Topo
pesquisar

Técnicas de mumificação

Química

PUBLICIDADE

Se o que lhe vem à mente quando se fala em múmias são apenas aquelas envoltas por faixas brancas e escondidas em sarcófagos, você precisa se informar mais. Conheça agora as diferentes técnicas que deram origem às distintas mumificações.

Técnica Americana

Em 9000 a.C., em países como Colômbia, Equador, Bolívia e Peru, as técnicas de conservação de cadáveres contavam com uma mãozinha da natureza. O clima seco e frio dessas regiões foi um grande aliado para isso, e em alguns casos, as vísceras eram retiradas e injetavam-se óleos para facilitar o processo. Para determinadas tribos do Equador, os Jívaros, o que importava era eternizar a cabeça do indivíduo, e ,para isso, a mumificação era feita apenas no crânio.

Vamos falar agora das múmias mais famosas da história, as chamadas múmias do Egito.

Técnica Egípcia

O preparo exigia muitas etapas, a técnica para conservação começava com a retirada do cérebro e vísceras, em seguida o corpo era levado para uma pré-secagem. Em seguida partia-se para a desidratação do cadáver que durava cerca de 70 dias, onde sais de natrão eram aplicados para garantir que toda a água presente fosse retirada. Por último, colocava-se a máscara mortuária, que preservava a identidade do morto, e as faixas e cordas, características das múmias egípcias.


                     Máscara mortuária

Técnica Oriental

Na China, Tibete e Japão, cerca de 1600 a.C, os orientais usavam do método de imersão. O corpo era mergulhado em solução aquosa que continha chumbo e mercúrio. Logo após, todo o sangue era retirado e substituído por álcool, e, por último, um banho com arsênico. Em razão da umidade durante o processo, a pele mumificada ganhava um aspecto flexível, ao contrário das múmias ressequidas (pele seca).

Técnica Católica

Em regiões da Itália e México, do século 13 ao século 20, a mumificação era feita com a ajuda da substância óxido de cálcio (CaO), mais conhecida como cal.


                 Cal usada em múmias

O óxido de cálcio, por ser um pó fino, pode ser espalhado pela pele cobrindo-a como uma espécie de filme. Esse processo fazia com que o corpo ficasse isolado da ação dos micróbios presentes na terra. Outro fator contribuiu para a mumificação: o ambiente seco e frio das catacumbas onde os corpos eram armazenados.

Por Líria Alves
Graduada em Química
Equipe Brasil Escola

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Veja mais!
Polímero à prova de bala


  Curiosidades de Química - Química - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Líria Alves de. "Técnicas de mumificação"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/tecnicas-mumificacao.htm. Acesso em 23 de outubro de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola