ao máximo o avanço cristão. Apesar dos esforços, a traição de um dos emires que apoiavam Al-Kamil e a consequente fuga do sultão para o Cairo incentivaram os exércitos cristãos em novos ataques que determinariam a conquista de todo o território egípcio.

Observando a situação desfavorável, os egípcios ofereceram uma boa parte do território de Jerusalém para que o conflito chegasse ao fim. Entretanto, o cardeal Pelágio recusou a oferta esperando que a chegada de novos reforços pudesse estender a conquista cristã por outros territórios não antes almejados. Apesar das inúmeras baixas, o avanço poderia oferecer uma saída para o Nilo que acelerasse a conquista da capital. Entretanto, a seca do Rio Nilo impediu que a vitória fosse consumada.

Apesar dessa contingência, os cristãos acabaram conquistando uma cidade cercada pela fome e pela miséria. Assim que a estratégica cidade de Damietta estivesse nas mãos, tudo levava a crer que a cruzada seria um sucesso. No entanto, a conquista da cidade acabou não sendo destinada a nenhum dos barões, e o avanço até ao Cairo acabou sendo retardado em virtude da ausência de uma grande autoridade militar que pudesse resolver as questões práticas que o cardeal Pelágio não conseguia resolver.

Mediante a indecisão dos exércitos cristãos, os árabes conseguiram se reorganizar a fim de impedir o avanço dos exércitos cristãos. No momento em que os conflitos começaram, os árabes se valeram da abertura de vários canais que inundaram o caminho dos exércitos cristãos durante a cheia do Rio Nilo. Ironicamente, o curso de água que sustentava a riqueza daquela região foi o mesmo responsável por desorganizar a formação militar dos cristãos.

Desnorteados e quase sem nenhum tipo de mantimento, os exércitos europeus resolveram bater em retirada e promover uma negociação com o sultão Al-Kamil. Mediante as negociações acabou sendo definida a saída pacífica dos cristãos de todo o território egípcio e a assinatura de uma trégua de oito anos. Por fim, a derrota na Quinta Cruzada, em 1221, acabou sendo decepcionante, já que os árabes chegaram a oferecer Jerusalém, o grande objetivo da investida, para que o Egito fosse salvo.

Por Rainer Sousa
Mestre em História
Equipe Brasil Escola

As Cruzadas - Idade Média - Guerras

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUSA, Rainer Gonçalves. "Quinta Cruzada"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/guerras/quinta-cruzada.htm. Acesso em 01 de julho de 2022.

De estudante para estudante


Como Hitler morreu?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

Qual o estopim da Primeira Guerra Mundial?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

PUBLICIDADE

Estude agora


Mistura de soluções de solutos diferentes que reagem entre si

Os casos mais comuns de mistura de soluções de solutos diferentes que reagem entre si ocorrem quando juntamos...

Tempos verbais

Pretérito, presente ou futuro são tempos verbais que exprimem uma variação que indica o momento em que se dá o...