Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Tartarugas Marinhas

As tartarugas marinhas são animais capazes de botar uma grande quantidade de ovos, entretanto, poucos filhotes conseguem chegar à fase adulta.

Tartaruga marinha
Tartaruga marinha
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Reptilia
Ordem Testudines
Famílias Cheloniidae e Dermochelyidae

As tartarugas marinhas são animais aquáticos e marinhos, subdivididos em duas famílias: a Cheloniidae e Dermochelyidae. Nesta, encontramos uma única espécie: a tartaruga de couro (Dermochelys coriacea), nome este que se refere à presença de tecido semelhante a couro, ao invés de carapaça coberta por placas. Já na Família Cheloniidae, encontramos animais com tal escudo protetor, com essas caraterísticas, sendo eles: tartaruga de pente (Eretmochelys imbricata), aruanã (Chelonia mydas), oliva (Lepidochelys olivacea), cabeçuda (Caretta caretta), tartaruga-flatback (Natator depressus) e kemps ridley (Lepidochelys kempii). Todas elas, exceto as duas últimas, são encontradas no Brasil.

Machos e fêmeas são muito semelhantes entre si, podendo ser diferenciados, a olho nu, somente na fase adulta: momento este em que os machos apresentam rabo e unhas bastante desenvolvidos. A maioria destes animais é onívora, embora algumas consumam unicamente alimentos de origem animal.

São seres migratórios, retornando à praia onde nasceram na época de reprodução, a fim de depositar ali seus ovos. No litoral, este período perdura os meses de setembro a março; e nas ilhas oceânicas, de janeiro a junho: local e época em que a aruanã desova. Aproximadamente dois meses depois, os ovos começam a eclodir; e os filhotes saem de seus ninhos em direção à água. A tartaruga oliva atinge a maturidade sexual entre os dez e quinze anos; enquanto as demais, por volta dos vinte a trinta anos de vida.

Apesar de uma única tartaruga ser capaz de depositar um grande número de ovos, somente 0,1% dos filhotes conquistarão a vida adulta. Nos primeiros momentos de sua vida, já estão sujeitos à predação por aves, lagartos e caranguejos; e também por animais carnívoros encontrados no mar. Quando adultos, podem ser capturados por seres humanos, visando à utilização de sua carne e ovos na alimentação; e sua carapaça na confecção de artefatos. Indiretamente, a poluição, destruição de hábitats, acúmulo de material plástico no mar, pesca acidental, dentre outros fatores, são responsáveis pela morte de tais animais, elucidando o porquê de todas as espécies terem suas populações em declínio.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Observe abaixo o status de conservação de cada uma, segundo a IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais):

Dermochelys coriacea - criticamente ameaçada
Eretmochelys imbricata – criticamente ameaçada
Chelonia mydas - em perigo
Lepidochelys olivacea - vulnerável
Caretta caretta – em perigo
Natator depressus – dados insuficientes
Lepidochelys kempii – criticamente ameaçada

Uma notícia positiva é que, desde 1980, existe o Programa Brasileiro de Conservação das Tartarugas Marinhas, também conhecido por Tamar, vinculado à Diretoria de Biodiversidade do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade-ICMBio, responsável pelo estudo e conservação destas espécies.

A luta e conquista de áreas prioritárias para a conservação e medidas efetivas para garantir a qualidade dos ambientes em que estas espécies estão relacionadas, ajudam também na proteção a outras formas de vida que coexistem com as tartarugas marinhas.

Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia

Escritor do artigo
Escrito por: Mariana Araguaia Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

ARAGUAIA, Mariana. "Tartarugas Marinhas"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/animais/tartaruga-marinha.htm. Acesso em 20 de abril de 2024.

De estudante para estudante