Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Quilombo de Vassouras

No século XIX, na província do Rio de Janeiro, aconteceu uma grande rebelião de escravos no Quilombo de Vassouras, mas a revolta foi interrompida pelas forças imperiais.

Manoel Congo (à direita), líder negro do Quilombo de Vassouras
Manoel Congo (à direita), líder negro do Quilombo de Vassouras
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Nos livros didáticos de História, nas aulas de História e nas propagandas que circulam pela mídia, sempre nos deparamos com referências sobre o Quilombo dos Palmares, considerado por grande parte da população brasileira como um dos ícones mais importantes da resistência negra contra o trabalho escravo.  

Contudo, Palmares não se configurou como único quilombo de resistência à escravidão negra no Brasil. Em diferentes regiões do país existiram comunidades quilombolas. Você sabe se há remanescentes de quilombos na região onde você mora? O que você conhece sobre essas comunidades?

Como dito antes, Palmares não foi o único quilombo no Brasil. Na província do Rio de Janeiro existiu o Quilombo de Vassouras. No ano de 1838, aproximadamente 300 escravos que viviam sendo explorados e açoitados nas lavouras de café da região se revoltaram e articularam uma grande rebelião contra seus senhores.

Segundo Cardoso (2006), a rebelião no Quilombo de Vassouras poderia ter tomado grandiosas proporções se os quilombolas tivessem conquistado o domínio de uma fábrica de pólvora que ficava ao pé da Serra da Estrala, próxima ao Quilombo, o que não aconteceu.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A revolta de Vassouras serviu como exemplo para que os senhores donos de escravos se alertassem contra as crescentes insurreições e convocassem tropas da Força Imperial para acabar e sufocar a rebelião. O líder do movimento no Quilombo de Vassouras, Manoel Congo, foi condenado à morte. Os demais escravos que participaram da revolta foram condenados a três anos de gonzo (dobradiça de ferro que envolvia o pescoço) e 650 chibatadas que eram aplicadas no máximo 50 por dia, para evitar que o escravo morresse antes de pagar a sentença. Dessa maneira, terminou a história do Quilombo de Vassouras que teve o fim parecido com o Quilombo dos Palmares.

Leandro Carvalho
Mestre em História

Escritor do artigo
Escrito por: Leandro Carvalho Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

CARVALHO, Leandro. "Quilombo de Vassouras"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/quilombo-vassouras.htm. Acesso em 23 de abril de 2024.

De estudante para estudante