close
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Priapismo

O priapismo caracteriza-se por uma ereção prolongada sem ter como causa o desejo sexual.

É fundamental procurar um médico em casos de priapismo, uma vez que essa ereção prolongada pode ocasionar até mesmo disfunção erétil
É fundamental procurar um médico em casos de priapismo, uma vez que essa ereção prolongada pode ocasionar até mesmo disfunção erétil
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

O priapismo é caracterizado por uma ereção prolongada e persistente que, em alguns casos, dura tempo superior a oito horas. Diferentemente das ereções resultantes de estímulos sexuais, ela apresenta-se frequentemente com dor. O priapismo pode ocorrer logo após uma relação sexual, em que o pênis fica ereto até por mais de quatro horas, ou então sem nenhum estímulo.

O priapismo ocasiona a ereção dos corpos cavernosos, porém, essa ereção não é observada na glande e no corpo esponjoso. Podemos classificar essa doença em dois tipos principais: o isquêmico e o não isquêmico.

O isquêmico, também chamado de baixo fluxo ou veno-oclusivo, ocorre quando há uma diminuição do retorno venoso, ocasionando isquemia no tecido. Nesses casos, a ereção normalmente é dolorosa. É essencial procurar um médico assim que notar o problema, pois há um grande risco de impotência caso o tratamento não seja iniciado imediatamente.

No priapismo não isquêmico, conhecido também como de alto fluxo ou arterial, observa-se um aumento do fluxo arterial, sendo que esse tipo normalmente está relacionado com trauma perineal ou peniano. Diferentemente da forma isquêmica, as ereções são indolores e há menos risco de sequelas.

Algumas doenças podem ter relação com o priapismo, entre elas a anemia falciforme, leucemia, talassemia e alguns problemas neurológicos, tais como lesões na medula. Além disso, a doença pode ser relacionada com o uso de medicamentos, álcool e drogas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Assim que os sintomas aparecerem, o paciente deve procurar o serviço de emergência para que os devidos procedimentos sejam realizados o mais rápido possível. Para realização do diagnóstico, alguns exames devem ser realizados, como o físico, além da análise da história clínica do paciente. É importante realizar a gasometria dos corpos cavernosos, que dará informações a respeito do pH do sangue e das pressões de oxigênio e gás carbônico. Além disso, pode-se fazer também uma ultrassonografia com Doppler colorido. É de suma importância que o médico obtenha um diagnóstico rápido, uma vez que o tratamento possui distinções de acordo com o tipo de priapismo.

Em casos de priapismo isquêmico (tipo mais frequente), é importante esvaziar os corpos cavernosos através de punção. Caso a punção não solucione o problema, alguns medicamentos intracavernosos podem ser utilizados. Quando nenhum tratamento é eficaz, opta-se pela cirurgia, em que são feitas áreas de comunicação entre os corpos cavernosos e o esponjoso. Algumas vezes, quando nenhum procedimento é satisfatório, pode-se optar por uma prótese peniana.

No caso do priapismo não isquêmico, nenhum tratamento precisa ser realizado imediatamente. É comum que o problema se resolva de forma espontânea.

É de suma importância que todo homem procure o médico em caso de priapismo, principalmente em virtude do risco de disfunção erétil.


Por Ma. Vanessa dos Santos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Priapismo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/saude/priapismo.htm. Acesso em 21 de maio de 2022.

De estudante para estudante


Estude agora


Progressão Geométrica

Nessa aula faremos uma revisão geral sobre Progressão Geométrica (PG). Comentaremos dos tipos de PG, propriedades da...

América do Sul

Assista à nossa aula e descubra a América do Sul. Conheça os países que formam essa região do continente...