Topo
pesquisar

Segunda Fase da Globalização

Geografia

A segunda fase da Globalização relaciona-se com o processo de industrialização e seus efeitos sobre a produção do espaço geográfico mundial.
PUBLICIDADE

Após a primeira fase, que costuma, em algumas classificações, ser definida entre os anos de 1450 e 1850, consolidou-se a segunda fase da globalização, periodizada entre os anos de 1850 e 1950 ou até o término da Segunda Grande Guerra. Esse foi o período na história do capitalismo em que a produção do espaço geográfico mundial dimensionou-se pelos efeitos diretos e indiretos da industrialização nos países desenvolvidos, com as suas sucessivas consequências em toda a ordem geopolítica e econômica.

Houve, nesse momento, o desenvolvimento do Capitalismo Industrial, em que o setor secundário da economia passou a gerar uma maior quantidade de empregos e exercer efeitos diretos nas sociedades desenvolvidas (por meio da transformação de seus espaços) e nas sociedades coloniais e subdesenvolvidas (pelo fornecimento de recursos agrícolas, vegetais e minerais).

Embora a I Revolução Industrial tenha se iniciado em meados do século XVIII, foi no início do século seguinte que os seus efeitos passaram a ser sentidos em termos de propiciar um maior desenvolvimento da globalização. Os meios de transporte desenvolveram-se, tais como as ferrovias e, depois, os automóveis, assim como a indústria naval.

O espaço geográfico de inúmeras cidades, em países como Inglaterra, França, Alemanha, Itália e, posteriormente, Estados Unidos, transformou-se rapidamente em função da acelerada urbanização provocada pelo processo de industrialização clássica. Nesse mesmo contexto, emergiu a centralidade da figura da burguesia, que se assentou na liderança das produções sociais e econômicas.

Como o processo industrial remonta a uma demanda crescente por matérias-primas e mercado consumidor, algumas modificações na ordem anterior ocorreram. Uma delas foi a gradual extinção do sistema escravocrata em todo o mundo para aumentar o número de trabalhadores e, consequentemente, o de consumidores para as mercadorias produzidas, até então, em massa pelo sistema de produção fordista.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Outra consequência dessa conjuntura foi o avanço do imperialismo, haja vista que a necessidade de mais recursos naturais acessíveis e a preços menores acirrou uma corrida em busca de territórios, que culminou em episódios como a partilha da África no final do século XIX e as duas grandes guerras mundiais da primeira metade do século XX.

O que se percebe, portanto, é que nesse período histórico o modelo da globalização expandiu-se de modo extraordinariamente avançado. As transformações envolveram tantos os planos econômicos (como o avanço dos ideais do liberalismo) quanto o meio político (a exemplo das influências geradas pela Revolução Francesa em todo mundo). O meio cultural, como os estilos de época, as músicas, a moda, as tendências artísticas, entre outros, também avançaram em termos de difusão.

Assim, podemos entender a segunda fase da globalização como sendo a que estruturou as bases para a formação do capital financeiro e a ocorrência das revoluções tecnológicas, que demarcaram a fase atual desse fenômeno, que hoje atinge as mais diversas escalas, do local ao mundial.


Por Rodolfo Alves Pena
Graduado em Geografia

Aspectos do modelo industrial na segunda fase da globalização
Aspectos do modelo industrial na segunda fase da globalização

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PENA, Rodolfo F. Alves. "Segunda Fase da Globalização"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/segunda-globa.htm. Acesso em 22 de outubro de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola