Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

O que é o Césio-137?

O que é?

O césio-137 é um isótopo radioativo do césio, que possui número de massa (A) igual a 137, pois corresponde à soma do número de prótons (55) com os nêutrons (82).
O césio-137 possui número atômico igual a 55 e massa atômica igual a 132,91
O césio-137 possui número atômico igual a 55 e massa atômica igual a 132,91
PUBLICIDADE

O césio-137 é um isótopo radioativo (radioisótopo) do elemento químico césio (Cs), cujo número atômico (Z), isto é, a quantidade de prótons no núcleo atômico, é igual a 55, e o número de nêutrons é de 82. Assim, a denominação “césio-137” vem do seu número de massa (A), que corresponde à soma do número atômico com os nêutrons (55 + 82 = 137). Desse modo, sua representação é dada por: 55137Cs.

O Cs-137 foi descoberto por meio de uma técnica chamada espectroscopia pelos cientistas Robert W. E. Bunsen (1811-1899) e Gustav R. Kirchhoff (1824-1887), que eram respectivamente professores de química e de física da universidade alemã de Heildelberg.

Esse radioisótopo emite radiações de seu núcleo. Conforme mostrado a seguir, ele desintegra-se, liberando, por exemplo, radiação beta (-10β), com consequente formação de outro elemento radioativo ainda mais nocivo, o bário-137:

55137Cs → -10β + 56137Ba

O césio-137 é bastante perigoso para o ser humano porque emite partículas ionizantes e radiações eletromagnéticas capazes de atravessar vários materiais, incluindo a pele e os tecidos do corpo humano, interagindo com as moléculas do organismo e gerando efeitos devastadores. Essa interação ocorre porque, assim como ocorre com todos os isótopos radioativos, o Cs-137 emite radiações com energia suficiente para retirar elétrons dos átomos e dar origem a cátions (partículas com carga positiva), que são altamente reativos e, por sua vez, podem causar alterações em reações que ocorrem nas células dos tecidos vivos, alterando o DNA e podendo causar o aparecimento de células cancerígenas.

A partícula beta liberada pelo césio-137 pode penetrar até 2 cm, quando incide sobre o corpo humano, e causar danos sérios. Juntamente às partículas beta são liberadas também radiações gama (00γ), que têm um poder de penetração ainda mais elevado, podendo atravessar completamente o corpo humano, causando danos irreparáveis. O bário-137 originado pelo césio-137 também libera radiações gama.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por ser um elemento da família dos metais alcalinos (família 1 na Tabela Periódica), o Césio é semelhante ao potássio (K) (que também pertence a essa família) e é capaz de substitui-lo nos tecidos vivos.

Um exemplo de quão nocivo esse radioisótopo pode ser foi o acidente que ocorreu em setembro de 1987, em Goiânia - Goiás. Resumidamente, dois catadores de lixo encontraram uma cápsula que continha césio-137 (na realidade, possuía cerca de 19 g de cloreto de césio (CsC?)) que estava entre os escombros de um hospital desativado. Os catadores levaram a cápsula e venderam-na para um ferro-velho. A cápsula acabou sendo violada e liberou o material radioativo, que chamou a atenção de muitos em virtude da luminescência do césio, que é um pó que brilha no escuro, em um tom azulado. O nome desse elemento, inclusive, tem origem no latimcaesius”, que significa céu azul. O resultado foi a morte de quatro pessoas, a contaminação de mais de 200 e a geração de mais de 7 toneladas de lixo atômico.

A contaminação pelo césio-137 pode ser prevenida através de seu isolamento com paredes grossas de concreto.

O césio-137, porém, possui vários usos benéficos, como pelas indústrias, na conservação de alimentos e, principalmente, na medicina. No aparelho de radioterapia, seu feixe radioativo é usado para atacar as células cancerígenas, e o chumbo da cápsula impede que essa radiação atravesse e contamine os materiais ao redor. Hoje se costuma usar o cobalto-60 no lugar do césio-137.

O Cs-137 é absorvido também pela água e pelo solo, apresentando uma meia-vida (tempo necessário para que metade de seus átomos radioativos se desintegre) de aproximadamente 30 anos.


Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FOGAçA, Jennifer Rocha Vargas. "O que é o Césio-137?"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/quimica/o-que-e-cesio-137.htm. Acesso em 17 de outubro de 2021.

Artigos Relacionados
Descubra o que é a lei da radioatividade, regra que define o comportamento do núcleo de um átomo ao emitir radiação alfa ou beta. Aprenda quais são as transformações sofridas pelos átomos com a eliminação dessas radiações e como a emissão de partículas resulta na formação de novos núcleos com diferente número atômico.
Acesse este link e aprenda o que é radiação. Conheça os diferentes tipos de radiações, sejam elas em forma de partículas (alfa, beta) ou em forma de ondas (infravermelha, gama, raio X, etc). Além disso, você poderá conhecer as diferentes origens, utilizações e os malefícios causados pelo uso da radiação.
Pode-se determinar o tempo de atividade de uma substância radioativa? Entenda como isso é feito por meio do conceito de meia-vida.
Tome cuidado com materiais radioativos!
Saiba com é feito o descarte de materiais radioativos.
Saiba mais sobre o césio-137. Conheça suas propriedades e aplicações e como se dá sua obtenção. Veja a história do acidente em Goiânia envolvendo esse isótopo.
Radioisótopos são isótopos (elementos com mesmo número atômico) radioativos. Veja mais sobre eles e alguns exemplos de elementos que se enquadram nessa descrição.
Conceito de radiação alfa, beta e gama.
Clique e conheça a verdadeira história sobre o acidente com césio-137 em Goiânia, Goiás, o maior acidente radioativo do Brasil.