Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

A periferia do Absolutismo

História Geral

Com menos destaque que os casos da Europa ocidental, o Absolutismo também se verificou no leste da Europa.
A águia de duas cabeças, olhando para os dois lados do mundo, demonstra o interesse da monarquia absolutista russa em unir ocidente e oriente
A águia de duas cabeças, olhando para os dois lados do mundo, demonstra o interesse da monarquia absolutista russa em unir ocidente e oriente
PUBLICIDADE

Os Estados Absolutistas da Europa ocidental foram os mais fortes e que exerceram maior influência sobre o restante do mundo. Entretanto, não foram apenas França, Inglaterra, Espanha e Portugal que conseguiram uma centralização do Estado com características absolutistas. Três outros casos existiram e é necessário tratar: a Rússia, a Prússia e o Império Austríaco.

Na Rússia, a centralização do poder em torno de um rei consolidou-se com Ivan, o Grande (1462-1505), depois de um processo de aglutinação empreendido por vários príncipes em torno do grão-ducado de Moscou. Ivan se proclamou czar (= césar) do Império Russo, cujos domínios se estenderam de Moscou até os Montes Urais e ao Oceano Glacial Ártico. Foi sob o reinado de Ivan, o Grande que foi construído o Kremlin, sede do governo. Outro que se destacou na obtenção de terras ao Império foi Ivan, o Terrível (1533-1584), conquistando terras ao sul e no oriente, ao mesmo tempo em que colonizou a fria Sibéria.

A ligação do Império Russo com o Ocidente se deu sob o reinado de Pedro, o Grande (1672-1725). Ele estimulou o desenvolvimento econômico e buscou modernizar as estruturas do Estado, criando exército e marinha regulares, estruturação financeira estatal e uma administração pública pautada em critérios mais racionais, com o objetivo de alcançar uma eficiência administrativa. Esta europeização do Império Russo fez com que Pedro, o Grande, construísse uma cidade mais a oeste de Moscou. São Petersburgo, às margens do Mar Báltico, foi o símbolo dos esforços de modernização empreendidos pelo czar Pedro, cuja corte real se esforçava em adotar vários hábitos de suas congêneres europeias, como vestimentas e o uso de tabaco.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Outro caso de Absolutismo se deu na Prússia, um reino que fazia parte do Sacro-Império Romano-Germânico e que utilizou do apoio à Reforma Protestante para anexar terras da Igreja católica. Frederico Guilherme Hoherzollern de Brandemburgo transformou a Prússia no principal dos Estados alemães unificando os nobres, junkers, e fortalecendo a estrutura estatal através da cobrança de tributos unificados em todo o território, estimulando o comércio e criando um exército regular. Os esforços de seus sucessores Frederico I (1688-1713), Frederico Guilherme I (1713-1740) e Frederico II (1740-1786) levaram a Prússia a se tornar um dos principais Estados europeus, e a criar a estrutura para a unificação alemã no século XIX.

OImpério Austríaco era também produto do Sacro-Império Romano Germânico, e que sob o controle da dinastia dos Habsburgo fez com que este Estado agrário e feudal estendesse seus territórios para a região dos Balcãs e em terras do Império Turco Otomano. É de se destacar o reinado de Maria Teresa (1740-1780), que organizou um exército permanente e nacional, e também José II (1780-1790), que iniciou a centralização administrativa do Estado, além de tentar estimular o contato de seus súditos com a cultura da Europa ocidental.


Por Tales Pinto
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PINTO, Tales dos Santos. "A periferia do Absolutismo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiag/a-periferia-absolutismo.htm. Acesso em 27 de setembro de 2021.

Artigos Relacionados
Absolutismo, Estados Absolutistas, Monarquias Nacionais, Monarquias Absolutistas, Idade Moderna, Renascimento, burguesia mercantil, entraves feudais, símbolos nacionais, unificação de territórios, Guerra dos Cem Anos, Guerra de Reconquista, teoria absolut