Whatsapp

Cigarro eletrônico

Química

PUBLICIDADE

Um aparelho desenvolvido com uma alta tecnologia pode se transformar em mais uma arma para as pessoas que querem parar de fumar. O cigarro eletrônico funciona da mesma forma que os adesivos e chicletes de nicotina, entregando aos poucos a substância ao fumante.

A principal diferença do cigarro eletrônico em relação aos outros produtos é a simulação do ato de fumar, ou seja, a mesma sensação sem causar danos e que pode até ajudar as pessoas a largar o vício. O dispositivo mantém o usuário livre das substâncias tóxicas e cancerígenas, como cádmio, arsênio e muitas outras.

Essa novidade já está à venda em sete países e consiste em um cigarro sem fumo, ele emite fumaça, mas de vapor. O aparelho contém um líquido composto por nicotina pura, essa solução é aquecida por um circuito elétrico e se transforma em vapor, que é tragado pelo fumante. Esse vapor só contém água e nicotina, por isso o cigarro eletrônico reduz o risco de câncer. Teoricamente a nicotina não causa câncer, mas é a substância que faz com que o usuário se vicie, e neste novo cigarro ela é encontrada em proporções equivalentes a 20 cigarros tradicionais.

 


Estrutura do aparelho:

Botão liga-desliga: o acionamento desse botão ativa o processo.

Bateria: é recarregável, ou seja, o fumante pode obter a recarga de uma tomada comum.

Câmara de vaporização: contém uma resistência elétrica e um microchip que controla o processo. É nessa câmera de vapor que vai ocorrer a vaporização da solução química.

Cartucho: nesta parte do cigarro vai ficar armazenado o vapor que contém nicotina.

Boquilha: é o orifício por onde irá passar o vapor.

Funcionamento:

Acendimento: o usuário aperta o botão (liga-desliga) e a resistência elétrica é ativada para aquecer a câmara de vaporização.

Tragada: quando o fumante traga através da boquilha, o chip controlador dá ordem à resistência e essa aumenta a temperatura.

Fumaça: com o calor intenso a solução química passa para o estado de vapor, este é rico em nicotina que sai pela ponta do cigarro e é aspirado pelo fumante.

Segundo os fabricantes, o cigarro eletrônico possui a vantagem de não afetar pessoas que estão em volta (os fumantes passivos) e ainda pode ser utilizado em locais de não-fumantes.

É válido lembrar que queimar tabaco nunca será seguro, mas é possível criar alternativas de fornecer a nicotina ao fumante. A melhor maneira de evitar doenças provenientes do cigarro é: parar de fumar.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Líria Alves
Graduada em Química

O cigarro eletrônico libera nicotina pura
O cigarro eletrônico libera nicotina pura

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Líria Alves de. "Cigarro eletrônico"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/cigarro-eletronico.htm. Acesso em 16 de abril de 2021.

Artigos Relacionados
Conheça os malefícios do tabagismo e a importância do Dia Nacional de Combate ao Fumo.
Conheça os alcaloides, uma classe de compostos de aminas muito importantes, pois estão presentes no cotidiano, como é o caso da nicotina, cafeína, morfina e cocaína.
Conheça a composição química do alcatrão (um dos principais componentes do cigarro) e veja também os efeitos de sua absorção.
Conheça a estrutura química do benzopireno, esse agente cancerígeno e mutagênico que pode nos contaminar por meio da fumaça do cigarro e de carnes assadas.
Conheça a constituição química, as aplicações e a história da morfina, um dos medicamentos mais conhecidos no mundo.
Conheça quais são os efeitos de curto e longo prazo do uso da metanfetamina e descubra como é produzida essa droga sintética também conhecida como ice.
Conheça a estrutura química da nicotina, como ela atua no organismo e principalmente no sistema nervoso central, levando à dependência e à degradação do organismo.
As anfetaminas (ou bolinhas, nome pelo qual são comercializadas) possuem vários efeitos adversos; veja quais são essas reações no corpo e qual é a sua constituição química.
Veja qual é a composição química da mistura que forma o crack, uma droga que se tornou uma das maiores tragédias da sociedade atual.
Conheça a composição química e a fórmula estrutural do MDMA, substância que define o ecstasy, e entenda por que essa droga é tão perigosa.