Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Hipersudorese

Suor excessivo nas mãos pode ser sintoma da hipersudorese
Suor excessivo nas mãos pode ser sintoma da hipersudorese
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

A hipersudorese, ou hiperidrose, caracteriza-se pelo suor excessivo, além da demanda necessária para a manutenção da temperatura do corpo. Atingindo pessoas de ambos os sexos, ocorre em maior número em crianças e adolescentes.

Aproximadamente 1% da população tem este problema, mais frequentemente em regiões como pés, palmas das mãos e axilas. Lesões metabólicas, disfunções neurológicas, fatores emocionais como a ansiedade, e alterações dos centros reguladores de temperatura são os principais fatores que podem propiciar a hipersudorese. Sabe-se, também, que ela é mais frequente em pessoas que possuem parentes próximos também portadores.

Como este fato pode atrapalhar a pessoa em seu dia a dia, seja no sentido do conforto individual, ou mesmo de interações sociais, muitos pacientes procuram um tratamento eficaz em busca de melhor qualidade de vida. Quanto a isso, há algumas medidas que podem ser tomadas antes que se recorra a cirurgias ou procedimentos mais dispendiosos, como o uso de antiperspirantes, ou mesmo seções de terapia, no caso de pessoas ansiosas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)


Entretanto, quando tais métodos não são eficazes, o paciente pode recorrer a processo cirúrgico, denominado simpatectomia videoendoscópica; ou aplicação da toxina botulínica tipo A (BOTOX®). Tanto um quanto outro apresentam vantagens e desvantagens, geralmente cabendo ao paciente decidir qual mais se adequa à sua situação.

A simpatectomia consiste no rompimento cirúrgico de nervos de uma cadeia nervosa próxima aos ossos da coluna, responsáveis pelo suor excessivo, tendo como principal vantagem o fato de ser definitiva. Entretanto, é mais invasiva, podendo deixar cicatrizes.

Apesar de cessar por completo a sudorese de regiões específicas, o organismo, para a regulação da temperatura corporal, passa a provocar o suor em uma nova área (hiperidrose compensatória). Em muitos casos, a sudorese compensatória cessa com o tempo; em outros, o paciente se sente em uma situação na qual preferiria seus antigos sintomas.

A queda das pálpebras (síndrome de Horner), embora seja muito rara, também pode ocorrer como consequência desta cirurgia, já que o gânglio responsável por mantê-las abertas pode ser acidentalmente lesionado durante o procedimento. Sangramento e perfuração do pulmão, infecções ou mesmo reações adversas à anestesia são outros riscos a que o paciente se submete, ao enfrentar essa medida terapêutica.

O uso do botox é mais simples, eficaz e seguro. Ele consiste na aplicação deste nas glândulas sudoríparas, reduzindo a produção de suor. Como a sudorese não é bloqueada totalmente, não há perigo de surgirem eventos compensatórios. Entretanto, tal procedimento deve ser repetido entre seis e nove meses ficando, desta forma, proporcionalmente mais caro que a simpatectomia.

Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia

Escritor do artigo
Escrito por: Mariana Araguaia Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

ARAGUAIA, Mariana. "Hipersudorese"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/doencas/hipersudorese.htm. Acesso em 21 de abril de 2024.

De estudante para estudante